Domingo, 30 de Agosto de 2009

SOBRE O ELIXIR DA VIDA ETERNA

*


Faltavam ainda alguns minutos para a meia-noite, quando Glyndon foi ter novamente ao quarto do místico.

O jovem havia observado escrupulosamente o jejum que lhe fora ordenado; e as intensas e arrebatadoras meditações em que o submergia a sua excitada fantasia, não somente lhe fizera esque­cer as necessidades do corpo, mas até conseguiram que ele se sen­tisse superior a elas.

Mejnour, sentado ao lado do seu discípulo, falou-lhe desta maneira:

— O homem é arrogante à proporção da sua ignorância, e a sua tendência natural é o egoísmo. Na infância do saber, pensa que toda a criação foi feita para ele. Por muitos séculos, viu nos inumeráveis mundos que brilham no espaço, como as borbulhas de um imenso oceano, apenas pequenas velas, que a Providência ha­via-se comprazido em acender como único fim de tornar-nos a noite mais agradável. A astronomia corrigiu esta ilusão da vaidade hu­mana; e o homem, ainda que, com relutância, confessa, agora, que as estrelas são mundos mais vastos e mais formosos do que o nosso mundo, — que a terra, sobre a qual os homens se arrastam, é ape­nas um ponto dificilmente visível no vasto mapa da criação. Po­rém, no pequeno, assim como no grande, Deus pôs a vida igualmente em profusão. O viajor olha a árvore e imagina que os seus ramos foram formados para livrá-lo do ardor dos raios solares no verão, ou para fornecer-lhe o combustível durante os frios do inverno. Mas em cada folha desses ramos, o Criador fez um mundo, que é povoado de inumeráveis raças. Cada gota de água naquele rego é um orbe, mais cheio de seres do que de homens é cheio um reino. Em todas as partes, neste imenso Plano de Existência, a ciência descobre novas vidas. A vida é um princípio que atravessa tudo, e até a coisa que parece morrer e apodrecer, gera nova vida, e dá novas formas à matéria. Raciocinando, pois, por evidente analogia, diremos: Se não há uma folha, nem uma gota de água que não seja, como aquela estrela, um mundo habitável e respirante, — e se até o homem mesmo é um mundo para outras vidas, e milhões e bilhões de seres habitam nas correntes do seu sangue, vivendo no seu corpo como o homem vive na terra, o senso comum (se seus homens eruditos o tivessem) bastaria para ensinar que o infinito circunfluente, ao qual chamam espaço, o ilimitado Impalpável que separa a terra da lua e das estrelas, está também cheio de sua correspondente e apropriada vida. Não é visível absurdo supôs que uma folha está cheia de seres e vida, e que seres vivos não existem nas imensi­dades do espaço? A lei do Grande Sistema não permite que se desperdice um só átomo, nem conhece lugar algum onde não respire algum ser vivo. Até o ossário é um viveiro de produção e anima­ção. É verdade o que digo? Pois bem, se é assim, pode conceber que o espaço, que é o Infinito mesmo, somente seja um deserto sem vida, menos útil ao Plano da Existência Universal, do que o esqueleto de um cão, do que a povoada folha, do que a gota de água, cheia de seres viventes? O microscópio mostra-nos as criaturas na folha; nenhum tubo mecânico foi ainda inventado para descobrir os seres mais nobres e mais adiantados, que povoam o ar ilimitado. Entre estes, porém, e o homem, existe uma misteriosa e terrível afinidade. E, por isso, nascem dos contos e lendas, que não são nem totalmente falsos, nem totalmente verdadeiros, de tempo em tempo, crenças em aparições e espectros. Se estas crenças foram mais comuns entre as tribos primitivas, mais simples do que o homens do seu enfatuado século, é só porque os sentidos daquelas tribos eram mais finos e mais perspicazes. E como o selvagem vê ou percebe, até pelo olfato, a muitas milhas de distância, as pegadas de um inimigo, invisíveis aos embotados sentidos do homem civilizado, assim é menos densa e menos obscura para ele a barreira que se encontra entre ele e as criaturas do mundo aéreo. Escutou-me?

— Com toda a minha alma, — respondeu Glyndon.

— Porém, para penetrar esta barreira, ' continuou Mej­nour, — é preciso que a alma, com que escuta, seja aguçada por um intenso entusiasmo, e purificada de todos os desejos terrestres. Não sem razão os chamados magos de todos os países e de todos os tempos, insistiam sempre sobre a necessidade de castidade e de moderada contemplação, como os mais poderosos elementos da ins­piração. Quando a alma está assim preparada, a ciência pode, de­pois, vir em seu auxílio; a vista se torna mais sutil, os nervos mais agudos, o espírito mais ativo e penetrante, e até os elementos, o ar, o espaço, — por meio de certos segredos da química supe­rior, podem tornar-se mais palpáveis e claros. E também isto não é magia, no sentido que a esta palavra dão os crédulos; pois, como já lhe disse tantas vezes, a magia, — se com este termo se pensa em uma ciência que viola a Natureza, — não existe; ela é apenas a ciência com que as forças da Natureza podem ser dirigidas, domi­nadas e aproveitadas. Ora, no espaço há milhões de seres, não literalmente espirituais, pois que têm todos, como os animálculos in­visíveis ao olho nu, certas formas de matéria, se bem que tão delicada sutil, que parece não ser mais do que uma película uma penugem que cobre o espírito. Daí nascem os belos fantasmas rosacrucianos de silfos e gnomos. Sem embargo, essas raças e tribus diferem mais entre si, do que o kalmuk do grego, em suas formas, seus atributos e poderes. Na gota de água, vê como são variados os animálculos, como grandes e terríveis são alguns desses microscópios vermes-monstros em comparação a outros. Igualmente, dentre os habitantes da atmosfera, alguns há que possuem um alto grau de sabedoria, e outros são dotados de uma horrível malignidade; alguns são hostis aos homens, porque são seus inimigos; ao passo que outros lhe são afáveis, e servem de mensageiros entre a terra e o céu. Quem pre­tende entrar em relações com estes divinos seres, assemelha-se ao via­jante que, querendo penetrar em países desconhecidos, se expõe a estranhos perigos e incalculáveis terrores. Quando tiver entrado nestas relações; não poderei livrá-lo dos incidentes a que o seu ca­minho o expõe. Não posso dirigi-lo por sendas onde não encontre alguns desses mortais e terríveis inimigos. Há de fazer-lhe frente você mesmo, e sozinho. Porém, se aprecia tanto a sua vida, que somente queira prolongar a sua existência, não importa para que fins, reparando a força dos seus nervos e a frescura do seu sangue com o elixir vivificados do alquimista, por que deve buscar as relações com esses seres intermediários e expôr-se aos perigos que resultam? Por­que o homem poderia atrair sobre si. Por isso, embora o elixir seja vida, aguça os sentidos de tal maneira, que essas larvas que povoam o ar, se ouvem e se vêem. Enquanto não tiver exercitado suficiente­mente a poder gradualmente, acostumar-se a não se perturbar pelo aparecimento desses fantasmas, e a dominar a sua malícia, uma vida, dotada destas forças e capacidades, seria a mais horrível sentença que o homem poderia atrair sobre si. Por isso, embora o elixir seja composto de ervas muito simples, pode recebê-lo só quem tenha passado já pelas provas mais sutis. Alguns, sobressaltados por um insuportável horror ante os objetos que se apresentaram à sua vista ao primeiro gole do milagroso líquido, acharam que a poção era me­nos poderosa para salvar, do que a agonia e o trabalho da Natureza para destruir. Assim é que, para os que não estão preparados, o elixir não é mais do que um veneno mortífero. Entre os morado­res do umbral há também um, que, em sua malignidade e ódio, ex­cede a toda a sua tribo, — um, cujos olhos têm paralisado os ho­mens mais intrépidos, e cujo poder sobre o espírito humano. au­menta, precisamente, à proporção do temor que inspira. Vacila a sua coragem?

— Oh, não! — respondeu Glyndon. — Pelo contrário, as suas palavras não fazem mais do que inflamá-la.

— Então, — ordenou Mejnour, — siga-me; vou submetê-lo aos trabalhos de iniciação.


E Mejnour conduziu o discípulo ao quarto interior, onde lhe explicou certas operações químicas, as quais, como Glyndon logo compreendeu, apesar de serem "muitíssimo simples, eram capazes de produzir resultados extraordinários.

— Nos tempos remotos, — prosseguiu Mejnour, sorrindo, — a nossa irmandade via-se, com freqüência, obrigada a recorrer ao engano, para encobrir a realidade; e, como os seus adeptos eram des­tros mecânicos ou peritos químicos, dava-se-lhes o nome de feiticei­ros. Observe como é fácil compor o Espectro de Leão, que acompa­nhava o célebre Leonardo da Vinci!

E Glyndon viu, com deliciosa surpresa, os simples meios que bastavam para produzir as mais singulares ilusões da imaginação. As mágicas paisagens que deleitavam Baptista Porta; a aparente mu­dança das estações com que Alberto Magno surpreendeu o Conde de Holanda; e até aquelas terríveis visões de Espíritos e Imagens com que os necromantes de Heracléa alarmaram a consciência do conquistador de Platéa (*), — tudo isto Mejnour mostrou ao dis­cípulo, assim como o fazem os homens que, com a lanterna mágica e a fantasmagoria, encantam medrosas crianças, na véspera no Natal.

— E agora, que você viu, ria-se da magia. Se estes brinquedos, estes enganos, divertimentos e frivolidades da ciência eram aquelas coisas tão terríveis que os homens olhavam com repugnância, e que os reis e os inquisidores premiavam com a roda ou coma estaca!

— Porém, a transmutação de metais, de que falam os alquimistas? — perguntou Glyndon.

— A Natureza mesma — respondeu Mejnour — é um laboratório, onde os metais, e todos os elementos, estão continuamente em transmutação.É fácil fazer ouro, e mais fácil ainda, e mais cômodo e mais barato, é fazer-se pérolas, diamantes e rubis. Oh, sim! homens sábios consideraram também isto como feitiçaria; mas não acharam nada de feitiçaria no descobrir que, pelas mais simples combinações de coisas de uso quotidiano, poderiam criar um demônio que arrebatasse a milhares as vidas de seus semelhantes, por meio de um fogo consumidor. Descubra coisas que destruam a vida, e será um grande homem! — ache, porém, um meio de pro­longar a vida, e chamar-lhe-ão impostor! Invente alguma máquina que torne mais ricos os ricos e que aumente a pobreza dos pobres, e a sociedade levantará para si um monumento! Descubra algum mistério na arte, que faça desaparecer as desigualdades físicas, e morrerá apedrejado! Ah! ah! meu discípulo! este é o mundo pelo qual Zanoni ainda se interessa! — Você, porém, e eu, deixaremos este mundo entregue a si mesmo. E agora, que presenciou alguns dos efeitos da ciência, comece a aprender a sua gramática.

Mejnour pôs, em seguida, diante do seu discípulo certos trabalhos, nos quais empregou este o resto da noite.



. . .


Quase sem analisar os processos mentais por que os seus ner­vos se alentavam e as suas pernas se moviam, o jovem atravessou o corredor, dirigiu-se ao quarto de Mejnour e abriu a porta proibida.

Tudo ali estava da mesma forma como de costume; apenas, sobre a mesa no centro do quarto, via-se aberto um volumoso livro. Glyndon aproximou-se dele e olhou os caracteres que a página lhe oferecia; eram escritos em cifras, cujo estudo fizera uma parte de seus trabalhos. Sem que lhe custasse grande dificuldade, pareceu-lhe que podia interpretar o significado das primeiras sentenças, onde lia:

"Sorver a vida interna é, ver a vida externa; viver desa­fiando o tempo, é viver no todo. Quem descobre o elixir, descobre o que há no espaço, pois o espírito que vivifica o corpo, fortalece os sentidos. Há atração no princípio elemental da luz. Nas lâmpadas dos Rosas-Cruzes, o fogo é o puro princípio elemental. Acenda as lâmpadas enquanto abre o vaso que contém o elixir, e a luz atrairá os seres cuja vida é aquela luz. Guarde-se do Medo. O Medo é o inimi­go mortal da ciência".

Aqui as cifras mudaram de caráter e tornaram-se incompreen­síveis para Glyndon. Porém, não havia lido já bastante?

. . .

Glyndon colocou a sua lâmpada ao lado do livro, que ainda estava ali aberto; virou umas fôlhas e outras, porém sem poder de­cifrar o seu significado, até que chegou ao trecho seguinte:
“Quando, pois, o discípulo está desta maneira iniciado e preparado, deve abrir a janela, acender as lâmpadas e umedecer as suas fontes com o elixir. Mas que tenha o cuida­do de não se atrever a tomar muita coisa do volátil e fogoso espírito. Prová-lo, antes que, por meio de repetidas inala­ções, o corpo se haja acostumado gradualmente ao extático liquido, é buscar, não a vida, mas sim a morte.”


Excerto do livro de E. Bulwer Lytton, “Zanoni”

publicado por conspiratio às 17:03
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. NÃO AO MARCO CIVIL DA INT...

. INVASÃO CUBANA - PROGRAMA...

. PAPA FRACISCO: UM COMUNI...

. GOVERNO TEM PRESSA PARA C...

. FORO DE SÃO PAULO É O PRO...

. Yoani Sanchez dissidente...

. TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO E ...

. NOVA ORDEM MUNDIAL ESTÁ P...

. O DESEJO IRRESPONSÁVEL DE...

. COMUNISMO SE CURA COM VER...

. A HISTÓRIA SECRETA DE ANA...

. A CONSPIRAÇÃO DO FORO DE ...

. A LISTA DE CLINTON - ESTR...

. A EDUCAÇÃO MORREU?

. CAUSAS DO CAOS BRASILEIRO...

. CONSPIRAÇÃO DO FORO DE SA...

. A HISTÓRIA SECRETA DE ANA...

. ABORTISMO SENDO INSTALADO...

. NOVA ORDEM MUNDIAL ESTÁ P...

. TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO,

. O PROBLEMA É O FORO DE SÃ...

. ORVIL - TENTATIVAS DE TOM...

. CONSPIRAÇÃO CONTRA A CIVI...

. RITALINA E OUTRAS DROGAS ...

. O EX-REVOLUCIONÁRIO DOSTO...

. UM POUCO SOBRE ABDUÇÃO E ...

. FINS E MEIOS, BEM E MAL,...

. PRIORADO DE SIÃO E A NOV...

. SE NÃO INVESTIRMOS EM CON...

. CONGRESSO QUER MANDAR NO ...

. COREIA, NOVA ORDEM MUNDIA...

. BLOSSOM GOODCHILD E A NAV...

. AGRICULTOR EM GUERRA CONT...

. CONTRA A CAMPANHA CONTRA ...

. OPRIMIR O CIDADÃO COM LEI...

. MANIPULAÇÕES DA LÓGICA, D...

. EXTINGUINDO A PROFISSÃO D...

. KARL MARX , ADAM WEISHAUP...

. CONTROLE E MAIS CONTROLE ...

. UFO OU MÍSSEL ATINGE "MET...

. LÚCIFER E A REVOLUÇÃO

. HIPNOSE PELA TV - DAVID I...

. FORMAÇÃO DO IMBECIL COLET...

. VOAR É COM OS PÁSSAROS?

. OS BILDERBERGERS/ILLUMINA...

. QUEM MANDA NO MUNDO

. O ILLUMINATI OBAMA SE DÁ ...

. ARIZONA WILDER REFUTA DAV...

. QUEM MATOU AARON SWARTZ?

. AGENDAS DE DOMINAÇÃO GLOB...

.arquivos

. Abril 2014

. Novembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

.tags

. 3 elites globalistas(6)

. a corporação(9)

. acobertamento(13)

. agenda illuminati(13)

. alex jones(8)

. amor(20)

. animais(29)

. arqueologia proibida(4)

. atenção(7)

. auto-realização(33)

. autoritarismo(7)

. bancos terroristas(8)

. benjamin fulford(5)

. bíblia(7)

. big pharma(12)

. bilderberg(8)

. budismo(24)

. calar a democracia(5)

. censura da internet(15)

. cérebro(22)

. codex alimentarius(15)

. comunismo(13)

. concentração(14)

. consciência(7)

. conspiração(94)

. conspiração antidemocrática(6)

. conspiração financeira(11)

. controle da informação(17)

. controle da internet(22)

. cura(25)

. daskalos(7)

. david icke(9)

. denúncia(10)

. depopulação(6)

. despopulação(8)

. deus(10)

. ditadura(14)

. ditadura através da mentira(6)

. ditadura através da saúde(11)

. documentários ufológicos(7)

. ecologia(35)

. educação(7)

. ego(25)

. engenharia social(9)

. ensonhar(11)

. eqm (experiência de quase-morte)(12)

. extraterrestre interferência(11)

. filosofia(6)

. globalistas(5)

. goldsmith(8)

. google(9)

. governo oculto(31)

. gripe suína(8)

. história(17)

. história da nom(5)

. illuminati(54)

. integração(9)

. internautas conheçam seu poder(6)

. internet censura(11)

. intraterrestres(8)

. jesus(8)

. krishnamurti(13)

. lei cala-boca da internet(5)

. liberdade(8)

. livre-arbítrio(6)

. manipulação da informação(13)

. manipulação da mente(8)

. manipulação das massas(8)

. medicina natural(10)

. mentecorpo(5)

. microchip(7)

. milton cooper(7)

. monsanto(6)

. movimento revolucionário(9)

. neurociência(20)

. nom(43)

. nova ordem mundial(83)

. obama(7)

. olavo de carvalho(31)

. poder da internet(5)

. poder da mente(97)

. poder das farmacêuticas(5)

. política(16)

. predadores da humanidade(16)

. problema-reação-soluçao p-r-s(7)

. profecias(9)

. project camelot(11)

. psicanálise(5)

. pt(9)

. rauni kilde(6)

. realidade(7)

. rockefeller(7)

. saúde(19)

. sonho lúcido(22)

. totalitarismo(9)

. totalitarismo global(9)

. ufo(46)

. universo(16)

. vida(31)

. xamanismo(15)

. todas as tags

.favorito

. NÃO AO MARCO CIVIL DA INT...

. INVASÃO CUBANA - PROGRAMA...

. PAPA FRACISCO: UM COMUNI...

. GOVERNO TEM PRESSA PARA C...

. FORO DE SÃO PAULO É O PRO...

. TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO E ...

. NOVA ORDEM MUNDIAL ESTÁ P...

. COMUNISMO SE CURA COM VER...

. A HISTÓRIA SECRETA DE ANA...

. A EDUCAÇÃO MORREU?

.links

.links

.EXPANDIR A CORRUPÇÃO É ESTRATEGIA REVOLUCIONÁRIA - OLAVO DE CARVALHO

.DAVID ICKE - PROBLEMA-REAÇÃO-SOLUÇÃO - a mais poderosa técnica de manipulação das massas

.EXPANDIR A CORRUPÇÃO É ESTRATEGIA REVOLUCIONÁRIA - OLAVO DE CARVALHO