Domingo, 17 de Novembro de 2013

TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO E MARXIZAÇÃO DA IGREJA FOI LONGAMENTE PREPARADA



O livro "O CONCLAVE", de Malachi Martin, trata da infiltração comunista no Vaticano e os consequentes conflitos e tramas para influir na eleição papal, além do lento, traiçoeiro e corrosivo ataque aos fundamentos da religião.  " O Papa João Paulo I foi assassinado [35] [36] de acordo com o livro de Malachi, "Vaticano: A Novel", por Jean-Marie Villot , sob ordens da URSS ".  Jean-Marie Villot, segundo consta, teria então o cargo de Carmelengo.

A seguir, alguns trechos de O CONCLAVE:


Thule tivera um encontro especial com os periti ultraprogressistas, no Concílio, e entre eles ficara decidido que procurariam introduzir, no texto dos documentos conciliares, "bombas de ação retardada" em assuntos de doutrina, que seriam aprovados pelos bispos.  

Uma bomba de ação retardada era uma frase suscetível de mais de uma interpretação. Para os bispos, uma frase dessas teria um significado. Mas depois, como de fato aconteceu, a Comissão daria outro — e por vezes totalmente diferente — significado à frase aparentemente inócua.

 

 

Walker trouxe consternação ao Conclave. Pelo menos quatro ou cinco Cardeais, quase todos da América Latina, estão de pé, tentando conseguir permissão para intervir. Um deles, Marquez, consegue: 

 

     Nosso Irmão, o Cardeal Walker, precisa ter certeza de que dispõe de prova desta grave acusação. 

 

     Está tudo aqui, meu Eminentíssimo Irmão, está tudo aqui. — Walker levanta no ar outro monte de papéis. Está sorrindo, mas não é um sorriso agradável. — Estes documentos me custaram muito trabalho. Deixai-me ver, agora, — folheia rapidamente algumas páginas. — Ah, sim! — Uma pausa, enquanto lê os nomes dos mais controvertidos e mais modernistas dos periti do Concilio Vaticano.
     Está o nosso Eminente Irmão dizendo, — Marquez insiste na provocação a Walker, — que havia uma espécie de entendimento entre estes homens e outros ainda não mencionados?
     Sim. Estou! — Muito embora todos os presentes a esta altura já tivessem compreendido a significação daquilo que Walker estava dizendo, sua afirmação final de que houvera nada menos que uma trama para aliciar a vontade do Concílio ainda constitui uma bomba. O Presidente não consegue manter a ordem entre os Cardeais e Walker precisa quase berrar, para poder se fazer ouvido. — Estou dizendo precisamente isso, Reverendo Irmão. Houve um plano coordenado, predeterminado, estabelecido por um punhado de bispos e periti, um plano que agora conhecemos em detalhe, um plano que foi seguido meticulosamente. 
     Precisamos saber, Eminentes Irmãos, — Thule é um desafio ostensivo, — precisamos saber quais são os detalhes dessa trama, desse plano.
     Muito bem! Primeiro: Colocar as bombas de ação retardada, aquelas afirmações ambíguas, nos documentos do Concilio. Na nossa CSL oficial, por exemplo, uma afirmação como a que consta do Artigo 21, que diz: "A Liturgia compõe-se de elementos imutáveis, de instituição divina, e de elementos sujeitos a modificação." Ou, no Artigo 33: "Embora a Liturgia sagrada seja, acima de tudo, a adoração da Majestade Divina, contém ela, igualmente, abundante instrução para os fiéis." Ou, no Artigo 38: "A revisão dos livros litúrgicos deveria permitir variações e adaptações legítimas a diferentes grupos, regiões e povos, especialmente em zonas missionárias."
Ora, Confrades, todas as declarações desse tipo foram entendidas por nós, os bispos, num sentido, um sentido conservador, tradicionalista. O passo número um consistiu em introduzir tais declarações nos documentos oficiais.
Segundo passo: Encher a Comissão pós-Concílio, estabelecida para a implementação de nossas decisões, com gente que faria explodir as bombas de ação retardada. O secretário-geral da Comissão pós-Concílio era Bugnini, Hannibal Bugnini.



 Terceiro passo: Em nome do Concilio — agora já disperso e tendo seus membros espalhados pelos quatro ventos — expedir uma série de decretos, determinando as mudanças. E coordenar esses novos e revolucionários decretos com mudanças não-oficiais e unilaterais, iniciadas por bispos complacentes e maquinadores e por periti e padres, em várias dioceses da Igreja...
 
—Repito: espero que o Eminente Cardeal possa provar tudo isto com documentos, comprovados e autenticados. Thule. E está claramente agitado.
     Vossa Eminência tem uma cópia de cada documento que tenho nas mãos, e de cada carta trocada entre Sua Eminência e os periti e o Arcebispo que chefiava a Comissão e... — O Cardeal Thule levanta-se para interromper novamente Walker, mas desta vez o Presidente intervém: 
     Por favor, permiti que o Cardeal continue. — Walker olha firmemente em torno de si, depois continua: 


     Quarto passo: Traduzir o Cânone da Missa, em toda parte, para vernáculo. E proibir — repito -- PROIBIR o latim, em toda parte. E traduzir para o vernáculo todos os livros litúrgicos. 
Quinto passo: Adaptar a Liturgia da Missa a todas e a cada uma das regiões e localidades e línguas, de modo que não haja mais uniformidade alguma, pelo mundo todo. E adaptá-la de modo que, em qualquer lugar, não seja encarada como uma participação no Sacrifício de Jesus no Calvário. Em vez disso, que seja considerada como um repasto comunal da congregação, com ênfase na Bíblia, particularmente no Velho Testamento, e em problemas sociais. E deixar que os leigos, não o padre, tenham as funções principais. 0 padre deveria ser simplesmente um mestre de cerimônias. 
     Mas afinal de contas que tem tudo isso a ver com a grave decisão que temos diante de nós? — É Thule, agora tomando uma direção diferente para derrubar a argumentação de Walker.

     Meus Irmãos, — Walker faz o apelo quase num grunhido, — na verdade, por que será que estou vos dizendo tudo isto? Pura e simplesmente para vos declarar que a vontade do Concílio foi prostituída — e com ela toda a representação de vossa Fé Católica, o Sacrifício da Santa Missa. E para vos declarar que não deveríamos, neste momento tão profundamente crucial, depositar nossa confiança nas proposições daqueles que foram implicados nessa fraude e nessa corrupção tão monumentais.
     Mas como pode o Cardeal deixar de mencionar a renovação que se seguiu ao Concílio? 
Thule não está preparado para a tempestade que desaba sobre sua cabeça: 
     Renovação? — Walker berra a palavra. — Renovação? — Volta-se para Thule com uma descarga de palavras. — Deixai que vos diga o que é que a vossa renovação significou. Vamos considerar uns poucos, frios e duros fatos. — Examina rapidamente alguns dos papéis sobre sua mesa.  
Renovação deveria querer dizer, principalmente, um zelo maior pela missa, não? Maior comparecimento à missa, não? E maior interesse pelos Sacramentos, não? E uma função dos padres cada vez mais influentes, não? Maior, ou pelo menos o mesmo, número de conversões à Igreja, não? Afinal de contas, estes são os sinais de renovação. De que outra maneira se pode falar em renovação a não ser nestes termos? Bem, vejamos os fatos, desde 1965, quando esta maldita renovação, esta chamada reforma litúrgica foi iniciada pelos nosso amigos. O comparecimento à missa, a partir de 1965, declinou. enormemente! Na Inglaterra e País de Gales, em 16%. Na França, em 66%. Na Itália, em 50%. Nos Estados Unidos, em 30%. Renovação? E as vocações sacerdotais. Aqui também, declínio. Na Inglaterra e País de Gales, em 25%. Na França, em 47%. Na Holanda, em 97%. Na Holanda! A Igreja de vitrina -- onde todos os seminários estão fechados desde 1970! Na Itália, em 45%. Nos Estados Unidos, em 64%. Renovação! E os batismos. Mais uma vez, declínio. Na Inglaterra e País de Gales, em 59%; nos Estados Unidos, em 49%. Freiras? Um declínio de 24,6% através de toda a Igreja. Desde 1965, 35.000 freiras abandonaram os conventos. E 14.000 padres abandonaram o sacerdócio.  


Renovação? Preciso continuar? E isto não passa de uma leitura ao acaso. Qualquer um dos meus Eminentes Colegas pode ter uma cópia destes documentos. — Ele atira os papéis sobre a mesa do Presidente. Depois, volta-se para encarar Thule e Buff: 

     E, quereis saber, há nisso tudo uma distorção engraçada. E não estou falando sobre missas com música pop, missas com maconha, missas com biscoitos e uísque em vez de pão e vinho, missas jovens com Coca-Cola e pãozinho de Sexta-feira Santa — tudo isso parte de vossa renovação, Meus Eminentes Irmãos! Já percebestes que a Missa Latina é a única versão da missa que não é permitida de modo geral? Só é permitida com permissão especial? Como é que encarais isso? Podeis ter a missa em qualquer língua, EXCETO!!! —ele ruge a palavra — em latim! E o Arcebispo Lefebvre e seus tradicionalistas são castigados por fazerem objeção a isso, enquanto os conspiradores, —sim, conspiradores! — nem mesmo são repreendidos. — Walker vê que Buff e Marquei estão prontos para saltarem de pé, mas levanta a mão: — Terminarei dentro de pouco tempo. Por favor, deixai-me acabar, Eminentes Irmãos. 
     Quanto às demais mudanças na missa, tudo surpresas! Cada uma delas! — Walker está-se referindo às numerosas pequenas modificações em palavras
e no ritual do culto católico, e nas leis da Igreja que foram impostas aos católicos romanos nos últimos doze anos. — Nós, bispos, nunca decretamos a Comunhão na mão, por exemplo. Nunca decretamos que o padre deveria ficar de frente para o povo. Nunca decretamos que uma mesa — novamente a idéia de uma refeição e não de um sacrifício sagrado — deveria ser usada em lugar de um altar. Falamos sobre essas coisas no Concílio e decidimos contra cada uma delas! Por que é que não nos perguntaram de novo? Quem decidiu ao contrário? Eu vos direi: aquele pequeno grupo de periti, apoiado por uns poucos bispos e por alguns cardeais.


 Buff intervém, finalmente:
     Diga o que quiser Vossa Eminência, não acredito que seja prudente insistir na afirmação de que tais mudanças foram resultado de um plano deliberado... 
—Ora, por que, Eminente Irmão, perseverais em dizer coisas como essa? Por quê? Estais com medo? E pode ainda algum dos meus Eminentes Irmãos pensar que tudo isso não foi deliberado? 
     Mas sugerir que houve alguma espécie de abominável plano... 
     Eu penso, eu penso que foi isso, Eminente Irmão. Sim. Penso. Faço mais do que isso. Aponto o dedo para aqueles bispos e aqueles cardeais que adquiriram a condição de membros — aliás, proveitosa condição de membros — de organizações anticatólicas e anticristãs, clubes e coisas semelhantes. 
Thule põe-se de pé:
     Acho que num caso de tal gravidade não só é necessário uma prova documental, mas também que Sua Eminência deveria ter alertado as autoridades há muito tempo. 
     Bem, na realidade, — responde Walker, quase estalando os lábios, — na realidade, tenho a prova documental aqui nas minhas mãos — podeis tê-la, se quiserdes. E, na realidade, o Camerlengo tem estado de posse dessa prova documental há bem mais de três anos. — Depois, para o grupo todo, — Por que é que vós não ficastes sabendo disto? Bem... — olha rapidamente na direção do Camerlengo. — Razões de estado, talvez...
O Meu Senhor Cardeal Buff nos perguntou, há alguns momentos, como foi que a Igreja chegou a este ponto. Não pretendia, compreendo eu, que a pergunta fosse respondida exatamente desta maneira, mas creio que vos dei um exemplo da maneira pela qual chegamos a este ponto. E deixai que eu responda à sua pergunta seguinte: sim, está na hora de rompermos como passado. Não como quis significar Sua Eminência, talvez. Mas no sentido seguinte: que trabalhemos todos nós em absoluta franqueza, durante todo este Conclave. — Olha em volta, para todos os rostos. -- Porque, que cada um tome conhecimento: temos um dever sagrado, o de eleger um sucessor de Pedro e um Vigário do Senhor Jesus. Estou deliberadamente me coibindo de qualquer outro comentário, no momento. Mas, digo de novo, que cada um tome conhecimento: lutaremos contra qualquer tentativa da parte de qualquer um —qualquer um, quer dizer, fora do Conclave — para exercer mesmo um mínimo de influência na eleição desse sucessor e desse Vigário. Assim me permita Deus! 
Esta última afirmação, sua violência e a implicação de conluio entre alguns Cardeais e poderes exteriores provocam uma onda de murmúrios e de comentários. Alguém grita lá de trás:



     Vetos à eleição? Estais insinuando que alguém está quebrando a lei do Conclave, introduzindo um veto em nosso meio?
Na história dos Conclaves, vários governos tiveram a outorga do direito, dada pelos Papas, de vetar um papabile indesejável, e os Cardeais se apresentavam trazendo uma ordem de seu respectivo Rei ou Imperador, no sentido de que este ou aquele Cardeal não poderia ser eleito Papa. 
     Vetos? Vetos? Quem está falando em vetos? E, afinal de contas, que é um veto? Todos vós não trouxestes algum tipo de veto? 0 melhor de todos nós! 
— Pensais que o Meu Eminentíssimo Irmão, Meu Senhor Cardeal Artel, irá sancionar ou trabalhar por um candidato que sabe ser inaceitável pela administração Carter? Ou que o Cardeal Delacoste vai apoiar alguém inaceitável pelas pessoas que ocupam o Palácio do Elysée? Ou que o Cardeal Franzus apóia alguém inaceitável por Moscou? Franqueza, Irmãos! Vamos continuar com franqueza.
—Agora, é claro que esses Eminentíssimos e Reverendíssimos Cardeais sabem apenas que alguém é inaceitável. Não foram instruídos por seus governos para tomarem qualquer espécie de atitude. Nenhum funcionário do governo lhes disse que vetassem determinado candidato. Mas não sejamos simplórios! 
     Exijo, Reverendo Senhor Cardeal Presidente, — Marquez está zangado, ao fazer sua intervenção, — que o Eminente Cardeal esclareça a situação e as suas palavras. Quer ele dizer que os maçons se intrometeram neste Conclave, ou que alguma das superpotências está exercendo hoje, aqui, alguma influência por trás de portas fechadas? 
     Não. Não estou me referindo primeiramente, nem mesmo secundariamente aos maçons, embora, meu Eminente Irmão, quem de nós poderá negar que o Grande Oriente não esteja puxando alguns cordões de marionetes aqui, dentro deste Conclave?  


Não. É alguma coisa muito mais sinistra. Lá fora, no mundo dos homens, na sociedade dos homens e mulheres, esteja ela nos Estados Unidos, na Suíça, na Rússia, entre as nações da África e da América Latina, há lá fora uma organização mais abrangente, mais sutil, de maior alcance, uma organização de homens de um tipo especial, que não são leais a este ou àquele país, mas a princípios muito especiais, de acordo com os quais têm em mente um destino muito especial para — entre outras instituições — esta Santa Igreja Católica Apostólica Romana. Para tais homens, os maçons são bonecos. E os marxistas são bonecos, além de se constituírem em obstáculos temporários à consecução de suas vontades e intenções. — Walker pára. Seus lábios estão-se movendo, seus olhos por um momento se erguem para o teto do salão do Conclave.

(...)

O rosto de Angélico assume uma expressão dura como granito:

 

     Temos que declarar, categoricamente, que tanto a posição progressista quanto a socialista democrática são totalmente inaceitáveis!

 

(...)

 

A posição progressista nos coloca, completamente, nas mãos de forças instáveis, não-eclesiásticas, não-católicas e não-cristãs. Os socialistas democráticos desejariam que prostituíssemos — ele pára por um momento, depois: — sim, que nos prostituíssemos, nossa tradição, nossa graça, nossas esperanças, à única força, em nosso mundo atual, que traz, seguramente, a marca da pata de Satã. — Percebe, num olhar rápido, Lynch e Thule, lívidos, pálidos e, um de cada vez, fazendo sinal para o outro. Oh, é claro! É claro! 0 Cardeal Thule nos incita a confiar. E o Cardeal Lynch a sofrer. E o Cardeal Buff a termos a mente aberta. 

 

Agora o sarcasmo de Angelico é pesado e direto. Está olhando fixamente para Thule, sem pestanejar, sem suavidade em torno dos olhos, a boca se encrespando em torno de cada sílaba.

 

     Seja o que for que aconteça, qualquer que seja a aberração em matéria de doutrina, qualquer que seja a ruptura de tradição que venha a ocorrer, o Cardeal Thule garante que pode ver para além disso. Vê adiante da confusão dos acontecimentos. E nos diz: tudo está bem! Mas Sua Eminência não pode continuar, indefinidamente, compreendendo, percebendo, vendo além das coisas. Diz que ele e seus amigos analisaram a situação e que sabe o que está acontecendo, e que não precisamos nos preocupar com o que fica do outro lado da opaca posição que desejaria que a Igreja assumisse. 

 

     Mas, digo eu, — agora ele afasta o olhar de Thule e olha para Yiu, —digo eu: se podeis penetrar no opaco dessa posição, se sabeis o que há do outro lado, se sabeis o que vai acontecer, quando marcharmos ao som do tambor do Cardeal, então dizei-nos! No entanto, quando lhe perguntamos: que acontecerá ao dogma, ele não sabe — exceto que estará tudo bem, garante-nos. Que acontecerá com a devoção da Virgem? Ele não sabe — exceto que estará tudo bem, garante-nos. Que acontecerá com a infalibilidade papal? Ele não sabe — exceto que estará tudo bem, garante-nos. — Angelico olha em torno. Sua raiva e seu asco são claros. 

 

     Ele não sabe! Meu Eminente Irmão do Leste! Ele não sabe! E sabeis por quê? Porque, se fordes por aí vendo através de todas as coisas, penetrando todas as coisas, vendo além de todas as coisas. Se o problema social é uma janela através da qual podeis ver. E se o problema político é uma janela através da qual podeis ver. E se a questão das ordens anglicanas é uma janela através da qual podeis ver. E se a infalibilidade papal é uma janela através da qual podeis ver. E se o marxismo ateu é uma janela através da qual podeis ver. E se a sexualidade humana, os votos religiosos, a propriedade privada, a historicidade dos Evangelhos, a divindade de Jesus, a ressurreição de Jesus, a existência de uma vida depois da vida, a vida do feto, a guerra e a paz, a criação e a existência mesma de Deus — se todas essas coisas são janelas através das quais podeis ver, de modo que não existe, realmente, nada que interrompa vossa visão; se não há lugar em que assumais uma posição, sabeis o que é que acabais vendo? Sabeis? — Angelico passa os olhos em torno de si, a voz mantida na nota alta de uma pergunta combativa e cheia de desprezo. 

 

 Nada! Nada! 0 que vereis é NADA! Nunca vistes nada. E continuareis, para sempre, vendo nada. Não vereis, absolutamente, coisa alguma. E tudo aquilo que valia a pena ver, e tudo aquilo diante de que valeria a pena ter parado — de tudo isso vistes através, tudo isso penetrastes, compreendestes — com Sua Eminência — passando adiante para a janela seguinte, transparente, volátil, insubstancial, e assim por diante e assim por diante... até o infinito. E isto, meus Veneráveis Confrades, isto não constitui o material de que são feitas a fé e a verdadeira crença.
...

 

Quando Angelico recomeça, sua voz é profunda, calma e lenta. Move a cabeça, os olhos, o corpo, de um lado para outro, para abranger todo mundo no fluxo de seu pensamento: 

 

— O fato, Eminentes Irmãos, é que os progressistas e os socialistas democráticos transformariam toda a nossa teologia numa ciência de bem-estar social. Transformariam nossa teologia moral numa reestruturação política da sociedade humana. Transformariam nossa piedade e nossa devoção tradicionais numa ciência de vida definida e estudada conforme uma sexualidade, uma antropologia e uma psicologia que não são de Deus — e que, de qualquer maneira, estão falidas em nosso mundo. Não! Digo de novo: Não! Não farão isso! E não o farão, meus Eminentes Irmãos — deixando de lado a sua inerente rendição de todos os nossos valores — porque, como os tradicionalistas e os conservadores, esses socialistas democráticos deixariam a iniciativa aos não-cristãos. Eles nos colocam à disposição de nossos inimigos. — Pára, por um momento, depois repete: — Nossos inimigos! À disposição de nossos inimigos. — Quando repete, forçando a penetração da idéia, vira-se, para olhar de frente cada setor da assistência. — Sem nenhuma iniciativa própria. Nenhuma iniciativa, salvo a imitação de nossos inimigos. Nossos inimigos. —Finalmente, quando termina, deu a volta completa e está olhando para Franzus.
... 

 

Os Relatórios têm, como efeito primordial, a faculdade de esclarecer o corpo de Eleitores quanto ao porquê e ao portanto de certos lances, tanto dentro do Conclave, quanto nos anos que imediatamente o precederam. Um desses movimentos pré-Conclave foi a voga sócio-política e psicologizante, surgida nesse período. No decorrer dos últimos cinco anos, foi perceptível através de toda a Igreja uma ênfase, constantemente ressurgindo, sobre problemas que, anteriormente, os homens da Igreja consideravam como sendo exclusivamente pertencentes ao domínio dos políticos, dos cientistas sociais, dos psicólogos, dos assistentes sociais, dos líderes das comunidades, dos entusiastas da etnia e dos órgãos do governo. 

 

Desde o começo dos anos 70, padres, freiras, frades e bispos pareceram de todo dedicados a um esforço, não apenas de "participar" de todos os movimentos civis e políticos de sua região — assim como de se manterem aucourant de qualquer modismo psicológico que viesse a estar em voga — mas de substituir por essa atividade qualquer pregação especializada da doutrina cristã e qualquer ensinamento profissional da espiritualidade cristã. Não é raro nem inesperado, por exemplo, encontrar padres usando grafologia em lugar de teologia, na preparação para o casamento. Nem há qualquer surpresa no fato de Bispos americanos organizarem reuniões de caráter nacional para tratar de problemas como origens étnicas ou posse da terra; ou mesmo no que toca a bispos que expressamente se identificam de modo franco com facções revolucionárias. 

 

Mas, raro ou não, inesperado ou não, todo esse modismo foi incompreensível para a maioria dos cardeais — salvo para aqueles que, entusiasticamente, aderiram à voga eles próprios. A essência da incompreensão tem sido a tendência esquerdista, que vem marcando este comportamento puramente secular dos clérigos cristãos.  

 

Agora se torna claro para cada Eleitor, julgando a partir dos dois Relatórios — o da Iniciativa Russa e o da Liberação — que todo o processo não foi, de forma alguma, acidental. Não foi, como continua insistindo Lynch, um acaso e o movimento do Espírito Santo, mas sim um plano bem orquestrado.

 

Através de ações discretas e eficientemente coordenadas, na Europa e nas Américas, grande número de clérigos católicos e de intelectuais, juntamente com muitas freiras, frades e ativistas leigos, foi levado a ver uma aliança "temporária" com o marxismo como coisa aconselhável, e um certo grau de marxização como um passo inevitável no caminho da "liberação cristã". Não pode haver dúvida quanto ao caráter coordenado desse desenvolvimento.

 

A substância do Relatório sobre a Iniciativa Russa é a sugestão de um acordo, ou plano prático, entre o Vaticano*(*Paulo VI), por um lado, e a URSS, como centro operador do marxismo europeu ocidental, e a influência preponderante da política esquerdista na América Latina, de outro. A URSS deseja que o Vaticano tome determinadas providências: que suavize, de maneira lenta e gradual, quaisquer, declarações antimarxistas, explícitas e formais, em documentos e pronunciamentos oficiais. Que evite qualquer condenação formal da teologia da liberação, ou da filiação a Partidos Comunistas de qualquer país europeu (Pio XII havia emitido uma condenação desse tipo, nos anos 40). Que aumente o número de contatos diplomáticos abertos entre o próprio Vaticano, por um lado, e a URSS e seus satélites do Leste, por outro, por medidas como as visitas feitas ao Papa, em 1977, por Janos Kadar, da Hungria, e Hruska, da Checoslováquia, e as correspondentes visitas de diplomatas vaticanos a países comunistas. 

 

Sem prever uma abertura imediata (mas certamente futura) de relações diplomáticas formais entre o Vaticano e Moscou, os contatos deverão ser multiplicados e os relacionamentos desenvolvidos pari passu, com o entendimento diplomático entre o Vaticano e os Estados Unidos, que mantêm apenas um representante pessoal do presidente americano junto à Santa Sé, mas não um embaixador. 

 

Ao mesmo tempo, o Vaticano deverá reduzir qualquer apoio oficial católico romano aos regimes direitistas, especialmente na América Latina. Deverá desencorajar pressões de direita (digamos, oriundas de organizações direitistas como a Opus Dei e os Cavalheiros de Colombo) na Espanha e na Irlanda.

 

Finalmente, deverá o Vaticano sancionar os diálogos marxistas-cristãos iniciados em diversos países, e assim alimentar uma certa simpatia entre cristãos amantes da justiça e marxistas entusiastas da renovação política.

 

Em troca de tais concessões, a URSS aprovaria a restauração da hierarquia católica nos Países Bálticos, na Checoslováquia e em outros países satélites. Atenuaria as leis anti-religiosas através de todos esses países, leis que têm mantido os católicos romanos fora das funções públicas, dos cargos governamentais e da vida acadêmica. Promete tornar efetiva uma forma especial de submissão do Patriarcado Ortodoxo Russo de Moscou e do Patriarcado de Constantinopla ao Papa, como Chefe da Igreja, e ao Vaticano, como órgão central de governo da Igreja. Na hipótese de que a esfera de influência russa se estenda para o Oeste, ultrapassando suas fronteiras de 1977, deveria ser dada uma consideração especial às propriedades da Santa Sé, sendo concedidos à mesma privilégios especiais de culto. 

 

O Relatório da Liberação, quando considerado juntamente com a Iniciativa Russa, fornece o painel de acompanhamento daquilo que muitos encaram como um díptico dos planos comunistas russos para facilitar sua tomada de controle do Ocidente, assim como do lugar previsto pelos atuais planejadores do Vaticano para a Igreja Católica Romana no contexto daquela nova área de influência e dominação russa.

 

O Relatório da Liberação trata principalmente da propagação da teologia da "liberação", partindo da América Latina e espalhando-se para o Norte, atingindo os Estados Unidos e atravessando a Europa. A doutrina essencial dessa nova teologia, primeiro formulada por teólogos latino-americanos, é a de que o primeiro e mais importante passo para a salvação cristã da raça humana é a liberação de todos os homens e mulheres do jugo do capitalismo — primordial e malevolamente representado pelos Estados Unidos. A Igreja, de acordo com tal teologia, deveria ser a serva da raça humana e de sua história. E deveria não apenas permitir, deveria aprovar e fomentar qualquer violência revolucionária (denominada contraviolência, justificável) visando a remover e erradicar os centros do capitalismo. 

 

O Relatório Cristãos para o Socialismo descreve duas organizações —Padres para a América Latina e o Comitê para Diálogo e Ação na América Latina — como frentes para a penetração do comunismo russo. Cita nomes de teólogos como os Padres Gustavo Gutierrez, Giuleo Gerardi, Pablo Richard e Gonzalez Arrogo, e indica os diversos passos através dos quais essa teologia de "liberação" deve ser propagada: deve ser ensinada em seminários e universidades. Deve constituir o tema das Conferências Episcopais, de congressos e convenções de teólogos, de cartas pastorais escritas cada ano pelos bispos às suas dioceses, de livros, panfletos e manuais. Padres, freiras e outros, diretamente ocupados no ministério religioso, deverão identificar-se com movimentos revolucionários e de guerrilhas. Quadros esquerdistas de apoio deverão ser constituídos em cada paróquia e em cada diocese — sempre sob o disfarce de ação católica e de apostolado exercido pela Igreja entre os fiéis. Assim, política e religião deverão identificar-se e confundir-se. 

 

Deverá haver, ao mesmo tempo, o contínuo incitamento de ressentimentos de direita, os quais, obviamente, crescerão, provocando sua transformação em violentas medidas repressivas. As ordens religiosas como a dos Dominicanos, dos Jesuítas e dos Padres e Freiras de Maryknoll (http://www.maryknollsociety.org) deverão ser usadas para a defesa dos direitos do povo contra regimes repressivos desse tipo. Nas Conferências Episcopais e em vários congressos regionais e internacionais, deve-se ter o cuidado de adotar uma linguagem oficial suficientemente ambígua para satisfazer as exigências dos crentes e para justificar a violência e os métodos revolucionários de tomada do poder. Todos os tópicos nacionalistas (como, por exemplo, o Canal do Panamá) devem ser explorados, devendo os prelados locais ser conduzidos a uma identificação pessoal com essas causas. 

 

 

 Continua em

 http://conspiratio3.blogspot.com.br/2013/07/teologia-da-libertacao-e-marxizacao-da.html

 

*


OS JESUÍTAS E O MOVIMENTO REVOLUCIONÁRIO

http://conspiratio3.blogspot.com.br/2013/04/os-jesuitas-e-o-movimento.html

*

JESUITAS DA DEPRESSÃO
http://youtu.be/OIbxUpBJOqg
 
Jesuitas da Depressão II
http://youtu.be/YA_2KZweh7s
 
Maçonaria, jesuítas, sionismo e Vaticano dentro da Nova Ordem Mundial.
http://youtu.be/9byhxLZPQgA  
 

 

 

 
publicado por conspiratio às 01:46
link do post | comentar | favorito (1)
 O que é? |  O que é?

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. NÃO AO MARCO CIVIL DA INT...

. INVASÃO CUBANA - PROGRAMA...

. PAPA FRACISCO: UM COMUNI...

. GOVERNO TEM PRESSA PARA C...

. FORO DE SÃO PAULO É O PRO...

. Yoani Sanchez dissidente...

. TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO E ...

. NOVA ORDEM MUNDIAL ESTÁ P...

. O DESEJO IRRESPONSÁVEL DE...

. COMUNISMO SE CURA COM VER...

. A HISTÓRIA SECRETA DE ANA...

. A CONSPIRAÇÃO DO FORO DE ...

. A LISTA DE CLINTON - ESTR...

. A EDUCAÇÃO MORREU?

. CAUSAS DO CAOS BRASILEIRO...

. CONSPIRAÇÃO DO FORO DE SA...

. A HISTÓRIA SECRETA DE ANA...

. ABORTISMO SENDO INSTALADO...

. NOVA ORDEM MUNDIAL ESTÁ P...

. TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO,

. O PROBLEMA É O FORO DE SÃ...

. ORVIL - TENTATIVAS DE TOM...

. CONSPIRAÇÃO CONTRA A CIVI...

. RITALINA E OUTRAS DROGAS ...

. O EX-REVOLUCIONÁRIO DOSTO...

. UM POUCO SOBRE ABDUÇÃO E ...

. FINS E MEIOS, BEM E MAL,...

. PRIORADO DE SIÃO E A NOV...

. SE NÃO INVESTIRMOS EM CON...

. CONGRESSO QUER MANDAR NO ...

. COREIA, NOVA ORDEM MUNDIA...

. BLOSSOM GOODCHILD E A NAV...

. AGRICULTOR EM GUERRA CONT...

. CONTRA A CAMPANHA CONTRA ...

. OPRIMIR O CIDADÃO COM LEI...

. MANIPULAÇÕES DA LÓGICA, D...

. EXTINGUINDO A PROFISSÃO D...

. KARL MARX , ADAM WEISHAUP...

. CONTROLE E MAIS CONTROLE ...

. UFO OU MÍSSEL ATINGE "MET...

. LÚCIFER E A REVOLUÇÃO

. HIPNOSE PELA TV - DAVID I...

. FORMAÇÃO DO IMBECIL COLET...

. VOAR É COM OS PÁSSAROS?

. OS BILDERBERGERS/ILLUMINA...

. QUEM MANDA NO MUNDO

. O ILLUMINATI OBAMA SE DÁ ...

. ARIZONA WILDER REFUTA DAV...

. QUEM MATOU AARON SWARTZ?

. AGENDAS DE DOMINAÇÃO GLOB...

.arquivos

. Abril 2014

. Novembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

.tags

. 3 elites globalistas(6)

. a corporação(9)

. acobertamento(13)

. agenda illuminati(13)

. alex jones(8)

. amor(20)

. animais(29)

. arqueologia proibida(4)

. atenção(7)

. auto-realização(33)

. autoritarismo(7)

. bancos terroristas(8)

. benjamin fulford(5)

. bíblia(7)

. big pharma(12)

. bilderberg(8)

. budismo(24)

. calar a democracia(5)

. censura da internet(15)

. cérebro(22)

. codex alimentarius(15)

. comunismo(13)

. concentração(14)

. consciência(7)

. conspiração(94)

. conspiração antidemocrática(6)

. conspiração financeira(11)

. controle da informação(17)

. controle da internet(22)

. cura(25)

. daskalos(7)

. david icke(9)

. denúncia(10)

. depopulação(6)

. despopulação(8)

. deus(10)

. ditadura(14)

. ditadura através da mentira(6)

. ditadura através da saúde(11)

. documentários ufológicos(7)

. ecologia(35)

. educação(7)

. ego(25)

. engenharia social(9)

. ensonhar(11)

. eqm (experiência de quase-morte)(12)

. extraterrestre interferência(11)

. filosofia(6)

. globalistas(5)

. goldsmith(8)

. google(9)

. governo oculto(31)

. gripe suína(8)

. história(17)

. história da nom(5)

. illuminati(54)

. integração(9)

. internautas conheçam seu poder(6)

. internet censura(11)

. intraterrestres(8)

. jesus(8)

. krishnamurti(13)

. lei cala-boca da internet(5)

. liberdade(8)

. livre-arbítrio(6)

. manipulação da informação(13)

. manipulação da mente(8)

. manipulação das massas(8)

. medicina natural(10)

. mentecorpo(5)

. microchip(7)

. milton cooper(7)

. monsanto(6)

. movimento revolucionário(9)

. neurociência(20)

. nom(43)

. nova ordem mundial(83)

. obama(7)

. olavo de carvalho(31)

. poder da internet(5)

. poder da mente(97)

. poder das farmacêuticas(5)

. política(16)

. predadores da humanidade(16)

. problema-reação-soluçao p-r-s(7)

. profecias(9)

. project camelot(11)

. psicanálise(5)

. pt(9)

. rauni kilde(6)

. realidade(7)

. rockefeller(7)

. saúde(19)

. sonho lúcido(22)

. totalitarismo(9)

. totalitarismo global(9)

. ufo(46)

. universo(16)

. vida(31)

. xamanismo(15)

. todas as tags

.favorito

. NÃO AO MARCO CIVIL DA INT...

. INVASÃO CUBANA - PROGRAMA...

. PAPA FRACISCO: UM COMUNI...

. GOVERNO TEM PRESSA PARA C...

. FORO DE SÃO PAULO É O PRO...

. TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO E ...

. NOVA ORDEM MUNDIAL ESTÁ P...

. COMUNISMO SE CURA COM VER...

. A HISTÓRIA SECRETA DE ANA...

. A EDUCAÇÃO MORREU?

.links

.links

.EXPANDIR A CORRUPÇÃO É ESTRATEGIA REVOLUCIONÁRIA - OLAVO DE CARVALHO

.DAVID ICKE - PROBLEMA-REAÇÃO-SOLUÇÃO - a mais poderosa técnica de manipulação das massas

.EXPANDIR A CORRUPÇÃO É ESTRATEGIA REVOLUCIONÁRIA - OLAVO DE CARVALHO