Terça-feira, 31 de Julho de 2012

SAINT-GERMAIN TENTOU IMPEDIR A REVOLUÇÃO FRANCESA

 

 

SAINT-GERMAIN TENTOU IMPEDIR A REVOLUÇÃO FRANCESA

 

 

— 'O Conde de St. Germain! — eu exclamei —. O homem dos milagres!

 

— 'Ele mesmo.

 

"Foi enorme a minha surpresa ao saber que ele estava em Paris, à porta de minha casa. Fazia oito anos que ele tinha partido da França e ninguém tinha a menor idéia do que lhe havia acontecido. Sem me preocupar com mais nada, além da minha curiosidade, ordenei que ela o fizesse entrar.

 

— 'Ele pediu que o enunciasse pelo seu próprio nome?

 

— 'Não. Fez-se anunciar sob o nome de Saint-Noêl. Mas não importa, porque eu o reconheceria entre milhares de outros.

 

"A criada saiu e instantes depois aparecia o Conde. Tinha aparência jovial e exuberante e diria que até parecia mais jovem. Fez o mesmo cumprimento em relação a mim, mas duvido que tenha sido com a mesma sinceridade que eu.

 

"E eu lhe disse:

 

— 'O senhor perdeu um protetor e um grande amigo na pessoa do falecido Rei.

 

— 'Sinto duplamente essa perda, por mim mesmo e pela França.

 

— ' A nação não tem a mesma opinião. Nossa gente espera do novo monarca o seu bem-estar.

 

— 'É um grande erro. Este reinado será fatal para a nação.

 

— 'O que está dizendo?' —, eu perguntei, abaixando minha voz e olhando ao meu redor.

 

— 'A verdade. ... Uma gigantesca conspiração está sendo armada, sem que haja um chefe identificado, mas que vai aparecer sem demora. A finalidade é nada mais nada menos que a deposição do que existe e sua reconstrução conforme um novo plano. São muitos os ressentimentos contra a família real, contra o clero, a nobreza e a magistratura. Mas ainda há tempo de sufocar o movimento. Mais tarde será impossível.

 

—' Onde foi que viu tudo isso? O senhor está dormindo ou acordado?

— 'Em parte com a ajuda dos meus dois ouvidos e em parte por meio de revelações. Repito que o Rei da França não tem tempo a perder.

 

— 'O senhor deve então pedir uma audiência com o Conde de Maurepas para informá-lo a respeito de seus receios porque ele pode fazer tudo o que for necessário, já que desfruta da total confiança do Rei.

 

— 'Ele pode fazer tudo, eu sei, exceto salvar a França. Ou seja, ele mesmo é quem vai acelerar a ruína da nação. Esse homem vai levá-la à desgraça, Madame.

 

— 'O que está me dizendo poderia levá-lo à Bastilha pelo resto dos seus dias.

 

— 'Só digo estas coisas aos amigos em quem tenho total confiança.

 

— 'Seja como for, aconselho que se aviste com M. de Maurepas. Ele tem boas intenções, apesar de não ser muito hábil.

 

— 'Ele rejeitaria as provas que tenho. Além de tudo, ele me detesta. Conhece a quadrinha que o levou ao exílio?

`Maravilhosa Marquesa, elogiam vosso charme.

Sois adorável e muito franca;

Mas nada disso pode evitar

Que vossas flores sejam flores'.

 

— 'A rima está errada, Conde.

 

— `Oh, a Marquesa não deu atenção a isso. Mas sabia que M. de Maurepas era o autor da quadrinha e ele alegou que eu havia roubado dele o manuscrito original e o enviara à orgulhosa Sultana. Seu exílio seguiu-se à publicação desses miseráveis versos e a partir daquele momento ele me incluiu nos seus esquemas de vingança. Jamais me perdoará. No entanto, Madame Condessa, eis o que venho propor. Fale sobre mim à Rainha informe sobre os serviços que já prestei ao governo nas missões que me foram confiadas junto às várias cortes da Europa. Se sua Majestade quiser me ouvir, revelarei a ela tudo o que sei. Então ela poderá julgar se vale a pena ir à presença do rei com tais informações. Mas sem a intervenção de M. de Maurepas. Esta é a minha condição sine qua non.

 

"Ouvi atentamente tudo o que M. de St. Germain me dizia e compreendi os perigos que estavam a ponto de desabar sobre minha cabeça se interferisse em uma questão como aquela. Por outro lado, conhecia o Conde e sabia que tinha contato direto com os políticos europeus e temia perder a oportunidade de servir ao Estado e ao rei. Percebendo minha perplexidade, o Conde de St. Germain me disse:

 

— 'Pense bem em minha proposta. Estou incógnito em Paris. Não fale sobre mim com ninguém. Se puder encontrar-me amanhã na igreja dos Jacobinos, na Rua Saint-Honoré, estarei esperando sua resposta às onze horas em ponto.

 

— 'Preferiria encontrá-lo em minha própria casa.

 

— 'Muito bem. Amanhã então, Madame.

"Ele partiu. Fiquei pensando o dia todo naquela aparição repentina e nas palavras ameaçadoras do Conde de St. Germain. O quê? Estaríamos de fato às vésperas da desorganização social? Naquele reinado, que se havia iniciado sob perspectivas de tamanha felicidade, estaria mesmo fermentando a tempestade? Depois de meditar muito a respeito disso decidi apresentar M. de St. Germain à Rainha, se ela consentisse nisso. Ele foi pontual ao encontro e mostrou-se feliz com a resolução que eu havia tomado. Perguntei-lhe se pretendia ficar morando em Paris. Ele negou, acrescentando que seus planos não lhe permitiam continuar morando na França. E disse:

 

— `Um século há de passar antes que eu reapareça aqui.

 

"Eu ri de suas palavras e ele também. Naquele mesmo dia viajei para Versailles. Passei pelos aposentos menores e, tendo encontrado Mme. de Misery, implorei que informasse à Rainha que eu a desejava ver o mais depressa possível. A camareira-chefe voltou com ordem de me levar para os aposentos da Rainha. Entrei e a encontrei sentada diante de uma linda escrivaninha de porcelana, que lhe fora dada de presente pelo Rei. Estava escrevendo e voltou-se para mim com o seu sorriso gracioso:

 

—'O que deseja de mim?

 

— 'Uma coisa insignificante, Madame. Pretendo apenas sal var a monarquia.

 

Sua Majestade olhou para mim assombrada.

 

— 'Por favor, explique-se.

 

"Diante dessa ordem mencionei o Conde de St. Germain. Disse tudo o que sabia dele, de sua intimidade com o falecido Rei, com Mme. de Pompadour, com o Duque de Choiseul. Falei dos grandes serviços que ele prestara ao Estado, valendo-se de sua enorme habilidade diplomática. Acrescentei que desde a morte da Marquesa ele havia desaparecido da Corte e que ninguém sabia do lugar para onde se retirara. Quando percebi ter despertado suficientemente a curiosidade da Rainha, terminei repetindo-lhe o que o Conde dissera no dia anterior e que confirmara naquela manhã.

 

"A Rainha refletiu um pouco e depois disse:

 

— 'É estranho. Recebi ontem uma carta de meu correspondente misterioso. Ele me advertiu que uma importante comunicação me seria feita em breve e que eu devia considerá-la com toda seriedade, sob pena da maior desventura. A coincidência entre esses dois fatos é extraordinária. A menos que tenham origem na mesma fonte. O que acha disso?

 

"Confesso que não sabia o que pensar. Ali estava a Rainha, recebendo cartas misteriosas durante vários anos e o Conde de St. Germain só havia reaparecido no dia anterior.

 

— "Talvez ele esteja agindo assim para manter-se oculto.

 

— "É possível. E algo me diz que devemos ter confiança em suas palavras. Afinal de contas, a presença dele é bastante agradável, mesmo que seja apenas de passagem. Então vou autorizar que ele seja trazido amanhã a Versailles, escondido em sua carruagem. Ele deve permanecer nos seus aposentos e assim que for possível mandarei chamá-los. Não concordo em falar com ele a menos que seja em sua presença. Essa também é minha condição sine qua non.

 

"Curvei-me com todo o respeito e a Rainha me dispensou com o sinal convencional. No entanto, confesso que minha confiança no Conde de St. Germain diminuiu um pouco pela coincidência de sua chegada a Paris um dia depois da advertência recebida por Marie-Antoinette. Achei tratar-se de um esquema de intriga e perguntei a mim mesma se deveria falar com ele a respeito. Mas, depois de pensar bem no assunto, decidi manter-me calada, certa de que ele deveria estar preparado de antemão para minhas perguntas nesse sentido.

 

"M. de St. Germain já estava à minha espera. Assim que o percebi, parei minha carruagem. Ele entrou e voltamos juntos para minha casa. Esteve presente durante o meu jantar mas, como de costume, não comeu. Depois disso sugeriu que fôssemos a Versailles. Disse que dormiria na estalagem e voltaria a me encontrar no dia seguinte. Concordei, preocupada em não descuidar de nada que pudesse levar ao sucesso daquela missão.

 

"Estávamos em meus aposentos, que em Versailles são chamados de suíte de apartamentos, quando um dos pagens da Rainha bateu e me pediu, em nome dela, que levasse o segundo volume do livro que pedira que eu lhe trouxesse de Paris. Esse era o sinal combinado. Entreguei ao pagem um volume de um novo romance, cujo título até agora desconheço e esperei que ele se fosse. Então o segui, acompanhada de meu lacaio.

 

"Entramos por entre os armários. Mme. de Misery nos levou para a câmara particular onde a Rainha estava à nossa espera. Ela se levantou com a maior dignidade.

 

— "Monsieur Conde —, ela disse —. Versailles não é um lugar estranho para o senhor.

 

— `Madame, durante quase vinte anos desfrutei da intimidade do falecido Rei. Ele se dignou me ouvir de maneira muito cordial. Fez uso de minhas modestas habilidades em várias ocasiões e não acho que se tenha arrependido de me dar a sua confiança.

 

— 'O senhor manifestou o desejo de que Madame d'Adhémar o trouxesse à minha presença. Tenho grande afeição por ela e estou certa de que devo dar atenção ao que tem a me dizer.

 

— 'A Rainha —, respondeu o Conde com uma voz solene —, poderá analisar, com toda a sua sabedoria, o que estou prestes a confidenciar.

 

O partido dos Enciclopedistas deseja o poder. Sabe que só o poderá obter através da queda do clero e para garantir esse resultado está preparado para derrubar a monarquia.

 

Esse partido, que procura um chefe entre os membros da família real, voltou seus olhos para o Duque de Chartres. Esse Príncipe tornar-se-á a ferramenta dos homens que o deverão sacrificar assim que deixar de ter utilidade para seus propósitos. A coroa da França lhe será oferecida mas ele subirá a escada do cadafalso e não a que leva ao trono. Mas antes de chegar esse dia de retribuição, quanta crueldade, quantos crimes serão cometidos! As leis não servirão mais de proteção dos bons e de terror contra os malvados. Serão estes últimos que tomarão o poder com suas mãos manchadas de sangue. Eles pretendem abolir a religião católica, a nobreza, a magistratura.

 

— 'De modo que apenas a realeza será mantida! —, interrompeu a Rainha, impaciente.

 

— 'Nem mesmo a realeza!... mas apenas uma república gananciosa, cujo cetro será o machado do carrasco.

 

Diante dessas palavras eu não me contive e tomei a liberdade de interromper o Conde, na presença da Rainha.

 

— `Monsieur! —, eu gritei —. Sabe o que está dizendo e na presença de quem está falando?

 

— 'De fato —, disse Marie-Antoinette, meio agitada —. Essas são palavras às quais meus ouvidos não estão acostumados.

 

— 'É a gravidade da situação que me dá coragem para falar

respondeu friamente M. de St.Germain —. Não vim com a intenção de prestar homenagem à Rainha, como ela deve ter percebido, mas sim para colocar em destaque os perigos que ameaçam sua coroa caso não sejam tomadas prontas medidas para evitar o desastre.

 

— O senhor tem certeza, Monsieur? —, perguntou Marie-Antoinette com ar petulante.

 

— 'Estou muito sentido por ter de causar esse desgosto, Majestade, mas só posso dizer a verdade.

 

— `Monsieur —, respondeu a Rainha, com um tom de zombaria na voz —, o que é verdadeiro nem sempre é muito provável.

`Admito Majestade, que este é o caso agora. Mas Vossa Majestade há de me permitir lembrar que Cassandra previu a ruína de Tróia e que se recusaram a acreditar nela. Sou Cassandra e a França é o reinado de Príamo. Alguns anos ainda hão de transcorrer, envolvidos por uma enganosa calma. Então, de todas as partes do reino aparecerão homens sequiosos de vingança, de poder, de dinheiro, derrubando tudo que encontrarem pela frente. A massa sediciosa e alguns grandes membros do Estado lhes darão apoio. Um espírito de verdadeiro delírio tomará conta dos cidadãos. A guerra civil irromperá com todos os seus horrores. Em seu encalço virão mortes, saques, o exílio. Então todos se arrependerão de não me terem dado ouvidos. Talvez eu seja chamado de novo, mas o tempo terá passado ... a tempestade ter-se-á abatido sobre tudo.

 

— 'Confesso, Monsieur, que seu discurso me assombra cada vez mais e se não soubesse que o falecido Rei dedicava ao senhor uma grande afeição e que o servia com a maior fidelidade... O senhor deseja falar com o Rei?

 

— 'Sim, Madame.

 

— 'Mas sem a presença de M. de Maurepas?

 

— 'Ele é meu inimigo. Além disso, eu o considero como um daqueles que pretendem causar a ruína do reinado, não por maldade, mas por incapacidade.

 

— 'O senhor faz um julgamento severo de um homem que conta com a aprovação da maioria.

 

— 'Ele é mais do que primeiro ministro, Madame,e por causa disso certamente é seguido por uma legião de bajudalores.

 

— 'Se pretende excluí-lo do seu relacionamento com o Rei, temo que vai encontrar grandes dificuldades em avistar-se com Sua Majestade, que não age sem o seu conselheiro principal.

 

— Estarei às ordens de Vossas Majestades se quiserem empregar os meus serviços. Mas, como não sou seu súdito, toda obediência de minha parte é um ato de gratuidade.

 

— 'Monsieur —, disse a Rainha, que já demonstrava não estar levando o assunto muito a sério onde foi que o senhor nasceu?

 

— 'Em Jerusalém, Madame.

 

— 'E isso foi... quando?

 

— 'A Rainha há de me permitir uma fraqueza comum a muitas pessoas. Não gosto de revelar minha idade. Isso traz má sorte.

 

— 'Quanto a mim, o Almanaque Real não me permite ilusões quanto a minha idade. Adeus, Monsieur. A decisão do Rei será comunicada ao senhor.

 

"Com essas palavras fomos dispensados. Quando nos retiramos, a caminho de volta para minha casa, M. de St. Germain me disse:

 

— Também estou para deixá-la, Madame, e por muito tempo, pois não pretendo permanecer mais de quatro dias na França.

 

— 'O que é que o leva a decidir-se por uma partida tão brusca?

 

— 'A Rainha vai repetir ao Rei o que eu lhe disse. Luiz XVI, por sua vez, dirá tudo a M. de Maurepas e o Ministro mandará preparar um mandado (lettre de cachet) contra mim e o chefe da polícia terá ordens para executar o mandado. Sei como essas coisas são feitas e confesso não ter vontade de ir parar na Bastilha.

 

— 'Qual a diferença para o senhor? Poderia escapar pelo buraco da fechadura.

 

— 'Prefiro não ter de recorrer a milagres. Adeus, Madame.

 

— 'Mas e se o Rei mandar chamá-lo?

 

— 'Então voltarei.

 

— 'E como vai ficar sabendo?

 

— 'Tenho os meios necessários para isso. Não precisa preocupar-se a respeito.

 

— 'Enquanto isso estarei comprometida.

 

— 'Acho que não. Adeus.

 

 

 

"Ele partiu assim que desceu de minha carruagem. Fiquei muito perturbada com tudo aquilo. Dissera à Rainha que, para cumprir melhor as suas ordens, eu não deixaria o castelo. ... Duas horas mais tarde, Mme. de Misery veio me procurar, em nome de Sua Majestade. Confesso que não vi com bons olhos aquele chamado. Encontrei o Rei com Marie-Antoinette. Ela parecia desconcertada. Luiz XVI, ao contrário, aproximou-se de mim com um

ar de franqueza, segurou minha mão e a beijou com uma enorme cortesia. Era um homem de maneiras muito refinadas quando estava satisfeito.

 

— `Madame d'Adhémar —, ele me disse —. O que fez com o seu amigo mágico?

 

— 'O Conde de St. Germain, Senhor? Partiu para Paris.

 

— 'Ele causou um grande susto à Rainha. Já havia falado desse jeito com a senhora também?

 

— 'Não havia entrado em tantos detalhes.

 

— Não tenho ressentimento algum contra a senhora por causa do episódio e tampouco a Rainha os tem, pois sua intenção foi das melhores. Mas lanço a culpa sobre o estrangeiro por tentar prever tantos revezes contra nós que nem os quatro cantos do mundo nos poderiam causar no correr de todo um século. Acima de tudo ele está errado em se esconder do Conde de Maurepas, que saberia deixar de lado toda a sua animosidade pessoal se fosse necessário sacrificá-las no interesse da monarquia. Devo falar com ele a respeito e se ele me aconselhar a procurar St. Germain não me recusarei. O seu intelecto e habilidade são reconhecidos. Meu avô gostava de sua companhia, mas antes de lhe conceder uma conferência sinto-me no dever de dar à senhora todas as garantias no caso do reaparecimento desse misterioso personagem. Aconteça o que acontecer, a senhora não será responsabilizada.

 

"Meus olhos se encheram de lágrimas diante dessa prova patente da cordialidade de Suas Majestades, pois a Rainha falou comigo demonstrando tanta afeição como o Rei. Voltei de lá mais calma, mas ainda assim aborrecida com o rumo que o episódio tomara. No fundo eu me considerava satisfeita por M. de St. Germain ter previsto tudo.

 

"Duas horas mais tarde ainda me encontrava em meu quarto, mergulhada em pensamentos, quando alguém bateu à porta de meus modestos aposentos. Ouvi uma comoção fora do comum e quase de imediato abriram-se as duas metades da porta e o senhor Conde de Maurepas foi anunciado. Levantei-me para recebê-lo até com maior rapidez do que se fosse o Rei da França chegando. Ele se aproximou com uma fisionomia sorridente.

— 'Perdoe-me, Madame, pela falta de cerimônia em minha visita, mas tenho algumas perguntas a fazer e não seria educado se não viesse vê-la em pessoa.

 

"A cortesia que predominava naquela época era de um elevado grau de polidez para com as mulheres, mas desapareceu depois que a tempestade se abateu sobre tudo. Uma vez feitos os cumprimentos preliminares ele continuou:

 

— Então o nosso velho amigo, o Conde de St. Germain apareceu de novo... E já está de volta aos seus velhos truques, tendo recomeçado suas intrigas —. Eu estava a ponto de interromper, mas ele fez um gesto de advertência e prosseguiu: — Acredite, Madame. Conheço o velhaco melhor do que a senhora. Só uma coisa me surpreende. A passagem dos anos não me poupou nem um pouco, mas a Rainha declara que o Conde de St. Germain ainda tem

a aparência de um homem de quarenta anos. Seja como for que ele faça isso, temos de descobrir onde obteve as informações que nos trouxe, tão circunstanciais e alarmantes... Estarei certo se presumir que ele não deixou o seu endereço?

 

— 'Sim, senhor Conde.

— 'Não faz mal. Ele será descoberto, porque os investigadores de nossa polícia têm excelente faro... Além do mais... o Rei agradece a senhora pelo zelo demonstrado. Nada muito grave acontecerá com St. Germain exceto o fato de ficar encerrado na Bastilha, onde será bem alimentado, bem aquecido até que concorde em nos dizer onde ficou sabendo de tantas coisas curiosas.

"Nesse instante nossa atenção foi desviada pelo barulho de uma porta que se abria ao nosso lado... Era o Conde de St. Germain que entrava! Um grito me escapou da boca enquanto M. de Maurepas se levantava, com o semblante um tanto modificado. Aproximando-se dele, o taumaturgo disse:

 

— `Monsieur, Conde de Maurepas, o Rei o convocou para lhe dar bons conselhos e a única coisa que o preocupa é manter sua própria autoridade. Ao se opor à minha entrevista com o Monarca o senhor está colocando a monarquia a perder, porque disponho de muito pouco tempo para dar à França e, quando esse tempo se acabar, não serei mais visto aqui até que três gerações consecutivas sejam levadas à sepultura. Já disse à Rainha tudo que me é permitido dizer. Minhas revelações ao Rei teriam sido mais completas. Considero uma infelicidade o senhor ter decidido intervir nos contatos entre Sua Majestade e eu. Mas não terei por que me repreender no momento em que a horrível anarquia devastar toda a França. Quanto a essas calamidades, o senhor não as verá, mas será suficiente para sua lembrança que as tenha ajudado a preparar... Não espere homenagem alguma da posteridade, senhor Ministro frívolo e incompetente! O seu nome estará inscrito entre os daqueles que causaram a ruína dos impérios.

 

Tendo falado sem ao menos tomar fôlego, M. de St.Germain voltou-se na direção da porta e desapareceu" Foram infrutíferos todos os esforços no sentido de encontrar o Conde!

 

COMTESSE D’ADHÉMAR, “Souvenirs sur Marie-Antoinete” , citado no livro de Isabel Cooper-Oakley “Conde de Saint-Germain”

 

 

Veja também:

 

SOCIEDADES SECRETAS, ILLUMINATI E REVOLUÇÕES NO MUNDO

http://conspiratio.blogs.sapo.pt/202906.html

 

 

 

 

publicado por conspiratio às 00:22
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
 O que é? |  O que é?
Segunda-feira, 2 de Julho de 2012

SOCIEDADES SECRETAS, OS ILLUMINATI E AS REVOLUÇÕES NO MUNDO

 

SOCIEDADES SECRETAS, ILLUMINATI E REVOLUÇÕES NO MUNDO

 

Não se pode entender a História e ignorar a atuação das sociedades secretas.

"É triste que, devido ao surgimento constante de novas gerações, tendemos a aprender muito pouco e deixar o passado para trás. Cada geração começa do zero, esquecendo-se de que nosso passado guarda respostas inteligentes a perguntas que são e serão sempre relevantes. Devido ao fato de cada geração que se inicia ser imatura e nova, ela também não vê o fio que passa por cada geração a partir da geração anterior: O FIO DA SOCIEDADE SECRETA. " Philip Gardiner

 

Estou preparando outro post com mais informações e ligações entre Illuminati e movimento revolucionário, com base nestes livros:

 

*SOCIEDADES SECRETAS -ILLUMINATI de Sérgio Pereira Couto

*AS SOCIEDADES SECRETAS GOVERNAM O MUNDO - Pierre Mariel

*AS SOCIEDADES SECRETAS MAIS PERVERSAS DA HISTÓRIA - Shelley Klein

*ILLUMINATI - Paul Koch

*SOCIEDADES SECRETAS - Philip Gardiner 

*AS FORÇAS SECRETAS DA REVOLUÇÃO (1937) LEON DE PONCINS

*A HISTÓRIA SECRETA DO OCIDENTE - Nicholas Hagger(muita informação!)

 

 

 

Os Illuminati, ou Iluminados da Baviera, dirigidos por Adam Weishaupt, nasceram como sociedade secreta em fins do século XVIII em Ingolstadt, no sul da Alemanha, e oficialmente não sobreviveram a esse século como grupo organizado. Como veremos, um grupo cada vez maior de estudiosos não concorda com isso e recorda que os principais líderes dos Illuminati nunca foram presos. Acreditam que desde então continuaram maquinando na sombra e transmitiram o testemunho a seus sucessores, que operaram através de organizações similares com novos nomes. O canadense William Guy Carr, autor do clássico The Red Fog over America (A neblina vermelha sobre a América), resume assim os planos dos Illuminati: a destruição do mundo, como hoje entendemos, aniquilando a cultura ocidental e o cristianismo, assim como as nações clássicas. Em vez disso, apoiariam a fundação de um governo planetário que instauraria um culto mundial a Lúcifer e reinaria sobre uma massa homogênea de seres humanos desprovidos de qualquer diferença de raça, cultura, nacionalidade ou religião, e cuja única função seria trabalhar escravizados a serviço de seus amos. Para forçar o êxito definitivo, os Illuminati haveriam se infiltrado em sociedades internacionais, partidos políticos, lojas maçônicas, bancos e grandes empresas, religiões organizadas, impulsionando a partir destas instâncias todo tipo de movimentos subversivos, crises financeiras e políticas, guerras e conflitos, até criar uma instabilidade mundial insuportável. Nesse momento, "quando as massas, desesperadas pelo caos que as cerca, buscarem alguém que as tire do assombro, os Illuminati apresentarão seu rei, que será aclamado por todos em toda parte e assim assumirá o poder".

 

O próprio Carr reconhece que qualquer pessoa que ouça semelhante argumento pela primeira vez pode pensar que sua fantasia não tem limites. Em uma sociedade cada vez mais materialista e cética como a ocidental, em que para muitas pessoas palavras como anjos, demônios, Deus ou Lúcifer parecem desgastadas superstições próprias da Idade Média, é um erro habitual pensar que aquilo que não concebemos, ou que nos parece irracional, seja também inconcebível e irracional para outros.

 

Costuma-se argumentar que se uma conspiração como a dos Illuminati fosse verdade, de alguma forma se saberia e alguém já teria tomado medidas a respeito. O mais incrível do caso é que se sabe, e há muito tempo, mas o ser humano tem uma memória muito fraca. Seus planos tornaram-se públicos no século XVIII (por isso já nessa época eles eram perseguidos) e a maior parte dos dados que aparecem neste livro já foram publicados antes. Mas não se tentou relacioná-los entre si, encaixar as peças umas nas outras, em razão, segundo alguns, os muitos entretenimentos que os agentes Illuminati distribuem, sob a forma de futebol, programas de telelixo, revistas românticas, videogames etc., que absorvem o tempo e a mente dos cidadãos. E até se permitem o luxo de parodiar a si mesmos, aparecendo como vilões em filmes como Tomb Raider, a primeira adaptação para o cinema de Lara Croft, personagem dos videogames!

 

 

A maior parte dos especialistas assegura que, apesar da aparente variedade de argumentos relados pelo homem, na verdade estes podem ser reduzidos a um só: a eterna, luta do Bem contra o Mal. Inclusive na mais desprezível das obras atuais, em que a ambigüidade, a confusão e a extravagância costumam possuir maior importância do que a qualidade, a beleza ou o exemplo moral, o sentido último das narrações é o mesmo. Entende-se o Bem como tudo aquilo que beneficia o protagonista, por mais que este seja um ladrão, um farsante ou até mesmo um assassino, diante do Mal, que o prejudica.

 

Trata-se de uma influência evidente da religião e da espiritualidade que durante milhares de anos deu sentido à vida de nossos antepassados através de diversas crenças. Com o triunfo da razão no século XVIII, a sociedade ocidental começou um processo de progressiva laicização, que pouco a pouco foi despojando milhões de pessoas de todo interesse que fosse além da ganância econômica e das comodidades materiais.

 

Estudiosos modernos como René Guenon ou Julius Evola concordam com autores da Antigüidade grega e egípcia quando afirmam em seus escritos que existe uma guerra secreta entre a Tradição e a Antitradição desde o princípio dos tempos, o que no fundo não é mais que outra faceta do enfrentamento entre o Bem e o Mal. Essa guerra é, na sua opinião, o verdadeiro motor dos acontecimentos, e acaba dotando de sentido qualquer época ou personagem da história se formos capazes de superar os preconceitos, ir além das explicações convencionais e trazer à tona o tênue rastro que dá sentido a deferentes acontecimentos aparentemente sem conexão.

 

A Tradição abrange uma série de verdades de origem não-humana reveladas aos iniciados, homens e mulheres mais desenvolvidos espiritualmente do que o resto da humanidade, que se agrupam em pequenas sociedades discretas. Sua missão consiste em guardar e transmitir essas verdades, além de pô-las em prática em beneficio de todos os seres humanos. Esses iniciados dispõem de talentos desconhecidos das pessoas comuns, embora vivam no anonimato porque não buscam honras materiais nem têm interesse em trazer a público sua identidade. Seu poder é espiritual e seu reino, certamente, "não é deste mundo”. Um de seus símbolos sagrados é a espiral, uma forma da natureza que se encontra em toda parte, desde o mais sublime até o mais vulgar; desde a forma de algumas galáxias até a cadeia do DNA. Equivale ao princípio da evolução.

 

A Antitradição utiliza as mesmas verdades, mas em vez de respeitá-las como são, as prostitui para se aproveitar delas e aplicá-las em benefício exclusivo dos membros de suas próprias sociedades secretas. Estes têm como principal objetivo a acumulação de riquezas e bens, o reconhecimento social e a prática do poder pessoal sobre os demais. Para isso não hesitam em manipular, explorar, trair e até mesmo sacrificar os demais seres humanos em seu afã por alcançar e se manter no ponto culminante da hegemonia mundial. Um de seus símbolos mais característicos é o círculo, considerado como o símbolo geométrico perfeito porque aparentemente não tem princípio nem fim. Significa que o que agora está em cima com o tempo ficará em baixo e vice-versa, embora o círculo permaneça sempre no mesmo lugar. Equivale ao princípio da revolução.

 

Em suma, o objetivo da Tradição vai além da simples existência física e pressupõe a certeza de um espírito imortal como o verdadeiro Eu. O da Antitradição busca a satisfação imediata de um eu com letra minúscula, ou melhor, de uma série de eus de caráter personalista e cujos interesses se circunscrevem unicamente ao plano material. Pela lógica, as duas forças estão situadas de modo a cada uma delas utilizar suas próprias armas.

No caso da Antitradição, um de seus instrumentos favoritos é a mentira. Não só o engano defendido com veemência, mas sobretudo a indução ao erro a partir de todo tipo de especulações e a mistura de meias verdades com falsidades. O fato de os dois grupos usarem alguns símbolos similares (como a pirâmide ou o triângulo, sua representação em duas dimensões) tampouco ajuda na hora de diferenciá-los. Na verdade, em determinado momento histórico, a Antitradição descobriu que, em vez de enfrentar abertamente a Tradição, era-lhe mais proveitoso criar sociedades secretas e escolas de pensamento e filosofia que, sob a aparência formal de pertencer à segunda, eram no realidade tributários da primeira. Desta maneira, desviavam do seu caminho genuínos buscadores do conhecimento que ingressavam em suas fileiras e trabalhavam sem saber para seus objetivos ocultos. Outra de suas táticas consistiu em infiltrar-se nas sociedades defensoras da Tradição para nelas ir escalando postos até o ponto de assumir o comando e afastá-las de seus objetivos originais.

 

(...)

 

 

Naquela noite fatídica nasceu a Ordem dos Perfectibilistas, mais conhecida como Ordem dos Iluminados da Baviera, ou simplesmente os Illuminati. Com o tempo, iria se converter na mais poderosa das sociedades da Antitradição.

 

Meu reino é deste mundo

 

Adam Weishaupt, catedrático de Direito Canônico da Universidade de Ingolstadt, é o fundador desta ordem, uma das sociedades secretas com pior reputação dos últimos séculos. Nascido em 7 de fevereiro de 1748, seu pai, George Weishaupt, era catedrático de Instituições Imperiais e de Direito Penal no mesmo centro universitário, e sua família era de origem judaica. Aos cinco anos de idade Adam ficou órfão e foi acolhido por seu avô e tutor, o barão Johann Adam Ickstatt. Convertido ao cristianismo, Adam. Weishaupt ingressou no colégio dos jesuítas, onde logo se destacou graças à sua fantástica memória e à sua inteligência acima da média. Mais tarde entrou na Faculdade de Direito, na mesma universidade onde seu pai havia ensinado. Na biblioteca de seu avô, tomou contato com as obras dos filósofos franceses e começou a se interessar pela maçonaria e por outras organizações similares. Além disso, desenvolveu um ideário pessoal que foi reforçado por sua grande amizade com Maximilien Robespierre. Mais tarde, houve ocasião de contatar um místico dinamarquês chamado Kolmer, que tinha vivido anos no Egito na qualidade de comerciante e, quando regressou da Europa, havia tentado fundar uma sociedade secreta de ordem maniqueísta. Durante suas viagens, Kolmer havia se encontrado, entre outros, com o enigmático conde de Cagliostro .

 

(...)

 

Uma organização parecida com a dos jesuítas ou a maçonaria, mas que caminhasse em uma direção muito diferente. Quando não encontrou nada parecido, decidiu ele mesmo fundá-la naquela noite de Maio de 1776, depois de criar um regulamento a meio caminho entre as duas sociedades e determinadas correntes de falso rosacrucianismo. Entre seus símbolos figurava um que logo se tornaria célebre no mundo inteiro: uma pirâmide com um olho aberto em seu interior, O Olho que Tudo Vê. Seus primeiros adeptos foram quatro alunos de sua própria cátedra, que inicialmente se dedicaram ao proselitismo de acordo com uma norma básica: só aceitavam a adesão de pessoas bem situadas social e/ou economicamente. "Poucos, mas bem situados", costumava repetir Weishaupt, que não desejava presidir uma organização numerosa, mas poderosa. Por isso buscou e encontrou desde o primeiro momento o apoio econômico de um banqueiro que passou para a história como um dos homens mais ricos do planeta: Meyer Amschel Rothschild. A história do seu clã estará muito presente nos sucessivos acontecimentos narrados neste livro.

 

(...)

 

Até mesmo o famoso escritor Wolfgang Goethe se deixou seduzir pelos postulados dessa ordem. Quais eram estes postulados? Segundo se revelava aos novos membros, tratava-se da substituição da velha ordem reinante no mundo por outra nova, em que os Illuminati atuariam como comando supremo para conduzir a humanidade para uma era jamais vista antes, de paz e prosperidade racional. Isso equivaleria a um governo mundial, em que cada homem teria a mesma importância que os demais, sem distinção de nacionalidade, oficio, credo ou raça. Todos, exceto os próprios Iluminados, encarregados de comandá-lo. Weishaupt escreveu: "Qual é em resumo a nossa finalidade? A felicidade da raça humana! Quando vemos como os mesquinhos, que são poderosos, lutam contra os bons, que são fracos... quando pensamos como é inútil combater sozinho contra a forte corrente do vício... nos vem à mente a mais elementar das idéias: devemos trabalhar e lutar todos juntos, estreitamente unidos, para que deste modo a força esteja do lado dos bons. Pois, uma vez unidos, nunca voltarão a ser fracos". Dito assim, suas intenções eram até louváveis. Entretanto, objetivos finais só eram conhecidos por Weishaupt e por seus mais imediatos lugares-tenentes. Nesta H. Webster, autora de World Revolution (Revolução mundial) e profunda conhecedora do tema, descreve assim as seis metas a longo prazo dos Illuminati:

 

1. Aniquilação da monarquia e de todo governo organizado segundo o Antigo Regime.

2. Abolição da propriedade privada para indivíduos e sociedades.

3. Supressão dos direitos de herança em todos os casos.

4. Destruição do conceito de patriotismo e substituição por um governo mundial.

5. Desprestígio e eliminação do conceito de família clássica.

6. Proibição de qualquer tipo de religião tradicional.

 

Segundo o raciocínio de Weishaupt, não havia grandes problemas para conduzir os países do Oriente para essa unificação mundial, em virtude da possibilidade de manipular as profundas conexões de sua cultura com o misticismo, o ritualismo e o ecletismo. Entretanto, o pensamento do Ocidente era muito mais individualista, nacionalista e aventureiro, e além disso estava há muito tempo dominado pelo cristianismo. E em especial pela Igreja católica, cuja obsessão por cortar pela raiz qualquer mínimo desvio do dogma convertia qualquer heterodoxia espiritual em um empreendimento arriscado. Mas também pelo movimento protestante nascente, que, em essência, supunha uma espécie de catolicismo sem Papa.

 

Em conseqüência disso, seu primeiro objetivo devia orientar-se contra a cultura ocidental. E como tanto ele como seus seguidores viviam no Ocidente, o segredo era uma arma imprescindível. Segundo ele mesmo: "Trata-se de infiltrar nossos iniciados na Administração do Estado sob a cobertura do segredo, com o objetivo de que chegue o dia em que, embora a aparência seja a mesma, as coisas sejam diferentes". Somente desta maneira seria possível "estabelecer um regime de dominação universal, uma forma de governo que se estenda por todo o planeta.

 

 

Do livro illuminati-os segredos da seita mais temida pela igreja catolica

"Iluminati" conta a história da seita mais secreta criada e em ação até hoje. Infiltrados em todo tipo de organização, algumas muito conhecidas, os Iluminati influenciam os principais acontecimentos mundiais, sem mostrar o rosto. Agem por uma sociedade única, um governo mundial.
 
 

 

 

 MAIS: 

 

ILLUMINATI - HISTÓRIA RESUMIDA (em espanhol)

http://videos.sapo.pt/8bZ1p59D32VRNe9nOhtj

 

SOCIEDADES SECRETAS, MAÇONARIA, ILLUMINATI - OLAVO DE CARVALHO
http://videos.sapo.pt/8zzUClShODqYV7qf6ZdO

 

BANQUEIROS TOTALITARISTAS - OLAVO DE CARVALHO

http://videos.sapo.pt/eBU3PilI8ERWzbwGWmHe

 

HITLER ERA SOCIALISTA - OLAVO DE CARVALHO

http://videos.sapo.pt/vJw7VzACTMFi08y6WwtS

 

MENTIRA COMO MÉTODO, MANIPULAÇÃO, IDIOTIZAÇÃO DOS POVOS PELA NOVA ORDEM MUNDIAL

http://videos.sapo.pt/c6nLgSkU7cFGClTCEki1

  

LAVAGEM CEREBRAL, ENGENHARIA SOCIAL, MANIPULAÇÃO DO COMPORTAMENTO PELA NOM
http://videos.sapo.pt/gzh2a5Hs0KcEWvjzVN80

 

Este post AGENDAS GLOBALISTAS A SEREM ESTUDADAS tem um trecho sobre Karl Marx e seu envolvimento com duas sociedades seccretas.

 

SAINT-GERMAIN TENTOU IMPEDIR A REVOLUÇÃO FRANCESA

 

http://conspiratio.blogs.sapo.pt/203405.html

 

Dos 15 minutos e 30 até os  27 minutos, Olavo comenta sobre as sociedades secretas na época iluminista e  sua relação com o movimento revolucionário, neste TRUE OUTSPEAK:

http://www.blogtalkradio.com/olavo/2007/02/26/true-outspeak 

 

 

http://www.blogtalkradio.com/olavo/2007/03/05/true-outspeak

Mon, March 5, 2007  O programa começa com o assunto da influência calculada do Islã sobre o Ocidente, inluindo Gurdjieff e Guenon, Idries Shah,  Frithjof Schuon.

Los Rothschild y Los Perfectibilistas (illuminati).

http://explayandose.zoomblog.com/archivo/2009/03/27/los-Rothschild-y-Los-Perfectibilistas-.html

 

 

Um pouco da história:

 

A ordem dos iluminados
Por Sérgio Pereira Couto

http://leiturasdahistoria.uol.com.br/ESLH/edicoes/20/artigo141785-1.asp

http://leiturasdahistoria.uol.com.br/ESLH/edicoes/20/artigo141785-2.asp

http://leiturasdahistoria.uol.com.br/ESLH/edicoes/20/artigo141785-3.asp

 

"A Illuminati parece ter sido tão poderosa, que a escritora norte-americana Shelley Klein, autora de As sociedades secretas mais perversas da história, chegou a dizer: "de todas as sociedades secretas que pesquisei, essa é a mais vil"."

 

"O objetivo inicial de Weishaupt era que sua organização servisse para que as pessoas pudes- sem entrar em contato com ideias do progresso e da razão. Para isso, ele buscou a adesão de intelectuais e membros da maçonaria"

 

"Essa hierarquia fez que a Illuminati conquistasse centenas de maçons que se mostravam insatisfeitos com a Estrita Observância. Não demorou muito para que a seita fundada por Weishaupt chegasse ao impressionante número de 3 mil membros e se tornasse influente não apenas na Baviera, mas também em regiões da Áustria e Hungria. Logo o processo de seleção para ingressar na sociedade tornou-se mais exigente e a Illuminati passou a aceitar apenas banqueiros, mercadores em franca ascensão financeira, militares de altas patentes e, por incrível que pareça, até mesmo alguns membros do clero que entram por causa da fachada maçônica que a ordem divulgava."

 

"A opinião reinante para os que concordavam com o pensamento do padre Barruel foi a de que Adam Weishaupt estaria em algum ponto de Paris e que teria tramado a revolução com o auxílio dos maçons e de seus amigos da Illuminati."

 

AGENDAS GLOBALISTAS A SEREM ESTUDADAS

http://conspiratio.blogs.sapo.pt/35352.html

 

 

 SOCIEDADES SECRETAS NO GOVERNO DOS EUA E NOVA ORDEM MUNDIAL 

 http://videos.sapo.ao/qesLMeiLVdFgle3KT7Uc 

 

 

 

 
Fontes do vídeo
bate-papo com Olavo de Carvalho
http://www.youtube.com/user/yurivs/videos?view=0&flow=grid
John F. Kennedy - Discurso contra as Sociedades Secretas que perpetuam a Nova Ordem Mundial
http://www.youtube.com/watch?v=aA68Ayzhwds
Alex jones - BOHEMIAN GROVE
http://www.youtube.com/watch?v=GrBQ4_bHUzk
http://www.youtube.com/watch?v=pV9fvC7X_8U

 

 

SOCIEDADES SECRETAS, ILLUMINATI E REVOLUÇÕES NO MUNDO
http://conspiratio3.blogspot.com.br/2013/01/sociedades-secretas-illuminati-e.html

 

publicado por conspiratio às 02:41
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

.mais sobre mim

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. NÃO AO MARCO CIVIL DA INT...

. INVASÃO CUBANA - PROGRAMA...

. PAPA FRACISCO: UM COMUNI...

. GOVERNO TEM PRESSA PARA C...

. FORO DE SÃO PAULO É O PRO...

. Yoani Sanchez dissidente...

. TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO E ...

. NOVA ORDEM MUNDIAL ESTÁ P...

. O DESEJO IRRESPONSÁVEL DE...

. COMUNISMO SE CURA COM VER...

. A HISTÓRIA SECRETA DE ANA...

. A CONSPIRAÇÃO DO FORO DE ...

. A LISTA DE CLINTON - ESTR...

. A EDUCAÇÃO MORREU?

. CONSPIRAÇÃO DO FORO DE SA...

. A HISTÓRIA SECRETA DE ANA...

. ABORTISMO SENDO INSTALADO...

. NOVA ORDEM MUNDIAL ESTÁ P...

. TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO,

. O PROBLEMA É O FORO DE SÃ...

. ORVIL - TENTATIVAS DE TOM...

. CONSPIRAÇÃO CONTRA A CIVI...

. RITALINA E OUTRAS DROGAS ...

. O EX-REVOLUCIONÁRIO DOSTO...

. FINS E MEIOS, BEM E MAL,...

. PRIORADO DE SIÃO E A NOV...

. SE NÃO INVESTIRMOS EM CON...

. CONGRESSO QUER MANDAR NO ...

. COREIA, NOVA ORDEM MUNDIA...

. AGRICULTOR EM GUERRA CONT...

. OPRIMIR O CIDADÃO COM LEI...

. MANIPULAÇÕES DA LÓGICA, D...

. EXTINGUINDO A PROFISSÃO D...

. KARL MARX , ADAM WEISHAUP...

. CONTROLE E MAIS CONTROLE ...

. UFO OU MÍSSEL ATINGE "MET...

. LÚCIFER E A REVOLUÇÃO

. HIPNOSE PELA TV - DAVID I...

. FORMAÇÃO DO IMBECIL COLET...

. OS BILDERBERGERS/ILLUMINA...

. QUEM MANDA NO MUNDO

. O ILLUMINATI OBAMA SE DÁ ...

. ARIZONA WILDER REFUTA DAV...

. QUEM MATOU AARON SWARTZ?

. CONTROLAR VOCÊ É TUDO O Q...

. SOL, SERENIDADE E CURA - ...

. CONSPIRAÇÃO CONTRA A CIVI...

. TOTALITARISMO - SONHANDO ...

. INTERNET - MEDIDAS DE CON...

. GOVERNO NEGOCIANDO COM O ...

.arquivos

. Abril 2014

. Novembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

.favorito

. NÃO AO MARCO CIVIL DA INT...

. INVASÃO CUBANA - PROGRAMA...

. PAPA FRACISCO: UM COMUNI...

. GOVERNO TEM PRESSA PARA C...

. FORO DE SÃO PAULO É O PRO...

. TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO E ...

. NOVA ORDEM MUNDIAL ESTÁ P...

. COMUNISMO SE CURA COM VER...

. A HISTÓRIA SECRETA DE ANA...

. A EDUCAÇÃO MORREU?

.EXPANDIR A CORRUPÇÃO É ESTRATEGIA REVOLUCIONÁRIA - OLAVO DE CARVALHO

.DAVID ICKE - PROBLEMA-REAÇÃO-SOLUÇÃO - a mais poderosa técnica de manipulação das massas