Quinta-feira, 3 de Abril de 2008

ENCONTRO COM UM ALQUIMISTA

.
.
Jacques Bergier


O Despertar dos Mágicos - Louis Pauwels e Jacques Bergier


De 1934 a 1940, Jacques Bergier foi o colaborador de André Helbronner, um dos homens notáveis da nossa época. Helbron­ner, que foi assassinado pelos nazistas em Buchenwald, em março de 1944, fôra, na França, o primeiro professor universitário a ensinar a química-física. Essa ciência, que é uma fronteira entre duas disciplinas, deu origem, mais tarde, a muitas outras ciên­cias: a eletrônica, a nucleônica, a estereotrônica. A estereotrônica é uma ciência muito recente que estuda a trans­formação da energia nos sólidos. Uma das suas aplicações é o transistor. Helbronner viria depois a receber a grande medalha de ouro do Instituto Franklin pelas suas descobertas sobre os metais coloidais. In­teressou-se igualmente pela liquefação dos gases, pela aeronáutica e pelos raios ultravioletas.

Em 1934 consagrou-se à física nuclear e montou, com o auxílio de grupos industriais, um laboratório de pesquisas nucleares, no qual, até o ano de 1940, se obtiveram resultados de interesse considerável. Além disso, Helbronner era árbitro dos Tribunais em todas as questões relacionadas com a transmu­tação dos elementos, e por esse motivo é que Jacques Bergier teve ocasião de conhecer um certo número de falsos alquimistas, escroques ou iluminados, e um verdadeiro alquimista, um autên­tico mestre.

O meu amigo nunca soube o verdadeiro nome desse alqui­mista, e mesmo que o soubesse evitaria dar excessivos esclareci­mentos. O homem de quem vamos falar já há muito tempo desapareceu, sem deixar rastros visíveis. Entrou em clandesti­nidade e cortou voluntariamente todos os contatos com a sua época. Bergier crê que se tratava simplesmente do homem que, sob o pseudônimo de Fulcanelli, escreveu por volta de 1920 dois livros estranhos e admiráveis: “Les Demeures Philosophales” e"Le Mystere des Cathédrales”. Estes livros foram editados sob a vigilância de Eugene Canseliet, que nunca. revelou a identi­dade do autor. Figuram, sem dúvida alguma, entre as obras mais importantes sobre alquimia. Exprimem um conhecimento e uma sabedoria superiores, e conhecemos mais de um espírito notável que venera o nome lendário de Fulcanelli.

"Poderia ele, escreve Eugene Canseliet, uma vez atingido o auge do conhecimento, recusar obediência às ordens do Destino ? Ninguém é profeta na sua terra. Talvez este velho adágio dê a razão oculta da Alteração que provoca, na vida solitária e estudiosa do filósofo, a chama da revelação. Sob o efeito dessa chama divina, o homem já velho é inteiramente consumido. Nome, família, pátria, todas as ilusões, todos os erros, todas as vaidades caem como pó. E dessas cinzas, como a fênix dos poetas, uma nova personalidade renasce. Pelo menos, a tradição filosófica assim o diz.

"O meu mestre sabia-o. Desapareceu quando soou a hora
fatídica, quando o sinal foi dado. Quem ousaria subtrair-se à lei? Eu próprio, apesar do sofrimento de uma separação dolo­rosa, mas inevitável, se de mim se apossasse a feliz exaltação que obrigou o meu mestre a fugir das homenagens do mundo, sei que não agiria de outra forma."

Eugene Canseliet escreveu estas linhas em 1925. O homem que o encarregava de editar as suas obras ia mudar de aspecto e de ambiente. Numa tarde de junho de 1937, Jacques Bergier julgou ter excelentes motivos para pensar que se encontrava em presença de Fulcanelli.

Foi a pedido de, André Helbronner que o meu amigo se encontrou com a misteriosa personagem, no ambiente prosaico de um laboratório de experiência da Sociedade do Gás de Paris. Eis, com exatidão, a conversa havida:

"André Helbronner, de quem vós, segundo creio, sois o assistente, anda em busca da energia nuclear. Ele teve a amabi­lidade de me manter ao corrente de alguns dos resultados obtidos, particularmente da aparição da radioatividade correspon­dente à do polônio, quando um filamento de bismuto é vola­tilizado por uma descarga elétrica no deutério a alta pressão. Estão muito perto do êxito, aliás, como outros cientistas contem­porâneos. Ser-me-á permitido pô-los de sobreaviso? Os trabalhos a que vos dedicais, bem como os vossos colegas, são terrivelmente perigosos. Não são apenas os senhores que correm perigo. Estes são também para a humanidade inteira. A libertação da energia nuclear é mais fácil do que imaginais. E a radiatividade artificialmente produzida pode envenenar a atmosfera do planeta dentro de poucos anos. Além disso, podem ser fabricados explosivos atômicos a partir de algumas gramas de metal, e arrasar cidades. Posso dizer-vos com sinceridade: há muito que os alquimistas o sabem."

Bergier tentou interromper protestando. Os alquimistas e a física moderna! Ia lançar-se , em sarcasmos, quando seu anfitrião o interrompeu:

Sei o que me ides dizer, mas não interessa. Os alquimis­tas desconheciam a estrutura do núcleo, desconheciam a eletricidade, não possuíam qualquer processo de detecção. Por isso nunca puderam realizar nenhuma transmutação, nunca puderam libertar a energia nuclear. Não tentarei provar-vos o que agora
vou declarar, mas vos peço que o repitais ao Sr. Helbronner:
para desencadear as forças atômicas bastam disposições geométricas de materiais extremamente puros, sem que seja necessário utilizar a eletricidade ou a técnica do vácuo. Limitar-me-ei em seguida a fazer-vos uma pequena leitura.”

O homem retirou de cima da sua secretária o livro de Frédéric Soddy, L'interprétation du Radium, abriu-o e leu:

"Penso que existiram no passado civilizações que tiveram
conhecimento da energia do átomo e que uma má aplicação dessa energia as destrulu totalmente."

Depois continuou:

"Peço-vos admitir que sobreviveram algumas técnicas par­ciais. Peço-vos também que mediteis no fato de que os alqui­mistas juntavam às suas pesquisas preocupações morais e religio­sas, ao passo que a física moderna surgiu no século XVIII como resultado do divertimento de alguns nobres e de alguns ricos libertinos. Ciência sem consciência. . . Julguei meu dever avisar alguns investigadores aqui e além mas não tenho a menor es­perança de ver esse aviso produzir efeitos. Aliás, não tenho necessidade de esperar."

- Bergier nunca mais esqueceria o som daquela voz precisa, metálica;a e digna.

Permitiu-se fazer uma pergunta:

Se vós também sois alquimista, não posso acreditar que passe o tempo tentando fabricar outro, como Dunikovski ou o Doutor Miethe. Há um ano que tento documentar-me sobre alquimia, e vejo-me rodeado de charlatães ou de interpretações que me parecem fantasias. Poderíeis vós dizer-me em que consistem as vossas investigações?

_ Pedis-me para resumir, em quatro minutos, quatro mil anos de filosofia e os esforços de toda a minha vida. Pedis-me além disso, para traduzir em linguagem clara conceitos para os quais a linguagem clara não é feita. Apesar de tudo posso dizer-vos o seguinte: não ignorais que, na ciência oficial em progresso, o papel do observador se torna cada vez mais importante. A relatividade, o princípio da incerteza mostram-nos até que ponto o observador de hoje intervém nos fenômenos. O segredo da alquimia é o seguinte: existe um meio de manipular a matéria e a energia de maneira a produzir aquilo que os cientistas contemporâneos chamariam um "campo de força". Esse campo de força age sobre o observador e o coloca numa situação de privilégio em face do Universo. Desse ponto privilegiado, ele tem acesso à realidade que o espaço e o tempo, a matéria e a energia habitualmente nos dissimulam. É aquilo que chamamos a Grande Obra.

_ Mas a pedra filosofal? A fabricação do ouro?

_ São apenas aplicações, casos particulares. O essencial não é a transmutação dos metais, mas a do próprio investigador. É um segredo antigo, que em cada século vários homens voltam a encontrar.

_ E o que é então feito deles?

_ Talvez eu um dia venha a sabê-lo

O meu amigo não tornaria a ver esse homem que deixou um rastro indelével sob o nome de Fulcanelli. Tudo o que dele sabemos é que sobreviveu à guerra e desapareceu completamente após a Libertação. Todas as diligências para reencontrá-lo foram inúteis."

Eis-nos agora numa manhã de julho de 1945. Ainda que Esquelético e triste, Jacques Bergier, com um terno cáqui, prepara-se para arrombar um cofre-forte com um maçarico. É mais uma metamorfose. Durante esses últimos anos foi sucessivamente agente secreto, terrorista e deportado político. O cofre­-forte está numa bela vivenda, no lago de Constança, que pertenceu ao diretor de um grande truste alemão. Arrombado o cofre-forte expõe o seu segredo: uma garrafa que contém um pó extremamente pesado. Na etiqueta lê-se: "Urânio, para aplicações atômicas". A primeira prova formal da existência na Alemanha de um projeto de bomba atômica suficientemente forte para exigir grandes quantidades de urânio puro. Goebbels não deixava de ter razão quando, desde o seu bunker bombardeado, fazia circular pelas ruas arruinadas de Berlim o boato de que a arma secreta estava prestes a explodir na cara dos invasores". Bergier participou a descoberta às autoridades aliadas. Os americanos mostraram-se cépticos e declararam que qualquer investigação sobre a energia nuclear era sem interesse. Era um disfarce. Na realidade a primeira bomba americana explodira em segredo em Alamogordo, e nessa mesma ocasião, encontrava-se na Alemanha uma missão americana dirigida pelo físico Goudsmith, em busca da pilha atômica que o Professor Heisenberg elaborara antes do desmoronamento do Reich.


Na França nada se sabia de positivo, mas havia indícios. Especialmente este, para as pessoas atentas: os americanos compravam a peso de ouro todos os manuscritos e documentos al­químicos.

Bergier apresentou um relatório ao governo provisório so­bre a realidade provável das investigações a respeito dos explo­sivos nucleares tanto na Alemanha como nos Estados Unidos. O relatório foi sem dúvida para o cesto de papéis, e o meu amigo conservou a sua garrafa, que agitava na cara das pessoas, exclamando: "Vêem isto? Bastaria quê um nêutron passasse pelo interior para que Paris fosse pelos ares!" Aquele homenzinho de sotaque cômico gostava decididamente de gracejar e era es­pantoso que um deportado há pouco, saído de Mauthausen tivesse conservado tanto humor. Mas, bruscamente, a brincadeira dei­xou de ter graça, na manhã de Hiroxima. O telefone do quarto de Bergier começou a tocar sem interrupção. Diversas autoridades competentes pediam cópias do relatório. Os serviços de informação americanos pediam ao possuidor da famosa garrafa para procurar urgentemente um certo major que não queria divulgar a sua identidade. Outras autoridades exigiam o rápido afastamento da garrafa do centro de Paris.


Foi em vão que Bergier explicou que essa garrafa com certeza não continha urânio 235 puro é, mesmo que o contivesse, o urânio estava sem dúvida abaixo da massa perigosa. Do contrário, há muito teria explodido. Confiscaram-lhe o brinquedo, do qual nunca mais ouviu falar. Para o consolar, enviaram-lhe um relatório da Direção Geral dos Estados e Investigações. Era tudo o que aquele organismo, procedente dos serviços secretos franceses, sabia a respeito da energia nuclear. O relatório trazia três men­ções carimbadas: "Secreto", "Confidencial", "Para não ser di­vulgado". Continha, simplesmente, recortes da revista Science et Vie.

Restava-lhe apenas, para satisfazer a sua curiosidade, pro­curar o famoso major anônimo de quem o Professor Goudsmith contou algumas aventuras no seu livro Alsos. Esse misterioso oficial, dotado de humor negro, dissimulara os seus serviços atrás de uma organização destinada à busca dos túmulos dos sol­dados americanos. Estava muito agitado e parecia perseguido por Washington. Em primeiro lugar quis saber tudo o que Ber­gier conseguira apurar ou adivinhar sobre os projetos nucleares alemaes. Mas era principalmente indispensável, para a salvação do mundo, para a causa aliada e para a promoção do major que encontrassem com urgência Eric Edward Dutt e o alquimista conhecido sob o nome de Fulcanelli.



Dutt, sobre quem Helbronner fora encarregado de fazer in­vestigações, era um hindu que pretendia ter consultado manuscritos muito antigos. Afirmava que deles extraíra certos pro­cessos de transmutação dos metais e que, devido a uma descarga condensada através de um condutor de boreto de tungstênio, obtinha indícios de ouro nos produtos recolhidos. Muito mais tarde, os russos viriam a obter resultados análogos, mas utili­zando potentes aceleradores de partículas.

Bergier não pôde prestar grandes serviços ao mundo livre, à causa aliada e à promoção do major. Eric Edward Dutt, colaboracionista, fora fuzilado pela contra-espionagem francesa na África do Norte. Quanto a Fulcanelli, desaparecera definitiva­mente.


Fonte: "O Despertar dos Mágicos", de Louis Pauwels e Jacques Bergier , ed. Difel, 1975


.


publicado por conspiratio às 18:02
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. NÃO AO MARCO CIVIL DA INT...

. INVASÃO CUBANA - PROGRAMA...

. PAPA FRACISCO: UM COMUNI...

. GOVERNO TEM PRESSA PARA C...

. FORO DE SÃO PAULO É O PRO...

. Yoani Sanchez dissidente...

. TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO E ...

. NOVA ORDEM MUNDIAL ESTÁ P...

. O DESEJO IRRESPONSÁVEL DE...

. COMUNISMO SE CURA COM VER...

. A HISTÓRIA SECRETA DE ANA...

. A CONSPIRAÇÃO DO FORO DE ...

. A LISTA DE CLINTON - ESTR...

. A EDUCAÇÃO MORREU?

. CAUSAS DO CAOS BRASILEIRO...

. CONSPIRAÇÃO DO FORO DE SA...

. A HISTÓRIA SECRETA DE ANA...

. ABORTISMO SENDO INSTALADO...

. NOVA ORDEM MUNDIAL ESTÁ P...

. TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO,

. O PROBLEMA É O FORO DE SÃ...

. ORVIL - TENTATIVAS DE TOM...

. CONSPIRAÇÃO CONTRA A CIVI...

. RITALINA E OUTRAS DROGAS ...

. O EX-REVOLUCIONÁRIO DOSTO...

. UM POUCO SOBRE ABDUÇÃO E ...

. FINS E MEIOS, BEM E MAL,...

. PRIORADO DE SIÃO E A NOV...

. SE NÃO INVESTIRMOS EM CON...

. CONGRESSO QUER MANDAR NO ...

. COREIA, NOVA ORDEM MUNDIA...

. BLOSSOM GOODCHILD E A NAV...

. AGRICULTOR EM GUERRA CONT...

. CONTRA A CAMPANHA CONTRA ...

. OPRIMIR O CIDADÃO COM LEI...

. MANIPULAÇÕES DA LÓGICA, D...

. EXTINGUINDO A PROFISSÃO D...

. KARL MARX , ADAM WEISHAUP...

. CONTROLE E MAIS CONTROLE ...

. UFO OU MÍSSEL ATINGE "MET...

. LÚCIFER E A REVOLUÇÃO

. HIPNOSE PELA TV - DAVID I...

. FORMAÇÃO DO IMBECIL COLET...

. VOAR É COM OS PÁSSAROS?

. OS BILDERBERGERS/ILLUMINA...

. QUEM MANDA NO MUNDO

. O ILLUMINATI OBAMA SE DÁ ...

. ARIZONA WILDER REFUTA DAV...

. QUEM MATOU AARON SWARTZ?

. AGENDAS DE DOMINAÇÃO GLOB...

.arquivos

. Abril 2014

. Novembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

.tags

. 3 elites globalistas(6)

. a corporação(9)

. acobertamento(13)

. agenda illuminati(13)

. alex jones(8)

. amor(20)

. animais(29)

. arqueologia proibida(4)

. atenção(7)

. auto-realização(33)

. autoritarismo(7)

. bancos terroristas(8)

. benjamin fulford(5)

. bíblia(7)

. big pharma(12)

. bilderberg(8)

. budismo(24)

. calar a democracia(5)

. censura da internet(15)

. cérebro(22)

. codex alimentarius(15)

. comunismo(13)

. concentração(14)

. consciência(7)

. conspiração(94)

. conspiração antidemocrática(6)

. conspiração financeira(11)

. controle da informação(17)

. controle da internet(22)

. cura(25)

. daskalos(7)

. david icke(9)

. denúncia(10)

. depopulação(6)

. despopulação(8)

. deus(10)

. ditadura(14)

. ditadura através da mentira(6)

. ditadura através da saúde(11)

. documentários ufológicos(7)

. ecologia(35)

. educação(7)

. ego(25)

. engenharia social(9)

. ensonhar(11)

. eqm (experiência de quase-morte)(12)

. extraterrestre interferência(11)

. filosofia(6)

. globalistas(5)

. goldsmith(8)

. google(9)

. governo oculto(31)

. gripe suína(8)

. história(17)

. história da nom(5)

. illuminati(54)

. integração(9)

. internautas conheçam seu poder(6)

. internet censura(11)

. intraterrestres(8)

. jesus(8)

. krishnamurti(13)

. lei cala-boca da internet(5)

. liberdade(8)

. livre-arbítrio(6)

. manipulação da informação(13)

. manipulação da mente(8)

. manipulação das massas(8)

. medicina natural(10)

. mentecorpo(5)

. microchip(7)

. milton cooper(7)

. monsanto(6)

. movimento revolucionário(9)

. neurociência(20)

. nom(43)

. nova ordem mundial(83)

. obama(7)

. olavo de carvalho(31)

. poder da internet(5)

. poder da mente(97)

. poder das farmacêuticas(5)

. política(16)

. predadores da humanidade(16)

. problema-reação-soluçao p-r-s(7)

. profecias(9)

. project camelot(11)

. psicanálise(5)

. pt(9)

. rauni kilde(6)

. realidade(7)

. rockefeller(7)

. saúde(19)

. sonho lúcido(22)

. totalitarismo(9)

. totalitarismo global(9)

. ufo(46)

. universo(16)

. vida(31)

. xamanismo(15)

. todas as tags

.favorito

. NÃO AO MARCO CIVIL DA INT...

. INVASÃO CUBANA - PROGRAMA...

. PAPA FRACISCO: UM COMUNI...

. GOVERNO TEM PRESSA PARA C...

. FORO DE SÃO PAULO É O PRO...

. TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO E ...

. NOVA ORDEM MUNDIAL ESTÁ P...

. COMUNISMO SE CURA COM VER...

. A HISTÓRIA SECRETA DE ANA...

. A EDUCAÇÃO MORREU?

.links

.links

.EXPANDIR A CORRUPÇÃO É ESTRATEGIA REVOLUCIONÁRIA - OLAVO DE CARVALHO

.DAVID ICKE - PROBLEMA-REAÇÃO-SOLUÇÃO - a mais poderosa técnica de manipulação das massas

.EXPANDIR A CORRUPÇÃO É ESTRATEGIA REVOLUCIONÁRIA - OLAVO DE CARVALHO