Domingo, 9 de Junho de 2013

FINS E MEIOS, BEM E MAL, CRIME E CASTIGO NA OBRA DO EX-REVOLUCIONÁRIO DOSTOIEVSKY

 

 


Desde a primeira vez que li CRIME E CASTIGO, o que mais me impressionou foi o fato de alguém, como o personagem Raskólnikov, acredite que a racionalidade possa prever ou mesmo dar conta de Toda a Realidade. Que, no final das contas, todos os malévolos meios possam ser justificados e santificados se logicamente levam ao almejado "Bem".

 

 É chocante que este absurdo, esta loucura, seja tão real e mortal quanto epidêmica na nossa época. Por isso vou postar alguns excertos de Dostoievsky, um ex-socialista, que conheceu por dentro o movimento revolucionário na sua pátria, Rússia. Primeiro colocarei algo sobre a obra acima citada "CRIME E CASTIGO", e depois alguns trechos de "OS DEMÔNIOS"  que enfoca um pouco do inicial movimento revolucionário que levou o comunismo à Rússia.  

 

Houve um tempo que, em minha ignorância, considerei socialismo e comunismo como regimes políticos, e como uma opção a mais para um governo. Mas agora, depois de colher outras informações e ligar alguns pontos, encaro-os como um movimento duradouro, nascido nas classes privilegiadas e intelectuais,  planejado no estrangeiro, em sociedades secretas como a Maçonaria Illuminati, de índole expansionista, globalista, e intrinsecamente TOTALITARISTA, tanto na prática como na teoria. Está totalmente vinculado com os planos da Nova Ordem Mundial. Para chegar a isso tive que juntar fatos que estavam separados por décadas na minha memória. Mas essa é uma outra história.

 

Em 1847 Dostoiévski começa a freqüentar o círculo Petrachévski, nome de um grupo secreto de socialistas utópicos, fundado em 1845, cujos membros se reuniam em casa de M. B. Butachévitch-Petrachévski, a fim de discutir problemas políticos e ler literatura socialista, proibida. De suas ligações com o grupo, resultará, mais tarde, a sua prisão. No Contemporâneo, em artigo intitulado "Visão da Literatura Russa em 1846", escrevia V. G. Bielínskii : "Se voltarmos os olhos para os notáveis trabalhos de ficção em prosa que apareceram em revistas e outros periódicos durante o ano passado, seremos imediatamente atraídos por Pobre Gente, novela que trouxe fama súbita a um nome até então desconhecido em literatura. Em julho, Dostoiévski sofre a primeira crise violenta de epilepsia. Em 1848, interessando-se por suas teorias socialistas, Dostoiévski aproxima-se mais de Petrachévski, e em dezembro assiste, em casa deste, a uma conferência sôbre fourierismo e comunismo. Em 1849, a 23 de abril, Dostoiévski é prêso e recolhido à fortaleza de Pedro e Paulo, em São Petersburgo, acusado de conspirar contra o govêrno juntamente com os membros do círculo Petrachévski. A 16 de novembro Dostoiévski é condenado à morte. A 22 de dezembro, diante do pelotão de fuzilamento, anuncia-se que o Imperador resolvera comutar-lhe a pena de morte em prisão na Sibéria, com trabalhos forçados. A 24, num comboio de prisioneiros, Dostoiévski inicia a longa viagem entre São Petersburgo e Omsk.

 

1850 — A 23 de janeiro Dostoiévski chega ao seu destino: a cidade de Omsk, onde passará quatro anos completamente isolado do mundo. "Omsk é uma pequena cidade, quase sem árvores; um calor excessivo, vento e poeira no verão e, no inverno, um vento glacial. Não vi o campo.""Manda-me o Corão, Kant (Crítica da Razão Pura), Hegel, sobretudo sua História da Filosofia. Meu futuro depende de todos esses livros. Mas sobretudo mexe-te para obter-me transferência para o Cáucaso. Indaga de pessoas bem informadas onde poderei publicar meus livros e que providências seriam necessárias. De resto, não conto publicar coisa alguma antes de dois ou três anos. Mas daqui até lá ajuda-me a viver, conjuro-te." (Carta a Mikhail, cit.)

 

Em 1866, sob o título Crime e Castigo, começa a aparecer em folhetins no Mensageiro Russo. Decerto, os quatro anos que passara entre criminosos de toda espécie na Sibéria, deviam familiarizar Dostoiévski com um dos grandes problemas humanos: o da culpa e do castigo. Em si mesmo, o romancista tivera ocasião de estudá-lo. Bem se sabe como ele, embora não havendo tomado parte ativa nas confabulações revolucionárias de Petraschévski, julgara-se culpado e acabara por receber a pena com a mais perfeita resignação cristã. Os diversos tipos de condenados com os quais convivera na prisão ter-lhe-iam mostrado o crime sob as mais diversas formas.  

 

0 grande tema estava a trabalhá-lo, já bastante amadurecido, quando, naqueles dias angustiosos de 1865 o escritor resolveu abordá-lo. Mas esse tema não será apenas o do crime e do castigo, da culpa e da expiação: será, numa transposição metafísica, o problema do Bem e do Mal — o grande assunto da obra dostoièvskiana.  

 

Raskólnikov, o herói de Crime e Castigo, um estudante pequeno-burguês, com a mente cheia de leituras mal digeridas, sentindo-se com capacidade para realizar grandes coisas, para tornar-se, afinal, um ser útil aos semelhantes, e vendo-se sem cursos, em situação precária, raciocina da seguinte forma: - ali está aquela velha usurária, é uma avarenta sórdida, já decrépita, da qual não pode advir nenhum proveito para o mundo nem para a humanidade. Se ele a matar e apoderar-se do dinheiro que ela tem guardado, continuará os estudos, dispensará o auxílio necessário à mãe e à irmã que estão em bem triste situação e conseguirá os meios para servir à coletividade. Tudo depende de um gesto: matar a velha. Será isso um crime? Para que serve essa velha? É um piolho, um ser inútil. Há um Erro no equilíbrio do mundo: ele o corrigirá, suprimindo aquela coisa miserável que está atrapalhando, embaraçando. Mas aquela coisa miserável é uma vida, uma vida humana. Não importa. Constituirá a vida humana um valor absoluto? De forma alguma. Desde a mais remota antiguidade, os grandes chefes de Estado, os grandes generais, nunca hesitaram em matar milhares de pessoas, quando encontraram pela frente um motivo que os Justificasse. E ninguém os considerou criminosos; pelo contrário, ergueram-lhes estátuas e a posteridade lhes glorifica o nome. Não foi o que aconteceu com Napoleão? Jamais hesitou em verter o sangue de inocentes para atingir os fins a que sei propunha. E, como ele, quantos indivíduos superiores se consagraram benfeitores da humanidade pelo preço de inúmeras vidas? 0 que se torna necessário, acima de tudo, é ser superior, pertencer à raça dos Napoleões, sobrepor-se à estreiteza dos limites humanos. Assim raciocinando, Raskólnikov sente-se arrebatado por uma verdadeira voragem; também pertence à raça dos Napoleões, nada lhe deterá os passos. Pretende atingir um fim, há um obstáculo no caminho; não é êle uma criatura forte e porque forte, livre? Não tem a liberdade de remover o obstáculo? Pois assim o fará. 

 

Vai e mata a velha; elimina também a companheira desta última; mata e rouba. Estava tudo consumado. Fizera como os fortes, como os conquistadores. Mas agora começa o seu suplício, a sua tortura. 0 remorso? 0 arrependimento? Não. Raskólnikov não se arrepende. Reconhece que a velha era um piolho. O que o aflige é a idéia que dentro dele vai tomando vulto até dominá-lo completamente: a incerteza angustiante do motivo pelo qual agira. Seria mesmo visando o bem que praticara o mal? Não passariam de meros pretextos as razões com que procurara justificar o crime? Então, por que matara, na verdade? Para saber se podia matar, para experimentar a própria força, a própria liberdade? Mas há limites para a liberdade humana. 0 homem não tem o direito de tirar a vida do seu semelhante. Só Deus pode matar. E os conquistadores, os Napoleões, não se valeram legitimamente desse direito? Foi invocando exemplo que Raskólnikov matou e agora sente a ilegitimidade do seu ato. Cometido o crime, o estudante não consegue mais justificar-se perante a própria consciência.  

 

Teoricamente, estava tudo certo, mas, a teoria logo falhou na prática, quando ele, tendo o propósito de matar somente a velha, foi obrigado a matar também a companheira desta; falharam-lhe os planos, o esquema que havia organizado com todo o rigor lógico para atingir o Bem. Bastava remover um obstáculo — eliminar um piolho — e à última hora surge novo obstáculo, torna-se imprescindível matar outro piolho, todo o sistema se desconcerta e quem se presumia super-homem se transforma em mísero joguete das situações. Porque a vida, no seu curso vertiginoso e inconsciente, escapa a toda lógica: quando se pretende fazer o bem, vem-se a fazer o mal, um crime determina outro, um desencadear incoercível de forças. Não teria acontecido o mesmo com tantos conquistadores, com os tais super-homens? De uma guerra para salvar a França, Napoleão foi levado a outra, a mais outra, impelido pela avalancha que ele próprio provocara. Assim, Raskólnikov parece compreender que, na verdade, não há super-homens, todos são mesquinhas criaturas; escravas da condição humana. Quis valer-se arbitràriamente da liberdade, quis desafiar Deus, fazendo o que só Deus pode fazer, e perdeu a partida. Tudo que há de humano nele protesta contra o crime. Seu suplício prossegue no esforço desesperado para abafar por meio do raciocínio, da lógica, a revolta da consciência... Raskólnikov insiste na certeza de que não cometeu um crime e isso não lhe basta para libertá-lo do sentimento de culpa. Num diálogo terrível, trágico, consigo mesmo, erra ele às tontas pelas ruas de Petersburgo, sempre a remoer a idéia do que fizera, a repisar o assunto, a procurar o convívio de policiais, atraído por uma espécie de ímã irresistível até suscitar a desconfiança do juiz Porfírii que, senhor da situação, prevê matemàticamente o momento em que aquele triste ser humano, acossado pela consciência, confessará o crime.

 

É quando intervém a figura suave de Sônia, uma prostituta infeliz, que pelo amor e pelo sofrimento se une a Raskólnikov. O estudante conta-lhe tudo, procurando agarrar-se aos seus especiosos argumentos: "Matei um piolho!.. . " Mas a instintividade de Sônia, a humanidade profunda dessa pobre sofredora, acabam,_ por falar-lhe à consciência. O único livro que Dostoiévski lera, outrora, no cárcere, fôra o Evangelho. E esse livro o convencera de que pecara, fazendo-o suportar resignadamente os quatro anos de degrêdo, como uma provação necessária à paz íntima, sem a qual não poderia viver. São os versículos do Evangelho a falar também agora à alma torturada de Raskólnikov, mostrando-lhe a inutilidade de todos os argumentos, quando pecamos contra a lei moral e destruímos assim a nossa própria vida. 

 

"Foi a mim mesmo que matei, quando matei a velha!" — exclamava, em determinado momento o estudante. É preciso pois sofrer, curvar-se ao castigo. Só a penitência resgata a culpa e pode salvar os que morreram para Deus. Mas mesmo depois de entregar-se à justiça, de ser condenado ao degrêdo na Sibéria, para onde segue ao lado de Sônia, que quis compartilhar com ele da mesma pena, Raskólnikov não se mostra arrependido. No fundo continua ele na certeza de que o seu desastre resultou do fato de não ter conseguido tornar-se um super-homem. O romancista deixa os dois infelizes na volta do caminho, anunciando uma alvorada.

 

A história dessa alvorada, isto é, do arrependimento de Raskólnikov, Dostoiévski prometeu contá-la, mais tarde, em livro que não chegou a escrever. Há quem julgue haver ele com isso mostrado a impossibilidade de resolver o problema. Porque o arrependimento implicaria a crença em Deus, questão essencial o nunca suficientemente solucionada de toda a obra dostoièvskiana. 

 

Já se tem comentado o fato do enrêdo de Crime e Castigo resumir-se, no fundo, numa intriga de romance policial. Também de romance policial muito terá Os Demônios, história de uma conspiração fracassada; e as mil páginas densas e apaixonantes de Os Irmãos Karamázov poderiam reduzir-se ainda a este enigma de novela detetivesca: Quem matou o velho Fiódor? Essas aproximações, na realidade, quase nada exprimem. Por tal processo poder-se-ia identificar com os gêneros literários mais inferiores uma infinidade de obras-primas. Fala-se, igualmente, na influência do romance-folhetim, sobretudo Eugène Sue, sôbre Dostoiévski, e o professor francês Pierre Dournes, num livrinho para estudantes, Comment lire Dostoievski, não hesita em apontar sugestões dos Mistérios de Paris — protótipo do roman-feuilleton — no Crime e Castigo. É uma maneira leviana de deformar certos pontos de vista críticos. André Bellessort, em artigo no Candide, que não tenho aqui à mão, por volta de 1935, aludia a um pitoresco episódio ao qual, talvez, se teria reportado Pierre Dournes ao formular o juizo acima. Lia-se, certo dia, num salão parisiense, o trecho do Crime e Castigo — recentemente traduzido para o francês — em que aparece a figura de Sônia, unida pelo sofrimento a Raskólnikov, quando alguém na roda exclamou, num transporte de surprêsa: — Mas é a "Fleur de Marie"!

 

É a "Fleur de Marie'... A exclamação causou escândalo a todos. Comparar a personagem de Dostoiévski a uma heroína de Eugène Sue!... Em última análise, porém, observava Bellessort, não deixava mesmo de haver semelhança.

 

 Decerto, o autor do Crime e Castigo sofreu algumas influências do romantismo, cujos padrões ainda subsistiram até os meados do século XIX. Sônia, identificada com a "Fleur de Marie", dos Mistérios de Paris, tem muito do tipo da "boa prostituta", que o romantismo pôs em voga, como o tipo do "bom selvagem". É a criatura infeliz, que vive no pecado e a quem o pecado não corrompe. Mas de que maneira Dostoiévski renovou esse personagem convencional, que novas cores lhe emprestou, quanta humanidade lhe transmitiu! Também em Raskólnikov é possível distinguir os traços do "bom criminoso" ou do "criminoso superior" outro herói essencialmente romântico e byroniano, muito explorado na época e do qual êle já tinha um modêlo mesmo na Rússia no Eugênio Onéguin, de Púchkin. Em 1832, Lord Lytton, o autor de últimos Dias de Pompéia, publicava um romance, Eugène Aran, sustentando a tese de que do crime poderia resultar o bem para a sociedade. E já antes, em 1816, Charles Nodier — um dos iniciadores do romantismo na França — na novela Jean Sbogar pintava o tipo de um salteador de estrada, cavalheiresco e generoso. Numa espécie de mistificação literária, Charles Nodier chegou a publicar pequena coleção de máximas de Jean Sbogar, nas quais pretendia compendiar as bases de um anarquismo político-social. Dostoiévski possivelmente as leu, nela colhendo sugestões para as teorias de Raskólnikov, que no fundo não passa de um anarquista, ou niilista, como se dizia, então, na Rússia.



________________________________________________________

DOSTOIEVSKY, EX-REVOLUCIONÁRIO CONTA TUDO EM OS DEMÔNIOS

"Pelo que compreendi — e era impossível não o compreender — o senhor, uma vez, de início, e outra vez mais tarde falou com bastante eloqüência — embora por demais teóricamente — da vasta rede que cobre a Rússia inteira e da qual nosso grupo é uma das malhas. Cada um desses grupos, fazem prosélitos e se ramificando até ao infinito, por meio de uma propaganda sistemática, deve sabotar o poder das autoridades locais, espalhar a desordem pelo campo, provocar escândalo, estimular o cinismo e a incredulidade, suscitar o desejo de um melhor destino, e enfim, recorrer aos incêndios como a um método eminentemente popular para, no momento oportuno, mergulhar o país no desespêro. Serão essas exatamente as suas palavras? Procurei gravá-las todas. Não é esse o programa que nos comunicou como delegado de um tal de Comitê Central que nós ainda não conhecemos e que nos parece quase fantástico? "


http://conspiratio3.blogspot.com.br/2013/05/dostoievsky-publicou-os-demonios-em.html

 

publicado por conspiratio às 18:43
link do post | comentar | favorito (1)
 O que é? |  O que é?

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. NÃO AO MARCO CIVIL DA INT...

. INVASÃO CUBANA - PROGRAMA...

. PAPA FRACISCO: UM COMUNI...

. GOVERNO TEM PRESSA PARA C...

. FORO DE SÃO PAULO É O PRO...

. Yoani Sanchez dissidente...

. TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO E ...

. NOVA ORDEM MUNDIAL ESTÁ P...

. O DESEJO IRRESPONSÁVEL DE...

. COMUNISMO SE CURA COM VER...

. A HISTÓRIA SECRETA DE ANA...

. A CONSPIRAÇÃO DO FORO DE ...

. A LISTA DE CLINTON - ESTR...

. A EDUCAÇÃO MORREU?

. CAUSAS DO CAOS BRASILEIRO...

. CONSPIRAÇÃO DO FORO DE SA...

. A HISTÓRIA SECRETA DE ANA...

. ABORTISMO SENDO INSTALADO...

. NOVA ORDEM MUNDIAL ESTÁ P...

. TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO,

. O PROBLEMA É O FORO DE SÃ...

. ORVIL - TENTATIVAS DE TOM...

. CONSPIRAÇÃO CONTRA A CIVI...

. RITALINA E OUTRAS DROGAS ...

. O EX-REVOLUCIONÁRIO DOSTO...

. UM POUCO SOBRE ABDUÇÃO E ...

. FINS E MEIOS, BEM E MAL,...

. PRIORADO DE SIÃO E A NOV...

. SE NÃO INVESTIRMOS EM CON...

. CONGRESSO QUER MANDAR NO ...

. COREIA, NOVA ORDEM MUNDIA...

. BLOSSOM GOODCHILD E A NAV...

. AGRICULTOR EM GUERRA CONT...

. CONTRA A CAMPANHA CONTRA ...

. OPRIMIR O CIDADÃO COM LEI...

. MANIPULAÇÕES DA LÓGICA, D...

. EXTINGUINDO A PROFISSÃO D...

. KARL MARX , ADAM WEISHAUP...

. CONTROLE E MAIS CONTROLE ...

. UFO OU MÍSSEL ATINGE "MET...

. LÚCIFER E A REVOLUÇÃO

. HIPNOSE PELA TV - DAVID I...

. FORMAÇÃO DO IMBECIL COLET...

. VOAR É COM OS PÁSSAROS?

. OS BILDERBERGERS/ILLUMINA...

. QUEM MANDA NO MUNDO

. O ILLUMINATI OBAMA SE DÁ ...

. ARIZONA WILDER REFUTA DAV...

. QUEM MATOU AARON SWARTZ?

. AGENDAS DE DOMINAÇÃO GLOB...

.arquivos

. Abril 2014

. Novembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

.tags

. 3 elites globalistas(6)

. a corporação(9)

. acobertamento(13)

. agenda illuminati(13)

. alex jones(8)

. amor(20)

. animais(29)

. arqueologia proibida(4)

. atenção(7)

. auto-realização(33)

. autoritarismo(7)

. bancos terroristas(8)

. benjamin fulford(5)

. bíblia(7)

. big pharma(12)

. bilderberg(8)

. budismo(24)

. calar a democracia(5)

. censura da internet(15)

. cérebro(22)

. codex alimentarius(15)

. comunismo(13)

. concentração(14)

. consciência(7)

. conspiração(94)

. conspiração antidemocrática(6)

. conspiração financeira(11)

. controle da informação(17)

. controle da internet(22)

. cura(25)

. daskalos(7)

. david icke(9)

. denúncia(10)

. depopulação(6)

. despopulação(8)

. deus(10)

. ditadura(14)

. ditadura através da mentira(6)

. ditadura através da saúde(11)

. documentários ufológicos(7)

. ecologia(35)

. educação(7)

. ego(25)

. engenharia social(9)

. ensonhar(11)

. eqm (experiência de quase-morte)(12)

. extraterrestre interferência(11)

. filosofia(6)

. globalistas(5)

. goldsmith(8)

. google(9)

. governo oculto(31)

. gripe suína(8)

. história(17)

. história da nom(5)

. illuminati(54)

. integração(9)

. internautas conheçam seu poder(6)

. internet censura(11)

. intraterrestres(8)

. jesus(8)

. krishnamurti(13)

. lei cala-boca da internet(5)

. liberdade(8)

. livre-arbítrio(6)

. manipulação da informação(13)

. manipulação da mente(8)

. manipulação das massas(8)

. medicina natural(10)

. mentecorpo(5)

. microchip(7)

. milton cooper(7)

. monsanto(6)

. movimento revolucionário(9)

. neurociência(20)

. nom(43)

. nova ordem mundial(83)

. obama(7)

. olavo de carvalho(31)

. poder da internet(5)

. poder da mente(97)

. poder das farmacêuticas(5)

. política(16)

. predadores da humanidade(16)

. problema-reação-soluçao p-r-s(7)

. profecias(9)

. project camelot(11)

. psicanálise(5)

. pt(9)

. rauni kilde(6)

. realidade(7)

. rockefeller(7)

. saúde(19)

. sonho lúcido(22)

. totalitarismo(9)

. totalitarismo global(9)

. ufo(46)

. universo(16)

. vida(31)

. xamanismo(15)

. todas as tags

.favorito

. NÃO AO MARCO CIVIL DA INT...

. INVASÃO CUBANA - PROGRAMA...

. PAPA FRACISCO: UM COMUNI...

. GOVERNO TEM PRESSA PARA C...

. FORO DE SÃO PAULO É O PRO...

. TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO E ...

. NOVA ORDEM MUNDIAL ESTÁ P...

. COMUNISMO SE CURA COM VER...

. A HISTÓRIA SECRETA DE ANA...

. A EDUCAÇÃO MORREU?

.links

.links

.EXPANDIR A CORRUPÇÃO É ESTRATEGIA REVOLUCIONÁRIA - OLAVO DE CARVALHO

.DAVID ICKE - PROBLEMA-REAÇÃO-SOLUÇÃO - a mais poderosa técnica de manipulação das massas

.EXPANDIR A CORRUPÇÃO É ESTRATEGIA REVOLUCIONÁRIA - OLAVO DE CARVALHO