Quarta-feira, 18 de Março de 2009

RETORNAR À MENTE ORIGINAL - TEXTO BUDISTA

.
.
.

Segue um trecho, um fragmento do livro "Gosto da Liberdade " do mestre tailandês Ajaan Chah. O texto todo está disponível no site "Acesso ao Isight":
http://www.acessoaoinsight.net/arquivo_textos_theravada/gosto_da_liberdade.php



Acerca desta mente... Na verdade não existe nada de errado com ela. Ela é essencialmente pura. Dentro de si mesma ela já está em paz. Que a mente não esteja em paz nestes dias é porque ela se deixa levar pelos humores. A mente real não tem nada a ver com isso, é simplesmente (um aspecto da) Natureza. Ela se torna pacífica ou agitada porque os humores a enganam. A mente que não é treinada, é estúpida. As sensações surgem e a ludibriam com a alegria, sofrimento, felicidade e tristeza, mas a verdadeira natureza da mente não é nenhuma dessas coisas. Essa alegria ou tristeza não é a mente mas somente um humor que surge para nos enganar. A mente que não é treinada se perde e segue atrás dessas coisas, esquece de si mesma. Então pensamos que somos nós que estamos preocupados ou tranqüilos ou o que quer que seja.

Mas na realidade essa nossa mente já está imóvel e tranqüila…realmente tranqüila! Tal como uma folha que está imóvel até que o vento a sopre. Se o vento surge a folha se agita. A agitação se deve ao vento - a agitação se deve a essas sensações; a mente as segue. Se ela não as segue, não ficará agitada. Se conhecemos a verdadeira natureza das sensações, não ficaremos agitados.

A nossa prática é simplesmente ver a Mente Original. Dessa forma precisamos treinar a mente a conhecer essas sensações e a não se deixar levar por elas. Fazer com que tudo esteja em paz. É somente esse o objetivo desta difícil prática que estamos empreendendo.

"... Aquilo que "inspeciona" os vários elementos que surgem durante a meditação é 'sati', atenção plena… Sati é vida… Quando não temos sati, quando somos descuidados, é como se estivéssemos mortos… Sati é simplesmente a mente atenta… É a causa do surgimento do auto-conhecimento e da sabedoria…Mesmo quando não nos encontramos mais em samadhi, sati deveria estar sempre presente…"

Sobre Meditação

Acalmar a mente significa encontrar o equilíbrio correto. Se você tentar forçar a sua mente em demasia ela irá longe demais, se você não se esforçar o suficiente ela não irá chegar lá, ela perde o ponto de equilíbrio.

Normalmente a mente não está tranqüila, ela está se movendo o tempo todo, lhe falta força. Fortalecer a mente e fortalecer o corpo não é a mesma coisa. Para fortalecer o corpo necessitamos exercitá-lo mas para fortalecer a mente significa fazer com que ela fique em paz, que não fique pensando acerca disto ou daquilo. Para a maioria das pessoas a mente nunca esteve em paz, ela nunca teve a energia de samadhi, [
1 ] por isso, devemos colocá-la dentro de limites. Sentamos em meditação, permanecendo com Aquele que sabe.

Se forçamos a nossa respiração para que seja muito longa ou muito curta, não estaremos em equilíbrio, a mente não ficará em paz. É o mesmo quando usamos uma máquina de costura com pedal pela primeira vez. Inicialmente praticamos somente com o pedal, de forma a ajustar nossa coordenação, antes que costuremos alguma coisa.
Acompanhar a respiração é parecido. Nós não nos preocupamos se ela é longa ou curta, fraca ou forte, nós somente a observamos. Deixamos que seja como deve ser e acompanhamos a respiração natural.

Quando ela estiver equilibrada, tomamos a respiração como nosso objeto de meditação. Quando inspiramos, o começo da respiração está na ponta do nariz, o meio da respiração está no peito e o final da respiração está no abdômen. Esse é o caminho da respiração. Quando expiramos, o início da respiração está no abdômen, o meio no peito e o final na ponta do nariz. Simplesmente observamos o caminho da respiração na ponta do nariz, no peito e no abdômen e depois no abdômen, no peito e na ponta do nariz. Notamos esses três pontos de forma a fazer com que a mente fique estável, para conter a atividade mental de tal forma que a atenção plena e a autoconsciência possam surgir com facilidade.

Quando formos capazes de notar esses três pontos poderemos soltá-los e notar a inspiração e a expiração, concentrando exclusivamente na ponta do nariz ou no lábio superior, onde o ar toca quando entra e sai. Nós não precisamos seguir a respiração, simplesmente estabelecemos a atenção plena à nossa frente, na ponta do nariz e notamos a respiração nesse único ponto - entrando, saindo, entrando, saindo. Não há necessidade de pensar acerca de algo especial, agora, concentre-se nessa simples tarefa, mantendo continuamente a mente atenta. Não há nada mais a ser feito, somente inspirar e expirar.

Em pouco tempo a mente ficará tranqüila, a respiração mais sutil. A mente e o corpo se tornam leves. Esse é o estado correto para a tarefa da meditação.

Quando estamos sentados em meditação a mente se torna refinada, mas em qualquer estado em que ela se encontre devemos tentar ter consciência dele, conhecê-lo. A atividade mental está ali junto com a tranqüilidade. Existe vitakka. Vitakka é a ação de trazer a mente para o tema da contemplação. Se não existe muita atenção plena, não haverá muito vitakka. Então vicara, a contemplação em torno daquele tema, segue. Várias impressões mentais "mais fracas" podem surgir de tempos em tempos mas a nossa autoconsciência é o mais importante - não importa o que esteja acontecendo nós temos conhecimento dela continuamente. À medida que nos aprofundamos estamos constantemente conscientes do estado em que se encontra a nossa meditação, sabendo se a mente está ou não firmemente estabelecida. Dessa forma, ambos, a concentração e a atenção plena estarão presentes.
Ter uma mente tranqüila não quer dizer que nada está acontecendo, as impressões mentais continuam surgindo. Por exemplo, quando falamos sobre o primeiro nível de absorção, dizemos que ele possui cinco fatores. Juntamente com vitakka e vicara, piti (êxtase) surge com o tema da contemplação e depois sukha (felicidade). Essas quatro coisas estão todas juntas na mente que se firmou na tranqüilidade. Elas são como um estado único.

O quinto fator é ekaggata ou unificação da mente em um só ponto. Você deve estar perguntando a si mesmo como pode haver a unificação quando também existem esses outros fatores. Isso ocorre porque eles ficam todos unificados com base na tranqüilidade. Juntos eles são chamados de o estado de samadhi. Eles não são estados do cotidiano da mente, eles são fatores de absorção. Existem essas cinco características mas elas não perturbam a tranqüilidade básica. Existe vitakka, mas ela não perturba a mente; vicara, êxtase e felicidade surgem mas não perturbam a mente. Portanto, a mente e esses fatores estão como se fossem uma coisa só. Assim é o primeiro nível de absorção.

Nós não precisamos chamá-lo de Primeiro Jhana, Terceiro Jhana e assim por diante, vamos chamá-lo simplesmente de ”uma mente tranqüila". Conforme a mente vai progressivamente se acalmando, ela irá dispensar vitakka e vicara, restando somente êxtase e felicidade. Porque a mente descarta vitakka e vicara? A razão é porque a mente vai se tornando mais refinada e a atividade de vitakka e vicara é muito grosseira para que possa permanecer. Neste estágio, quando a mente abandona vitakka e vicara, sentimentos de intenso êxtase podem surgir, lágrimas podem aflorar. Mas conforme o samadhi se aprofunda, o êxtase também é descartado, ficando somente a felicidade e a unificação da mente em um só ponto até que finalmente, mesmo a felicidade se vai e a mente atinge o ponto mais elevado de refinamento. Existe apenas equanimidade e unificação da mente em um só ponto, todo o demais foi deixado para trás. A mente permanece imóvel.

Uma vez que a mente esteja tranqüila tudo isso pode acontecer. Você não precisa pensar muito a respeito disso, isso acontece por si mesmo. A isto se chama de a energia de uma mente tranqüila. Nesse estado, a mente não está sonolenta; os cinco obstáculos, desejo sensual, aversão, inquietação, torpor e dúvida, foram todos embora.

Mas se a energia mental não for forte o suficiente e a atenção plena for fraca, ocasionalmente surgirão impressões mentais intrusas. A mente está tranqüila mas é como se houvesse uma "névoa" dentro dessa tranqüilidade. Não é um tipo de sonolência comum no entanto, algumas impressões irão se manifestar - talvez ouçamos um som ou vejamos um cachorro ou outra coisa. Não está absolutamente claro mas também não é um sonho. Isto ocorre porque os cinco fatores se tornaram desequilibrados e fracos.

A mente tem a tendência de nos pregar peças nesses níveis de tranqüilidade. "Imagens" podem surgir certas vezes quando a mente está nesse estado, através de qualquer um dos sentidos e o meditador poderá não ser capaz de identificar o que exatamente está acontecendo. "Estou dormindo? Não. É um sonho? Não, não é um sonho…" Essas impressões surgem a partir de um tipo de tranqüilidade média; mas se a mente estiver verdadeiramente tranqüila e cristalina não teremos dúvidas acerca das várias impressões mentais ou imagens que surgirem.
Questões como, "Eu fiquei à deriva? Eu estava dormindo? Eu me perdi? " não surgem pois elas são a característica de uma mente que ainda duvida. "Estou dormindo ou acordado?"…Aqui está confuso! Essa é a mente que está ficando perdida nos seus humores. É como a lua se escondendo atrás de uma nuvem. Você ainda pode ver a lua mas as nuvens que a cobrem fazem com que ela não possa ser vista com clareza. Não é como a lua que surgiu por detrás das nuvens - clara, bem definida e brilhante.

Quando a mente está tranqüila e com a atenção plena firmemente estabelecida, não haverá dúvida em relação aos vários fenômenos que encontramos. A mente terá verdadeiramente superado os obstáculos. Conheceremos com clareza, como na verdade é, tudo aquilo que surgir na mente. Não teremos dúvida porque a mente está clara e luminosa. A mente que alcança o samadhi é assim.

No entanto, algumas pessoas têm dificuldade de entrar em samadhi porque este não convém às suas inclinações. O samadhi existe mas não é forte ou firme. Mas a pessoa pode alcançar a paz através da sabedoria, contemplando e vendo a verdade das coisas, solucionando os problemas por esse caminho. Isto é a utilização da sabedoria ao invés do poder de samadhi. Para alcançar a tranqüilidade na prática, não é necessário sentar em meditação. Somente pergunte a si mesmo, "Ei, o que é isso?…" e solucione o seu problema exatamente nesse momento! Assim é uma pessoa sábia. Talvez ela realmente não consiga atingir níveis elevados de samadhi, embora ela desenvolva algo, o suficiente para cultivar a sabedoria. É a diferença entre cultivar arroz e cultivar milho. A pessoa pode depender mais de arroz do que milho para o seu sustento. A nossa prática pode ser assim, dependemos mais da sabedoria para solucionar os problemas. Quando vemos a verdade, a paz surge.

As duas formas não são iguais. Algumas pessoas possuem insight e sólida sabedoria mas não possuem muito samadhi. Quando elas sentam para meditar elas não ficam muito tranquilas. Elas tendem a pensar muito, contemplando isso ou aquilo até que finalmente elas contemplam a felicidade e o sofrimento e enxergam neles a verdade. Algumas se inclinam mais para isso do que samadhi. Quer seja em pé, caminhando, sentado ou deitado, [
3] a iluminação do Dhamma poderá ocorrer. Vendo e abandonando, elas alcançam a paz. Elas alcançam a paz conhecendo a verdade sem ter qualquer dúvida, porque elas a viram por si mesmas.

Outras pessoas possuem somente pouca sabedoria mas o seu samadhi é bastante sólido. Elas podem entrar em profundo samadhi rapidamente, mas não tendo muita sabedoria, elas não conseguem agarrar as suas impurezas, elas não as conhecem. Elas não conseguem resolver os seus problemas.

Mas independentemente da abordagem que usemos, precisamos eliminar a maneira incorreta de pensar, deixando ficar somente o Entendimento Correto. Precisamos eliminar a confusão, deixando somente a paz. De ambas maneiras chegaremos ao mesmo lugar. Existem esses dois aspectos da prática, mas essas duas coisas, tranqüilidade e insight, caminham juntas. Não podemos eliminar nenhuma delas. Elas precisam ir juntas.

Aquilo que "inspeciona" os vários fatores que surgem na meditação é 'sati', atenção plena. Sati é uma condição que, através da prática, pode auxiliar outros fatores a surgirem. Sati é vida. Sempre que não tivermos sati, quando formos desatentos, é como se estivéssemos mortos. Se não temos sati, então o que falamos e fazemos não possui nenhum significado. Sati é simplesmente recordação. É a causa do surgimento da autoconsciência e sabedoria. Quaisquer virtudes que tenhamos cultivado serão imperfeitas se lhes faltar sati. Sati é o que nos observa quando estamos em pé, caminhando, sentados e deitados. Mesmo quando não estamos mais em samadhi, sati deveria estar sempre presente.

Tomamos cuidado com qualquer coisa que façamos. Uma sensação de vergonha [
4] irá surgir. Ficaremos envergonhados das coisas que fazemos e que não são corretas. Conforme a vergonha aumenta, o nosso auto controle também aumenta, quando o nosso autocontrole aumenta a desatenção irá desaparecer. Mesmo que não sentemos em meditação, esses fatores estarão presentes na mente.

E isto surge devido ao fato de cultivarmos sati. Desenvolva sati! Esse é o dhamma que inspeciona o trabalho que estamos fazendo ou que fizemos no passado. Ele tem utilidade. Devemos nos conhecer o tempo todo. Se nos conhecermos dessa forma, o certo irá se distinguir do errado, o caminho irá se tornar claro e o motivo para toda a vergonha irá se dissolver. A sabedoria irá surgir.

Podemos resumir toda a prática em virtude, concentração e sabedoria. Ter autocontrole, isso é virtude. O firme estabelecimento da mente dentro desse controle é concentração. Para completar, o conhecimento amplo dentro da atividade na qual estamos engajados é sabedoria. A prática, em resumo, é apenas virtude, concentração e sabedoria ou em outras palavras, o caminho. Não existe outra alternativa.

"...Com o samadhi correto, não importa qual nível de tranqüilidade é alcançado, existe a consciência. Existe atenção plena e clara compreensão. Esse é o samadhi que pode dar origem à sabedoria, a pessoa não será capaz de se perder nele. Os praticantes devem entender isto muito bem..."

O Caminho em Harmonia

Hoje eu gostaria de lhes perguntar. "Vocês estão seguros, vocês têm certeza da sua prática de meditação?" Eu pergunto porque atualmente existem muitas pessoas ensinando meditação, tanto monges como leigos e eu temo que vocês possam estar sujeitos à incerteza e a dúvida. Se entendermos claramente, seremos capazes de fazer com que a mente seja firme e tranqüila.

Vocês devem entender o "Caminho Óctuplo" como sendo virtude, concentração e sabedoria. O caminho é simplesmente isso. A nossa prática consiste em fazer com que esse caminho se desenvolva dentro de nós.

Quando sentamos em meditação nos dizem para fechar os olhos, não olhar para nada mais porque agora iremos olhar diretamente para a mente. Quando fechamos os nossos olhos, a nossa atenção se volta para dentro. Estabelecemos nossa atenção na respiração, centralizamos ali as nossas sensações, colocamos ali a nossa atenção plena. Quando os elementos do caminho estiverem em harmonia seremos capazes de ver a respiração, as sensações, a mente e os seus humores da forma como realmente são. Aqui veremos o "ponto de foco", para onde samadhi e os demais elementos do Caminho convergem em harmonia.

Quando estiverem sentados em meditação, seguindo a respiração, pensem consigo mesmo que agora vocês estão sentados sozinhos. Não existe ninguém sentado à sua volta, não existe nada mais. Desenvolvam essa pensamento de que vocês estão sentados sozinhos até que a mente solte de tudo que é externo, concentrando-se somente na respiração. Se vocês estiverem pensando, "Esta pessoa está sentada aqui, aquela pessoa está sentada ali", não haverá paz, a mente não vem para dentro.
Simplesmente coloquem tudo isso de lado até que vocês sintam que não existe ninguém sentado a sua volta, até que não exista nada mais, até que vocês não tenham nenhuma hesitação ou interesse naquilo que está a sua volta.

Deixem que a respiração flua com naturalidade, não a force para que seja curta, longa ou o que quer que seja, simplesmente fiquem sentados e observem ela entrar e sair. Quando a mente se solta de todas as sensações externas, os ruídos de carros e outros barulhos não irão perturbá-los. Nada, quer sejam visões ou sons, irá perturbar, porque a mente não os estará recebendo. A sua atenção estará concentrada na respiração.

Se a mente está confusa e não se concentra na respiração, inspirem fundo, o mais fundo que vocês puderem e depois expirem até que não reste nada. Façam isso três vezes e depois re-estabeleçam a sua atenção. A mente irá se acalmar.

É natural que ela se acalme durante algum tempo e que depois a inquietação e a confusão possam surgir outra vez. Quando isso acontecer, concentrem-se, respirem fundo outra vez e depois re-estabeleçam a sua atenção na respiração. Continuem fazendo isso. Quando houver ocorrido isso algumas vezes, vocês se tornarão peritos nisso, a mente irá se soltar de todas as manifestações externas.
Impressões externas não irão atingir a mente. Sati estará firmemente estabelecido. À medida que a mente for ficando mais sutil, assim também a respiração. As sensações irão ficar cada vez mais sutis, o corpo e a mente ficarão leves. A nossa atenção estará somente no que é interno, veremos a inspiração e a expiração claramente, veremos todas as impressões claramente. Veremos a Virtude, Concentração e Sabedoria se unindo. A isto se denomina o Caminho em harmonia. Quando existe harmonia a nossa mente ficará livre da confusão, estará unificada. A isto se denomina samadhi.

Após observar a respiração por um longo tempo, ela pode se tornar bastante sutil, a atenção na respiração irá cessar gradualmente, restando somente a atenção pura. A respiração pode ficar tão sutil que desaparecerá! Talvez estejamos "apenas sentados", tal como se não houvesse respiração. Na verdade existe a respiração mas a impressão é de que ela não existe. Isto ocorre porque a mente atingiu o seu estado mais sutil, existe somente a atenção pura. Ela foi além da respiração. O conhecimento de que a respiração desapareceu se torna estabelecido. O que tomaremos agora como objeto de meditação? Tomamos esse conhecimento como nosso objeto, isto é, a consciência de que não existe respiração.

Coisas inesperadas podem acontecer neste momento; algumas pessoas as experimentam, outras não. Se elas surgirem, devemos ser firmes e manter uma sólida atenção plena. Algumas pessoas vêm que a respiração desaparece e ficam com medo, elas temem que possam morrer. Nesse caso devemos entender a situação apenas pelo que ela é. Nós simplesmente notamos que não há respiração e tomamos isso como objeto da nossa atenção. Esse, podemos dizer, é o tipo de samadhi mais firme e mais seguro. Existe somente um estado da mente, firme e imóvel.
Talvez o corpo se torne tão leve que é como se não houvesse corpo. Sentimos como se estivéssemos sentados em um espaço vazio, tudo parece vazio. Embora isso possa parecer muito estranho, vocês devem entender que não existe motivo para se preocupar. Estabeleçam a sua mente firmemente dessa forma.

Quando a mente está firmemente unificada, e já não é perturbada por impressões dos sentidos, a pessoa pode permanecer nesse estado pelo tempo que quiser. Não haverão sensações dolorosas que a perturbem. Quando o samadhi atingiu esse nível, poderemos deixá-lo quando quisermos, porém se deixarmos esse samadhi o faremos de maneira confortável, não porque ficamos entediados ou cansados. Nós o deixamos porque estamos satisfeitos por agora, nos sentimos relaxados, sem nenhum tipo de problema.

Se podemos desenvolver esse tipo de samadhi, e nos sentarmos, digamos, trinta minutos ou uma hora, a mente estará relaxada e calma por muitos dias. Quando a mente está assim relaxada e calma, ela está limpa. Tudo aquilo que experimentarmos, a mente irá tomar e investigar. Esse é um fruto do samadhi.

A virtude possui uma função, a concentração possui outra função e a sabedoria outra. Esses elementos são como um ciclo. Podemos vê-los todos dentro de uma mente tranqüila. Quando a mente está calma ela possui moderação e autocontrole devido à sabedoria e a energia da concentração. À medida em que ela fica mais controlada ela se torna mais sutil, o que por conseguinte dá força para que a virtude incremente a sua pureza. Na medida em que a virtude se purifica, isso auxilia no desenvolvimento da concentração. Quando a concentração está firmemente estabelecida ela auxilia o surgimento da sabedoria. Virtude, concentração e sabedoria se auxiliam mutuamente, elas estão inter-relacionadas dessa forma. No final o Caminho se converte em um só e opera todo o tempo. Devemos buscar a força que se origina do caminho, porque é a força que conduz ao Insight e Sabedoria.

* * *

Os Perigos do Samadhi

Samadhi é capaz de trazer muito dano ou muito benefício para o meditador, não é possível dizer que somente traga um ou outro. Para aquele que não possui sabedoria, ele é prejudicial mas, para aquele que possui sabedoria ele pode trazer um benefício real, pode conduzi-lo ao Insight.

Aquilo que pode ser mais prejudicial ao meditador é o Samadhi da Absorção (Jhana), o samadhi com profunda e sustentada tranqüilidade. Esse samadhi traz imensa paz. Onde existe paz existe a felicidade.
Quando existe a felicidade, o apego, a união a essa felicidade surgem. O meditador não quer contemplar nada mais, ele quer somente desfrutar dessa sensação agradável. Após termos praticado por um longo tempo poderemos ter a habilidade de entrar nesse samadhi muito rapidamente. Assim que começamos a notar o nosso objeto da meditação, a mente fica tranqüila e nós não queremos sair para investigar nada mais. Nós ficamos grudados nessa felicidade. Esse é um perigo para quem pratica a meditação.

Nesse caso precisamos usar Upacara Samadhi. Aqui, penetramos a tranqüilidade e então, quando a mente estiver suficientemente tranqüila, saímos e olhamos para a atividade externa. [
5] Olhando para o exterior com a mente tranqüila faz surgir a sabedoria. É difícil de entender isso, porque é quase o mesmo que pensar e imaginar. Quando o pensamento está presente, podemos pensar que a mente não está tranqüila, mas na verdade esse pensamento está ocorrendo dentro da tranqüilidade. Existe a contemplação mas ela não perturba a tranqüilidade. Podemos trazer o pensamento para contemplá-lo. Nesse caso tomamos o pensamento para investigá-lo mas não é que estejamos pensando em investigá-lo a esmo, nem que estejamos pensando ou imaginando a esmo; é algo que surge da mente que está tranqüila. A isto se denomina "atenção dentro da calma e calma com atenção". Se for simplesmente o pensamento e imaginação normais, a mente não ficará tranqüila, ela ficará perturbada. Mas eu não estou falando do pensamento comum, essa é uma sensação que surge da mente tranqüila. Se chama "contemplação". É exatamente aí que nasce a sabedoria.

Portanto, pode haver o samadhi correto e o samadhi incorreto. O samadhi incorreto se dá quando a mente penetra a tranqüilidade e não existe absolutamente nenhuma atenção. A pessoa pode ficar sentada por duas horas ou mesmo todo o dia mas a mente não sabe onde esteve ou o que aconteceu. Não sabe de nada. Existe a tranqüilidade, mas isso é tudo. É tal como uma faca muito bem afiada que não nos damos ao trabalho de usar para nada. Esse é um tipo de tranqüilidade enganoso porque não existe muita autoconsciência. O meditador pode pensar que já alcançou o ponto máximo e por isso não se preocupa em procurar por algo mais. Samadhi pode ser um inimigo nesse ponto. A sabedoria não é capaz de surgir porque não existe consciência do que é certo ou errado.
Com o samadhi correto, não importa o nível de tranqüilidade que seja alcançado, existe consciência. Existe atenção plena e plena consciência.
Esse é o samadhi que pode fazer surgir a sabedoria, ninguém se perde nele. Os praticantes devem entender isto muito bem. Você não deve ficar sem essa consciência, ela deve estar presente do começo ao fim. Esse tipo de samadhi não apresenta nenhum perigo.

Vocês devem estar se perguntando, de onde surge o benefício, como surge a sabedoria, do samadhi? Quando o samadhi correto foi desenvolvido, a sabedoria tem a possibilidade de surgir em todos os momentos. Quando o olho vê uma forma, o ouvido ouve um som, o nariz cheira um aroma, a língua experimenta um sabor, o corpo experimenta o toque ou a mente experimenta objetos mentais - em todas as posturas - a mente permanece com pleno conhecimento da verdadeira natureza dessas impressões sensuais, ela não é seletiva. Em qualquer situação estamos plenamente atentos ao surgimento da felicidade e da infelicidade. Nós nos soltamos de ambas coisas, não nos apegamos. A isto se denomina a Prática Correta, que está presente em todas as posturas.
Essas palavras "todas as posturas" não se referem somente a posturas do corpo, elas se referem à mente, que possui atenção plena e plena consciência da verdade durante todo o tempo. Quando samadhi foi desenvolvido corretamente, a sabedoria surge dessa forma. A isto se denomina "insight," o conhecimento da verdade.

Existem dois tipos de paz - a grosseira e a refinada. A paz que surge de samadhi é do tipo grosseira. Quando a mente está tranqüila existe a felicidade. A mente então assume que essa felicidade é a paz. Mas a felicidade e a infelicidade são o devir e o nascimento. Não existe escapatória do samsara [
6 ] nesse caso porque ainda temos apego. Dessa forma a felicidade não é paz, a paz não é felicidade.

O outro tipo de paz é aquele que surge da sabedoria. Nesse caso não confundimos a paz com a felicidade; conhecemos a mente que contempla e que conhece a felicidade e a infelicidade como sendo paz. A paz que surge da sabedoria não é a felicidade, mas é aquela que vê a verdade de ambas, a felicidade e a infelicidade. O apego a esses estados não surge, a mente se eleva acima deles. Esse é o verdadeiro objetivo de toda a prática Budista.

"...O Buda estabeleceu a Virtude, Concentração e Sabedoria como o Caminho para a paz, o caminho para a iluminação. Mas na verdade essas coisas não são a essência do Budismo. Elas são somente o Caminho…A essência do Budismo é a paz e a paz é o resultado de conhecer verdadeiramente a natureza de todas as coisas..."

O Caminho do Meio Interior

O ensinamento Budista compreende o abandono do mal e a prática do bem. Então, quando o mal é abandonado e o bem estabelecido, precisamos nos soltar de ambos, do bem e do mal. Já ouvimos o suficiente acerca de condições benéficas e prejudiciais para sermos capazes de entender algo a seu respeito, portanto eu gostaria de falar sobre o Caminho do Meio, isto é, o caminho para escapar dessas duas coisas.

Todas palestras do Dhamma e ensinamentos do Buda possuem um objetivo - mostrar como sair do sofrimento para aqueles que ainda não conseguiram escapar. Os ensinamentos possuem como objetivo nos transmitir o entendimento correto. Se não entendermos corretamente, então não alcançaremos a paz.

Quando os vários Budas se iluminaram e transmitiram os seus primeiros ensinamentos, todos eles falaram acerca desses dois extremos - entregar-se ao prazer e entregar-se à dor. [
7] Esses dois caminhos são os caminhos das paixões cegas, eles são os caminhos entre os quais oscilam aqueles que se entregam aos prazeres sensuais, sem nunca alcançar a paz. Eles são os caminhos que ficam dando volta no samsara.

O Iluminado observou que todos os seres estão presos a esses dois extremos, nunca enxergando o Caminho do Meio do Dhamma, portanto ele os expôs de forma a mostrar a punição envolvida em ambos. Porque nós ainda estamos presos, porque ainda desejamos, vivemos repetidas vezes sob a sua ditadura. O Buda declarou que esses dois caminhos são os caminhos da embriaguez, eles não são os caminhos de um meditador, nem os caminhos para a paz. Esses caminhos são a entrega ao prazer e a entrega à dor ou, para colocar de maneira simplificada, o caminho da negligência e o caminho da tensão. Se você investigar interiormente, momento a momento, verá que o caminho da tensão é a raiva, o caminho do sofrimento. Seguindo por esse caminho haverá somente dificuldade e sofrimento. Entregar-se ao prazer - se você escapou dela, isso significa que você escapou da felicidade. Esses caminhos, tanto a felicidade como a infelicidade não são estados de paz. O Buda ensinou a soltar ambos.
Essa á a prática correta. Esse é o Caminho do Meio. Essas palavras, "o Caminho do Meio", não se referem ao nosso corpo e linguagem, elas se referem à mente. Quando uma impressão mental que não gostamos surge, ela afeta a mente e surge a confusão. Quando a mente está confusa, quando ela está agitada, esse não é o caminho correto. Quando surge uma impressão mental da qual gostamos, a mente se move para entregar-se ao prazer - esse não é o caminho tampouco.

Nós não queremos sofrer, queremos a felicidade. Mas na verdade a felicidade é apenas uma forma refinada de sofrimento. O sofrimento em si é a forma grosseira. Você pode compará-los a uma cobra. A cabeça da cobra é a infelicidade, a cauda da cobra é a felicidade. A cabeça da cobra é realmente perigosa, ela possui as presas venenosas. Se você tocá-la a cobra morderá imediatamente. Mas não importa a cabeça, mesmo se você segurar a cauda, ela irá se voltar e mordê-lo do mesmo jeito, porque ambos a cabeça e a cauda pertencem à mesma cobra.

Da mesma forma, ambas a felicidade e a infelicidade, ou prazer e dor, surgem do mesmo progenitor - desejo. Portanto, quando você está feliz a mente não está em paz. Não está mesmo! Por exemplo, quando obtemos as coisas que queremos, tal como riquezas, prestígio, elogios ou felicidade, como resultado ficamos satisfeitos. Mas a mente ainda abriga algum desconforto porque tememos perder algo. Esse mesmo temor não é um estado pacífico. Mais tarde poderemos até perder algo e então realmente sofreremos. Dessa forma, se você não tiver consciência, mesmo que esteja feliz, o sofrimento é iminente. É exatamente o mesmo que agarrar a cauda da cobra - se você não soltá-la ela irá mordê-lo.
Portanto quer seja a cauda ou a cabeça da cobra, isto é, condições benéficas ou prejudiciais, elas são apenas qualidades da Roda da Existência, mudando interminavelmente.

O Buda estabeleceu a virtude, concentração e sabedoria como o caminho para a paz, o caminho para a iluminação. Mas na verdade essas coisas não são a essência do Budismo. Elas são somente o caminho. O Buda as chamava de "Magga", que significa "caminho". A essência do Budismo é a paz e essa paz surge conhecendo verdadeiramente a natureza de todas as coisas. Se investigarmos de perto, veremos que a paz não é a felicidade nem a infelicidade. Nenhuma delas é a verdade.

A mente humana, a mente que o Buda nos estimulou a conhecer e investigar, é algo que somente podemos conhecer através da sua atividade. A verdadeira "mente original" não pode ser medida, não pode ser conhecida. No seu estado natural ela é inabalável, imóvel. Quando surge a felicidade, o que ocorre é que essa mente se perde em uma impressão mental, existe movimento. Quando a mente se move dessa forma, o apego e a ligação a essas coisas surgem.

O Buda estabeleceu o caminho da prática completo, mas nós ainda não o praticamos, ou se o fazemos, nós o praticamos somente com a linguagem. As nossas mentes e a nossa linguagem ainda não estão em harmonia, nós nos entregamos apenas a uma conversa sem propósito. Mas a base do Budismo não é algo acerca do qual se possa conversar ou fazer conjecturas. A base real do Budismo é o completo conhecimento acerca da verdade da realidade. Se alguém conhece essa verdade então não existe a necessidade de nenhum ensinamento. Se alguém não a conhece, mesmo que ele escute os ensinamentos, ele na verdade não os irá ouvir. É por isso que o Buda disse, "O Abençoado apenas indica o caminho". Ele não pode realizar a prática por você, porque a verdade é algo que não pode ser colocada em palavras ou revelada.

Todos os ensinamentos são apenas metáforas e comparações, meios para ajudar a mente a ver a verdade. Se não pudermos ver a verdade, sofreremos. Por exemplo, geralmente dizemos "sankharas" [
8] quando nos referimos ao corpo. Qualquer pessoa pode dizer isso mas na verdade temos problemas simplesmente porque não conhecemos a verdade desses sankharas, e por isso nos apegamos a eles. Porque não conhecemos a verdade do corpo, sofremos.

Vou dar um exemplo. Suponha que uma manhã você está caminhando para o trabalho e um homem do outro lado da rua lhe grita ofensas e insultos. Assim que você ouve essas ofensas a sua mente muda do seu estado normal. Você não se sente tão bem, você sente raiva e mágoa.
Aquele homem se encontra ali ofendendo-o dia e noite. Quando você ouve a ofensa, você fica com raiva e mesmo quando você volta para casa, ainda sente raiva porque você se sente vingativo, você quer revidar.
Alguns dias mais tarde um outro homem vem na sua casa e lhe diz. "Ei! Aquele homem que o ofendeu outro dia, ele está louco, ele está insano! Já faz vários anos! Ele ofende a todos dessa forma. Ninguém presta atenção ao que ele diz". Assim que você ouve isso, você se sente repentinamente aliviado. Aquela raiva e mágoa que estavam armazenadas dentro de você todos esses dias se dissolvem completamente. Porque? Porque agora você conhece a verdade. Antes, você não sabia, você pensava que aquele homem era normal, por isso você estava com raiva dele. Pensando dessa forma fez com que você sofresse. Assim que você descobriu a verdade, tudo mudou: "Ah, ele está louco! Isso explica tudo!" Entendendo isso, você se sente bem, porque você sabe por você mesmo. Entendendo, então, você pode soltar de tudo.
Se você não sabe a verdade você se agarra ao sentimento. Quando você estava pensando que o homem que o havia ofendido era normal, você poderia tê-lo matado. Mas quando você descobriu a verdade, que ele está louco, você se sentiu muito melhor. Esse é o conhecimento da verdade.

Alguém que vê o Dhamma tem uma experiência semelhante. Quando a cobiça, aversão e delusão desaparecem, eles desaparecem do mesmo modo. Enquanto não conhecemos essas coisas pensamos, "O que posso fazer? Eu tenho tanto desejo e aversão". Esse não é o claro conhecimento. É exatamente o mesmo quando pensávamos que o homem louco era equilibrado. Quando finalmente vimos que ele estava louco todo o tempo, nos aliviamos da aflição. Ninguém poderia mostrar-lhes isso. Somente quando a mente vê por si mesma é possível arrancar pela raiz e abandonar o apego.

É o mesmo que ocorre com este corpo que chamamos de sankharas. Embora o Buda já tenha explicado que não se trata de algo sólido ou real como tal, nós ainda não aceitamos isso, teimosamente nos agarramos a ele. Se o corpo pudesse falar, ele nos diria o tempo todo, "Você não é o meu dono, sabia?" Na verdade ele nos está dizendo isso o tempo todo, mas é a linguagem do Dhamma, por isso somos incapazes de entendê-lo.
Por exemplo, os órgãos dos sentidos: olho, ouvido, nariz, língua e corpo estão mudando todo o tempo, mas eu nunca os vi pedir permissão uma vez que seja! Tal como quando temos dor de cabeça ou dor de estômago - o corpo nunca pede primeiro permissão, ele simplesmente faz o que quer, seguindo o seu curso natural. Isso mostra que o corpo não permite que ninguém seja o seu dono, ele não tem dono. O Buda o descreveu como algo vazio.

Nós não entendemos o Dhamma e por isso não entendemos esses sankharas; nós assumimos que eles são nós mesmos, que nos pertencem ou pertencem a outros. Isso faz surgir o apego. Quando o apego surge, "vir a ser" vem em seguida. Uma vez que o devir surge, então existe o nascimento. Uma vez que existe o nascimento, então o envelhecimento, enfermidade, morte…toda a massa de sofrimento surge. Isto é Paticcasamuppada. [
9] Nós dizemos que a ignorância faz surgir as atividades volitivas, elas dão origem à consciência e assim por diante. Todas essas coisas são simplesmente eventos que se passam na mente.
Quando entramos em contato com alguma coisa da qual não gostamos, se não temos atenção plena, a ignorância estará ali. O sofrimento surge imediatamente. Mas a mente passa por essas mudanças tão rapidamente que não nos é possível acompanhá-la. É o mesmo quando você cai de uma árvore. Antes que você se dê conta - "Pum!" - você caiu no solo. Na verdade você passou por muitos galhos e ramos pelo caminho mas você não foi capaz de contá-los, você não foi capaz de se lembrar deles à medida que passava por eles. Você somente caiu e depois "Pum!"
Com o Paticcasamuppada é o mesmo. Se o dividirmos da forma como está nas escrituras, diremos que a ignorância dá origem às atividades volitivas, as atividades volitivas dão origem à consciência, a consciência dá origem à mentalidade-materialidade, a mentalidade-materialidade dá origem aos seis meios dos sentidos, os seis meios dos sentidos dão origem ao contato sensual, o contato dá origem à sensação, a sensação dá origem ao desejo, o desejo dá origem ao apego, o apego dá origem ao ser/existir, o ser/existir dá origem ao nascimento, o nascimento dá origem ao envelhecimento, enfermidade, morte e todas as formas de sofrimento. Mas na verdade, quando você entra em contato com alguma coisa da qual você não gosta, o sofrimento é imediato! Essa sensação de sofrimento é na verdade o resultado de toda a cadeia do Paticcasamuppada. É por isso que o Buda exortava os seus discípulos a investigar e conhecer as suas mentes inteiramente.

Quando as pessoas nascem no mundo elas não possuem nomes - uma vez que nascem, lhes damos nomes. Isso é uma convenção. Damos nomes para as pessoas por conveniência, para ter como chamar um ao outro. Com as escrituras ocorre o mesmo. Separamos tudo com rótulos para que o estudo da realidade seja facilitado. Da mesma forma, todas as coisas são simplesmente sankharas. A sua natureza é que são coisas originadas de condições. O Buda disse que elas são impermanentes, insatisfatórias e não-eu. Elas são instáveis. Nós realmente não entendemos isso, nossa compreensão é falha e por isso temos o entendimento incorreto. Esse entendimento incorreto é de que os sankharas somos nós mesmos, que nós somos os sankharas, ou de que a felicidade ou infelicidade somos nós mesmos, nós somos a felicidade e a infelicidade. Ver dessa forma não é conhecer plena e claramente a verdadeira natureza das coisas. A verdade é que não podemos forçar todas essas coisas a seguir os nossos desejos, elas seguem o caminho da natureza.

Uma simples comparação: suponha que você vá e se sente no meio de uma autopista com carros e caminhões vindo na sua direção. Você não pode ficar com raiva dos carros e gritar, "Não dirijam por aqui! Não dirijam por aqui!" É uma autopista, você não pode dizer-lhes isso! Então o que você pode fazer? Você sai da autopista! A autopista é o lugar dos carros, se você não quiser que os carros estejam ali, você irá sofrer.

É o mesmo com os sankharas. Nós dizemos que eles nos perturbam, tal como quando sentamos em meditação e ouvimos um som. Nós pensamos, "Ah, esse som está me aborrecendo". Se pensarmos que o som está nos perturbando então conseqüentemente sofreremos. Se investigarmos um pouco mais, veremos que somos nós que saímos e perturbamos o som! O som é simplesmente som. Se o entendermos dessa forma então não há nada mais e nós o deixamos em paz. Veremos que o som é uma coisa, nós somos outra. Aquele que deduz que o som surge para perturbá-lo é alguém que não consegue ver a si mesmo. Ele realmente não consegue! Uma vez que você consiga ver a si mesmo, então você estará tranqüilo. O som é somente um som, porque você deveria agarrá-lo? Você verá que na verdade foi você quem saiu e perturbou o som. Esse é o genuíno conhecimento da verdade. Você vê os dois lados, assim você terá paz. Se você enxergar somente um lado, existirá o sofrimento. Uma vez que você consiga ver ambos lados, você estará seguindo o Caminho do Meio. Essa é a prática mental correta. Isso é o que chamamos de "acertar a nossa compreensão".

Da mesma forma, a natureza de todos sankharas é a impermanência e a morte, porém nós queremos agarrá-los, nós os carregamos conosco e os desejamos. Queremos que eles sejam verdadeiros. Queremos encontrar a verdade nessas coisas que não são verdadeiras! Sempre que alguém pense assim e se apegue aos sankharas como sendo ele mesmo, ele sofrerá. O Buda queria que o levássemos em conta dessa forma.

A prática do Dhamma não depende de ser um monge, um noviço ou um leigo; ela depende de acertarmos a nossa compreensão. Se o nosso entendimento é correto, alcançaremos a paz. Quer você seja ordenado ou não, é a mesma coisa, todas as pessoas têm a oportunidade de praticar o Dhamma, de contemplá-lo. Nós todos contemplamos a mesma coisa. Se você alcança a paz, é a mesma paz para todos; é o mesmo Caminho, com os mesmos métodos.

Portanto, o Buda não discriminava entre leigos e monges, ele ensinou todas as pessoas a praticar para conhecer a verdade dos sankharas. Quando conhecemos essa verdade, nos soltamos deles. Se conhecermos a verdade não haverá mais vir a ser ou nascimento. Como não haverá mais nascimento? Não há mais como ocorrer o nascimento porque conhecemos plenamente a verdade dos sankharas. Se conhecermos a verdade plenamente, então haverá paz. Ter ou não ter, é tudo a mesma coisa. Ganho ou perda é o mesmo. O Buda nos ensinou a entender isso. Isso é paz; paz da felicidade, infelicidade, alegria e tristeza.

Precisamos ver que não há razão para nascer. Nascer de que forma? Nascer na felicidade: Quando conseguimos algo que gostamos ficamos felizes por isso. Se não existe apego a essa felicidade não existe nascimento; se existe apego, a isso se chama "nascimento". Portanto se obtemos algo, não nascemos (na felicidade). Se perdemos, não nascemos (na tristeza). Isto é o não nascido e o imortal. O nascimento e a morte, ambos, são encontrados no apego e no amor aos sankharas.

Assim o Buda disse: "O nascimento foi destruido, a vida santa foi vivida, o que deveria ser feito foi feito, não há mais vir a ser a nenhum estado". Aí está! Ele conhecia o não nascido e o imortal! Isso é o que o Buda constantemente exortava os seus discípulos a conhecer. Essa é a prática correta. Se você não alcançá-la, não irá alcançar o Caminho do Meio e então não irá transcender o sofrimento.

"...Meditar significa pacificar a mente de modo a permitir que a sabedoria surja…Para colocar de forma sucinta, é apenas uma questão de felicidade e infelicidade. A felicidade é uma sensação agradável na mente, a infelicidade é justamente a sensação desagradável. O Buda ensinou a separar essa felicidade e infelicidade da mente..."
publicado por conspiratio às 20:36
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. NÃO AO MARCO CIVIL DA INT...

. INVASÃO CUBANA - PROGRAMA...

. PAPA FRACISCO: UM COMUNI...

. GOVERNO TEM PRESSA PARA C...

. FORO DE SÃO PAULO É O PRO...

. Yoani Sanchez dissidente...

. TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO E ...

. NOVA ORDEM MUNDIAL ESTÁ P...

. O DESEJO IRRESPONSÁVEL DE...

. COMUNISMO SE CURA COM VER...

. A HISTÓRIA SECRETA DE ANA...

. A CONSPIRAÇÃO DO FORO DE ...

. A LISTA DE CLINTON - ESTR...

. A EDUCAÇÃO MORREU?

. CAUSAS DO CAOS BRASILEIRO...

. CONSPIRAÇÃO DO FORO DE SA...

. A HISTÓRIA SECRETA DE ANA...

. ABORTISMO SENDO INSTALADO...

. NOVA ORDEM MUNDIAL ESTÁ P...

. TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO,

. O PROBLEMA É O FORO DE SÃ...

. ORVIL - TENTATIVAS DE TOM...

. CONSPIRAÇÃO CONTRA A CIVI...

. RITALINA E OUTRAS DROGAS ...

. O EX-REVOLUCIONÁRIO DOSTO...

. UM POUCO SOBRE ABDUÇÃO E ...

. FINS E MEIOS, BEM E MAL,...

. PRIORADO DE SIÃO E A NOV...

. SE NÃO INVESTIRMOS EM CON...

. CONGRESSO QUER MANDAR NO ...

. COREIA, NOVA ORDEM MUNDIA...

. BLOSSOM GOODCHILD E A NAV...

. AGRICULTOR EM GUERRA CONT...

. CONTRA A CAMPANHA CONTRA ...

. OPRIMIR O CIDADÃO COM LEI...

. MANIPULAÇÕES DA LÓGICA, D...

. EXTINGUINDO A PROFISSÃO D...

. KARL MARX , ADAM WEISHAUP...

. CONTROLE E MAIS CONTROLE ...

. UFO OU MÍSSEL ATINGE "MET...

. LÚCIFER E A REVOLUÇÃO

. HIPNOSE PELA TV - DAVID I...

. FORMAÇÃO DO IMBECIL COLET...

. VOAR É COM OS PÁSSAROS?

. OS BILDERBERGERS/ILLUMINA...

. QUEM MANDA NO MUNDO

. O ILLUMINATI OBAMA SE DÁ ...

. ARIZONA WILDER REFUTA DAV...

. QUEM MATOU AARON SWARTZ?

. AGENDAS DE DOMINAÇÃO GLOB...

.arquivos

. Abril 2014

. Novembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

.tags

. 3 elites globalistas(6)

. a corporação(9)

. acobertamento(13)

. agenda illuminati(13)

. alex jones(8)

. amor(20)

. animais(29)

. arqueologia proibida(4)

. atenção(7)

. auto-realização(33)

. autoritarismo(7)

. bancos terroristas(8)

. benjamin fulford(5)

. bíblia(7)

. big pharma(12)

. bilderberg(8)

. budismo(24)

. calar a democracia(5)

. censura da internet(15)

. cérebro(22)

. codex alimentarius(15)

. comunismo(13)

. concentração(14)

. consciência(7)

. conspiração(94)

. conspiração antidemocrática(6)

. conspiração financeira(11)

. controle da informação(17)

. controle da internet(22)

. cura(25)

. daskalos(7)

. david icke(9)

. denúncia(10)

. depopulação(6)

. despopulação(8)

. deus(10)

. ditadura(14)

. ditadura através da mentira(6)

. ditadura através da saúde(11)

. documentários ufológicos(7)

. ecologia(35)

. educação(7)

. ego(25)

. engenharia social(9)

. ensonhar(11)

. eqm (experiência de quase-morte)(12)

. extraterrestre interferência(11)

. filosofia(6)

. globalistas(5)

. goldsmith(8)

. google(9)

. governo oculto(31)

. gripe suína(8)

. história(17)

. história da nom(5)

. illuminati(54)

. integração(9)

. internautas conheçam seu poder(6)

. internet censura(11)

. intraterrestres(8)

. jesus(8)

. krishnamurti(13)

. lei cala-boca da internet(5)

. liberdade(8)

. livre-arbítrio(6)

. manipulação da informação(13)

. manipulação da mente(8)

. manipulação das massas(8)

. medicina natural(10)

. mentecorpo(5)

. microchip(7)

. milton cooper(7)

. monsanto(6)

. movimento revolucionário(9)

. neurociência(20)

. nom(43)

. nova ordem mundial(83)

. obama(7)

. olavo de carvalho(31)

. poder da internet(5)

. poder da mente(97)

. poder das farmacêuticas(5)

. política(16)

. predadores da humanidade(16)

. problema-reação-soluçao p-r-s(7)

. profecias(9)

. project camelot(11)

. psicanálise(5)

. pt(9)

. rauni kilde(6)

. realidade(7)

. rockefeller(7)

. saúde(19)

. sonho lúcido(22)

. totalitarismo(9)

. totalitarismo global(9)

. ufo(46)

. universo(16)

. vida(31)

. xamanismo(15)

. todas as tags

.favorito

. NÃO AO MARCO CIVIL DA INT...

. INVASÃO CUBANA - PROGRAMA...

. PAPA FRACISCO: UM COMUNI...

. GOVERNO TEM PRESSA PARA C...

. FORO DE SÃO PAULO É O PRO...

. TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO E ...

. NOVA ORDEM MUNDIAL ESTÁ P...

. COMUNISMO SE CURA COM VER...

. A HISTÓRIA SECRETA DE ANA...

. A EDUCAÇÃO MORREU?

.links

.links

.EXPANDIR A CORRUPÇÃO É ESTRATEGIA REVOLUCIONÁRIA - OLAVO DE CARVALHO

.DAVID ICKE - PROBLEMA-REAÇÃO-SOLUÇÃO - a mais poderosa técnica de manipulação das massas

.EXPANDIR A CORRUPÇÃO É ESTRATEGIA REVOLUCIONÁRIA - OLAVO DE CARVALHO