Segunda-feira, 24 de Março de 2008

ABDUÇÃO - RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

.



Abdução: Um fenômeno comum entre
uma psiquiatra e seu paciente


Relato de uma experiência profissional espontânea, vivida em meu ambiente de trabalho.
Por Analigia Santos Francisco*



Entre humanos e humanóides
(parte 2)


PACIENTE ABDUZIDO


No dia 28 de novembro de 2002, fui para a CJM onde trabalho no setor de emergência do HJM como médica psiquiatra. Mais ou menos pelas 15 horas, sentei no lugar ocupado pelo registro para analisar alguns papéis. Nesse momento, entrou o Senhor A., paciente lotado no CRIS (centro de reabilitação e integração social), solicitando uma medicação para impregnação neuroléptica.

Como sempre chamei o auxiliar de enfermagem que responde como "Mineiro", para aplicar uma ampola de Biperideno 2mg via IM. Conhecendo seu caso apenas superficialmente, mas sabendo que ele usa o decanoato de Haloperidol que é uma medicação aplicada quinzenalmente, sei da necessidade do A. de desimpregnar.

Ao chegar o auxiliar, ele olhou espantado para o A. e disse:
- Doutora! Esse "cara" vive bebendo cachaça e gosta de tomar com essa medicação!
Olhei para A. para que ele dissesse algo em sua defesa, mas e paciente não se defendeu. Aliás, é uma atitude comum para os pacientes de longa data em manicômios como os da CJM, que passa por um processo de alienação crônica.

Um tanto irritado, o auxiliar começou a aplicar a injeção, quando uma voz imperativa, porém comedida, exclamou:
- Ah, não bebe. Eu sou prova disso!
Ato contínuo eu voltei meus olhos para o cidadão que eu pensava que estava esperando a hora da visita.
Era um homem mestiço, com expressão inteligente.
Eu e o "mineiro", naturalmente ficamos em silêncio diante de tanta segurança. Então ele continuou:
- Eu sou o irmão de A. E pago suas contas. Nunca paguei nada a não ser comida e refrigerantes.

Percebendo o nosso embaraço, ele suavizou sobremaneira:
- Acho que o senhor se equivocou em relação ao paciente. Naturalmente o senhor pode ter visto outro e pensou que fosse o A. Salvo pelo gongo, o mineiro aceitou e se desculpou e retirou-se a jato do local. Disfarçando a minha "cara no chão", abordei gentilmente o A. e perguntei se ele estava bem e ele confirmou com um sorriso e acrescentou:
- Esse é o meu irmão doutora!
No que o senhor assentiu com a cabeça.

Tranqüilizada com o "final feliz", sorri encerrando o incidente. Nesse momento, o senhor olhou fixamente para mim e indagou:
- A senhora conhece o A.?
Eu, sem saber mais como melhorar a situação respondi:
- Claro! Ele sempre vem à emergência desse hospital para fazer esse tipo de medicamento.

Ele insistiu:
- Pergunto se a senhora “conhece realmente” o A.; leu sua história?

Sem mais convicção alguma disse:
- Ele é do Cris; eu sou da emergência, logo eu o conheço como pessoa e sei de suas necessidades, mas não sou sua médica.

Ele, que se apresentou como S., questionou:
- Mas a senhora já leu seu prontuário do CRIS?
Eu disse não.
Ele insistiu:
- A senhora sabia que ele ficou assim depois que ele foi abduzido por um disco voador?
Eu o olhei fixamente. Em termos médicos, abdução não tinha sentido para mim naquela frase.
Ele percebeu e adicionou:
- Seqüestrado.

LEMBRANÇAS

Nesse momento, eu viajei para o ano de 1965. Eu estava com um primo de primeiro grau chamado JLR, pelos idos de julho a novembro. Era meia noite e eu sai de sua casa para ir para a minha, do outro lado da quadra. Nesse momento, eu vi algo a uns 80 metros de mim. Parado. Luzes coloridas (vermelho, verde, azul...) girando na horizontal, como um carro de polícia. Nessa época, todos as viaturas tinham cores de tom vermelho, o que me chamou atenção. Olhando mais nitidamente, percebi que simplesmente o objeto estava parado e não tinha nada embaixo para suportá-lo. Bastante surpreendida, suspeitei de algo inusitado. Olhei fixamente e percebi que as luzes deixavam perceber algo metálico a mais de 3 metros de altura, sem suporte e que parecia côncavo. "É um disco voador". Nesse momento, pensei no perigo e olhei em volta. A menos de 30 metros, dois homens baixos, talvez com 1,30 ou 1,40 vestidos de astronautas, vinham calmamente em nossa direção. Recordando os livros que já havia lido em todos meus 14 anos e meio, pensei em algum raio paralisante ou essas coisas similares. Em fração de segundos, tive medo de voltar para casa e eles fazerem algum mal à minha família. Pensei em seguir pela rua que ia dar numa pedreira; assim eu e meu primo nos livraríamos deles.

Desatamos a correr...

NO HOSPITAL

Olhei para o S. e creio que ele deve ter percebido a longa peregrinação mental que fiz. S. continuou. Nessa hora só estávamos eu, S. e A..
- Sinto que a senhora não é como o doutor L., que é o médico dele. Então eu vou contar para a senhora o que aconteceu. Eu refeita e curiosa olhei ansiosamente para saber o ocorrido.

- Tudo começou em novembro de 1952, em Cubatão. Eu, e mais nove moleques de minha idade (eu contava com nove anos e meu irmão A., com oito) brincávamos de polícia e ladrão quando um vento muito forte chegou de repente. Antes que tivéssemos qualquer reação, um objeto se aproximou de nós. Tinha o tamanho do maracananzinho.

Nesse momento, eu quase pus tudo a perder. Lembrei do "Independence Day". Filme de um exagero fenomenal e tão discreto como uma revoada de hipopótamos. Com minha esforçada contenção do riso (ou gargalhadas), ele continuou:

- Nisso, a "nave" parou, abriu uma porta que se embutia pelas paredes - meu pai não acreditou quando eu disse isso, porque nessa época a gente não conhecia esse sistema - e lançou uma "flecha" metálica de mais ou menos 30 cm. Começamos a correr e o primeiro abrigo para nós era a escola. Chegamos lá em mais ou menos oito minutos. Então percebi que meu irmão não estava. Como irmão mais velho, me senti (e sinto) muito mal por não ter parado para socorrê-lo. Cheguei em casa e contei tudo. Um monte de pessoas então saíram para procurar o A.. Ninguém sabia onde ele estava, até que houve um telefonema da Estação para nossa cidade, perguntando-nos se conhecíamos um menino com as características de meu irmão. Chegamos até lá e encontramos A. em choque; não reconhecia ninguém. Nós o levamos para casa e intentamos todos os médicos de Cubatão. Ele piorava a cada dia. Doutora, levamos ele para tudo que era médico e ele ficou para morrer...

- Quais os sintomas? Perguntei curiosíssima, e voltei a dizer:
- Aliás, vou fazer melhor; vou abduzir você até meu consultório para que você me conte tudo...
Ele sorriu e A. percebeu que não era hora de permanecer; orgulhoso de ver seu irmão sendo atendido com atenção (coisa que falta na nossa prática médica), ele saiu contente. Entramos em meu consultório e quando havia uma emergência eu atendia e logo voltávamos ao tema...

- Meu irmão pegou uma enorme quantidade de enfermidades, principalmente na pele. Furunculose e uma coisa... Que não sei definir...

VOLTANDO A 1952

Novamente eu fiz uma viagem até novembro de 1952, quando eu tinha 1 ano e pouco e passei por uma experiência semelhante. Eu nasci em julho de 1951. Meus pais eram muito jovens (16 e 18 anos). Aos 6 meses de idade, meus pais me mandaram para a casa de meus avós, no Sul da Bahia, em Ilhéus. Apesar de muito ricos e produtores de cacau, eles tinham vida simples e não urbana, faltando por isso , o conforto das grandes cidades.

Depois que fiz 1 ano, segundo meus pais, minha mãe teve uma visão de madrugada. Viu Jesus, bem claramente pedindo que ela fosse me buscar senão eu morreria... Ela foi direto para o aeroporto e chegou à Bahia o mais rápido que pôde. Me encontrou em estado de quase-morte. Desidratada, com furunculose e irreconhecível. Ela buscou uma farmácia e o farmacêutico a desenganou: "Ah, minha senhora!!! Essa menina não tem jeito não... A senhora tem que buscar socorro em uma cidade grande".

Minha mãe, Dona NSEP, 17 anos, sozinha e sem saber o que fazer voltou à fazenda e retaliou meus avós, acusando-os dos mais graves danos que uma pessoa poderia fazer. Isso selou uma inimizade que duraria para sempre, mesmo contra os argumentos de meus avós que disseram que a culpa recaia na babá (de dez anos) que abandonou a criança no mato e fugiu... Incógnita. Fugiu de que? Minha mãe pegou meus restos e foi para Minas Gerais. Onde sua Irmã OEP morava.

Ali, fiquei em estação de águas por 3 meses. Minha saúde foi restaurada, porém uma coisa foi percebida gradativamente. Eu estava cega de um olho, permaneciam as luzes, porém sem foco. Isso me causou um estrabismo bastante grave...

NO CONSULTÓRIO

S. falava enquanto eu comparava minha estória, a época, as doenças e tudo mais.
- S.! Que estória terrível você está me contando! Exclamei lamentando a mim mesma.
- É doutora! Eu guardarei essa culpa comigo para sempre. Eu deveria ter ficado.
- Doutora! A senhora já viu discos voadores, né?
- É... Eu vi com meu primo quando eu tinha 14 anos.
- Viu a tripulação?
- Vi.
- E depois?
- Depois? Ah!. Eu corri.
- É. Assim é melhor. Mas...Correu para onde?
- Corri para uma pedreira. Eu e meu primo.
- Ah!

Nesse momento eu me perguntava: Cadê a pedreira que eu nunca cheguei lá. Eu não me lembrava de nada; arquivei. Eu já estava sobremaneira em pânico. S. já percebia que o assunto chegou ao particular, mas não ousava perguntar.

- S.. O estrabismo que eu noto em seu irmão. Ele nasceu assim?
- Não doutora. Isso foi seqüela. Apareceu depois, sem mais nem menos. Aliás, o Chico Xavier fez uma palestra sobre isso e eu notei que ele tinha o mesmo problema de meu irmão.
Ato contínuo eu fui à minha bolsa, peguei minha carteira de motorista e apresentei ao S..

"MONOCULAR"

Ele olhava para a carteira e me olhava. Eu, séria.
Ele então, falou com voz baixa:
- Abduzida...

Creio que já se passaram mais de duas horas de diálogo. Eu então resolvi entrevistar o A..
- E aí, A.. Quer dizer que você tem um irmão e eu tomei ele de você?
A., orgulhoso de ver tanta atenção, disse sorrindo:
- Ah! Doutora! Para mim está tudo bem.
- Diga-me A., como foi aquela estória da nave?
- Eu não me lembro de nada não senhora. Só sei que eu brincava com meus amigos, ai veio um vento forte e de repente eu vi uma "seta". E tinha uma coisa muito grande que escureceu o céu.
- E como era essa seta?
- Mais ou menos deste tamanho oh! E sinalizou algo de 35cm.
Daí por diante, ele não se lembra de mais nada, nem que estava longe e sua família foi buscar. Apagou de sua memória todas as informações.

A., um paciente de décadas na CJM, já tem seus neurônios de criatividade e abstração hipotrofiada. Mas todos os eventos, ficaram correlacionados com as informações de S.; Por outro lado, eu confio mais nos meus pacientes embotados que sejam ,do que a mente criativa e enganosa dos homens de QIs normais.

S. também me informou que durante alguns anos, não "acordou" para os fatos; somente com dezoito anos, quando foi servir exército no Ceará, é que começou a procurar alguma coisa que curasse seu irmão. Refere ter ido para a universidade do Ceará onde cursou pedagogia e psicologia. Não teve direito a participar dos trabalhos ufológicos porque não havia sido abduzido e só era testemunha.

Pesquisador por conta própria, autodidata em fenômenos UFOs, S. conseguiu perseguir a rota do agora já famoso (para nós) Ovni de novembro de 1952. Descobriu que ele foi visto no Ceará e ali abduziu pessoas, uma delas com o nome de Valter. Nesse suposto abduzido, na mesma época da abdução de A., foi encontrado em seu crânio, um chip (?). Foi ao estado do Pará onde se encontrou com o médico que fez a cirurgia e a retirada do chip, do tamanho de um grampo (desses que servem para grampear folhas). Após a cirurgia, o paciente Valter, não suportou a cirurgia e veio a falecer com suposta hidrocefalia.

Eu já explorara o senhor S. por horas e acabei por abduzi-lo por exatamente 7 horas, haja vista que ele ficou à minha disposição até às dez horas da noite. Ele deixou seu telefone comigo e sei que qualquer iniciativa para desvendar o caso de seu irmão será abençoada. A essa altura, eu já debulhava minha vivência para ele. Sentia uma confiança naquele senhor de 60 anos que se apunhalava por não ter se lembrado de seu irmão. Exatamente há meio século atrás...

Dois destinos...Não. Com o Valter, 3 destinos. Não muito mais destinos se cruzavam numa experiência desconhecida, numa moral estranha, que beneficia uns e destrói outros? Eu sentia agora todo meu império de crenças ruir como o Word Trade Center... Sem querer, aquele homem se apresentou para mim, num fatídico dia 28 de novembro de 2002. E ia mudar minha vida e a de minha família, talvez para sempre.

Sempre me achei uma raridade, relíquia mesmo. Alguma coisa que viria mudar a filosofia
do mundo, partilhada com uma enorme ignorância de mim mesma. E quem são os meus “amigos”?
Por Analigia Santos FRANCISCO*

Depois de recuperada da enfermidade que quase me matou aos 1 ano e meio, passei a recordar das coisas que eu vivia. Porém, não sei porque, minha mãe, já com 18 anos, me encaminhou para um internato em Santa Teresa, que se chama "Colégio das Meninas". Era católico e quem supervisionava eram as freiras. Depois da estação de águas em Minas Gerais, fui para esse Colégio. Sentia muitíssima a falta de meus pais. Agonizava mesmo.

Um dia, estava almoçando e junto ao feijão com arroz, apresentou-se algo esbranquiçado, um detalhe que me veio à mente mais tarde é o pavor que eu tenho quando vejo esse tipo de aparência na comida, parecia um suflê. Eu sentia ânsias de vômitos, mas a freira me obrigara a comer tudo. De repente, eu olhei para a porta e vi minha mãe me olhando através da portinhola. Que linda árabe! Meu coração de 3 anos se apertou de emoção. Eu não teria que comer "aquilo". De repente eu a vi dando dinheiro para a freira e com um último olhar furtivo, saiu sem falar comigo.

Pela primeira vez experimentei dois sentimentos antagônicos; de jubilo e de infelicidade. As únicas vezes que eu sai do internato ao longo dos 4 anos foi com minha tia MEP, que na época tinha 15 anos. E quando eu chegava em minha casa, via que "nós" morávamos em um apartamento enorme com dois irmãos lindos que eu tinha, mas que não podiam brincar (?); tinha em minha casa mais agregados de "favor", que eram meu tio DR, minha tia DE e MEP. Eu adorava ouvir o acordeão delas, mas eu só ficava um pouco.

'Para mim, as pessoas que me visitavam eram viventes.
Um dia, eu estudava em minha escrivaninha, em meu quarto e um "tio"
meu apareceu. Ao lado dele tinha uma mulher que parecia artificial.'

Um dia, aos 4 anos, minha tia MEP (vou lhe dever esse favor para o resto da eternidade) me levou para passear em São Gonçalo, Galo Branco, onde morava minha outra tia REP e um acidente me envolveu de forma quase fatal. Minha perna se "triturou" num motocicle dirigido por minha tia REP. Enfim, fiquei dois anos sem andar, quase amputação de perna esquerda e o alívio de não mais poder voltar ao colégio de freiras, já que o Colégio, não aceitava "aleijadas".

Eu conseguia ser a pessoa mais feliz do mundo. Enfim, moraria com meus pais e com meus lindos irmãos. Percebi que minha mãe tinha muito mais "pessoas" em nossa casa. Depois das 18 horas, quando minha mãe me levava para dormir, "eles" vinham e me ensinavam muitas coisas, saíam comigo, eu voava e ia para lugares lindos. Eles me ensinavam tudo sobre a moral e a vida.

Adorava discutir com meu pai, que era repórter nessa época. E também eu me lembro quando Albert Einstein veio ao Brasil. Nessa época, meu pai tinha 23 anos e parecia uma criança. Comecei a estudar e com 6 anos voltei a andar e cursei a 3ª serie do curso primário. Adorava escutar meu pai, nessa época falando de "Danna de Tefé" e o "advogado do Diabo".

Para mim, as pessoas que me visitavam eram viventes. Um dia, eu estudava em minha escrivaninha, em meu quarto e um "tio" meu apareceu. Ao lado dele tinha uma mulher que parecia artificial. Ele estava com um sinalizador de quadro (na falta de um exemplo) e fez uma série de revelações que alterariam a minha vida dai para frente... Uma delas era que eu seria médica de cabeça. Só que ele apontava para o "holograma?"; mas eu entendia que era comigo...

Ele foi sumindo no ar como fumaça e eu então me apavorei. Corri em direção da minha mãe e expliquei o ocorrido.
- Meu tio morreu!
- Que tio? Responda?

Tentei explicar e ela deve ter entendido, porque me olhou severamente e me disse:
- Você viu foi gente morta. Não existe tio nenhum! E nunca mais fale isso com ninguém ouviu?
Eu balbuciei:
- Então, por favor, me leve ao psiquiatra...
E passei a ter horror de mortos.

'Grandes tragédias me esperavam, após eu voltar a andar.
Minha mãe era possessiva e sem limites. Meu pai racional
e cheio de cuidados com a sociedade, já que ele era colunista social'

Nessa época resolvi me excomungar; motivo: o padre falava mais do diabo que de Deus. Era um contra-senso. Com 6 anos eu não suportaria tamanha estultícia. Estava entrando para a quarta série. Não sou idiota. Informei aos meus pais que não seria católica. "Sou vesga e desdentada”, (não me avisaram que os dentes de leite caiam como um fenômeno normal), assim eu me achava, mas não sou burra. Enquanto minha mãe estava desolada, meu pai sorridente, comentou que ia saber do meu QI. Eu já sentia algo de superioridade (lamento informar), confesso.

Eu vi nessa época algo no céu parecido com uma lua, mas de cor bronze metálica. Fiquei olhando. Estava bem à frente de minha janela entre eu e o Cristo Redentor (eu morava na Rua AL) . Chamei minha mãe e ela disse que era porque eu tinha problemas na vista; acreditei olhando para o que eu não mais sabia se via.

Meus pais se separaram e eu fiquei sob a custódia de meu pai, que considerava minha mãe inapta para ficar comigo e cuidar de minha educação. Grandes tragédias me esperavam, após eu voltar a andar. Minha mãe era possessiva e sem limites. Meu pai racional e cheio de cuidados com a sociedade, já que ele era colunista social.

O divórcio saiu numa quinta-feira, véspera de sexta-feira santa e minha mãe perdeu tudo. Na madrugada de sexta para sábado, minha mãe fugiu da Justiça com seus três filhos, num caminhão pequeno, sem levar nada, exceto roupas, e algumas coisas importantes. Saímos meia-noite e chegamos às 6 horas da manhã numa roça interminável. Solicitamos ajuda a minha tia REP que quando viu a televisão (em abril de 1964), se interessou, fez questão de nos oferecer dois cubículos 2X3m, sem banheiro ou cozinha (por três meses) e naturalmente, a televisão ficaria com ela. A partir dai, os fenômenos começariam a aparecer.

'Eu já havia avistado os ETs em 1965 e depois caiu para o esquecimento,
exceto uma depressão que senti após o avistamento,
a qual eu atribui ao crack financeiro.'

A partir desse momento, eu comecei a duvidar de tudo. Minha mãe com 29 anos, eu e meus irmãos com 12, 10, 8 anos respectivamente. Ela sem currículo de nada, exceto as roupas caras e os 40 pares de sapatos caríssimos que ela teve que deixar na outra casa. Era abril de 1964. Minha tia REP nos humilhava, o que podia. Mas, meu primo JLR, era muito legal comigo. Minha mãe causou uma crise de depressão terrível e me culpava por tudo, já que eu havia sido refém deles por cinco anos.

- Você, teve pai, mas seus irmãos, nunca.
Eu não podia me mover. Ela se viciou em estar contra mim. Pedi que ela me matriculasse numa escola.
- Você o que? Tá brincando? Você vai é cuidar de seus irmãos...
Eu havia me cansado de sentir taquicardia e gelar quando flagrava minha mãe me olhando com ódio. Mas eu a amava.

A pobre nunca conseguiu fazer muita coisa como chefe de família. Aí, eu fiz um acordo com ela; eu trabalharia e ela me deixaria estudar. Acordo feito. Eu passei para um colégio estadual à noite e trabalhava durante o dia vendendo linha e botão na rua, de porta em porta. Sem comentários sobre esse momento, pois eu consegui ser feliz a meu modo.

Aos 15 anos já tinha um bom emprego em vendas no mercado imobiliário. Eu já havia avistado os ETs em 1965 e depois caiu para o esquecimento, exceto uma depressão que senti após o avistamento, a qual eu atribui ao crack financeiro. Eu comecei a sentir falta dos meus amigos espirituais; afinal estiveram comigo nos piores dias de minha vida e aquele momento, não estava melhor. A saudade do amor (meu pai), a angustia de ser explorada por aqueles seres que se amavam tanto e me humilhavam (nada contra os meus irmãos, afinal de contas eles não eram inteligentes) e a necessidade de comprar um pouquinho da consideração deles (êta, judia!) me fez crescer profissionalmente.

Começaria então o "poltergeist". Eu me empenhei a procurar um "dreno" em minha adolescência humilhada pelos "nãos" e “bate-portas na cara” quando eu oferecia linhas coloridas para as pessoas. Mas era questão do meu almoço (e minha paz com minha mãe). Dei uma guinada e virei guitarrista de grupos, me iniciei a beber e a fumar cigarros. Senti que meus amigos passaram a exercer um governo ditatorial contra mim. (ou sobre mim). Eles me ameaçavam. Um dia, minhas amigas estavam prontas para sair e quando eu passei pela porta, uma voz imperiosa me disse:

- "J" você não vai!
- Vou sim! Rebelei-me com minha roupa hiper-moderna nos meus 14 anos.
- Não vai.
- "Perai, pô"! Minha mãe nunca me mandô! Qual é?
- J, você é quem sabe.
Fui!
Caminhei com meus amigos, feliz com a decisão tomada. Quem são eles? Que me mandam desde a infância? Tenho direito a viver o que eu quero.

'Os supostos espíritos desencarnados, sempre atuaram naquele
local onde o disco pousou... Eu nunca me havia apercebido antes...
Será que eles tinham alguma ligação com ETs?'

Quando chegamos à segunda quadra, exatamente no lugar onde o disco voador parou; minha amiga Vilma (que a gente americanizou de Lucy) sofreu uma crise convulsiva. Ligamos para a ambulância e quando ela chegou, eu me prontifiquei a acompanhá-la; moral da história: Fiquei das 22 às 7 horas da manhã, sendo interrogada por policiais e médicos. Às 7 horas, Vilma acordou linda e maravilhosa e ainda por cima passei pelo embaraço de ser levada de ambulância para casa na hora do café. É tudo que uma menininha na adolescência não poderia suportar. E tudo na presença de meus super heróis (que são os jovens líderes, que influenciam os adolescentes por suas posturas de comando). Passei a ter medo. Passar vergonha? Nunca. Afinal de contas? Quem eram esses carinhas que faziam o que queriam de mim. Então, eu os mandei embora... Os supostos espíritos desencarnados, sempre atuaram naquele local onde o disco pousou... Eu nunca me havia apercebido antes... Será que eles tinham alguma ligação com ETs?

"A pior coisa da minha vida foi o consentimento deles”. The day After (no dia seguinte), eu podia tudo. Liberdade. Olhava para um lado e para o outro e nada... Não via, não enxergava nada. Era o fim de uma vida sem meus amigos espirituais que me embarreiravam a liberdade. A meus pais, nunca obedeci, porque eu tinha o “domínio” deles. Agora eu era livre para ir aonde bem quisesse.

Nunca correlacionei os fenômenos ETs com os meus amigos (aliás não eram mais, pois eu pedi que me deixassem em paz). Para mim eram espíritos desencarnados de outras vidas que estavam no meu pé. (palavras de adolescente).

Um dia livre...Mais um dia... Uma semana... Um mês. Comecei a me sentir numa caixa de fósforos. Eu me sentia desprotegida, sem chão... Comecei a rezar: “Deus! Por Tua misericórdia! Peça para eles voltarem! Eu me arrependo Senhor! A vida não tem sentido... Nem um sinal. Nada. Espero. Vem! Por favor! De novo não! A primeira vez foi por medo; a segunda por rebeldia. Agora eu prometo que vou obedecer”.

Três meses e nada. Eu percebi que minha vida não teria mais sentido. Queria continuar comungando suas idéias. Seu universalismo. Depois de mais de três meses de oração e jejum, eles ressurgiram. Eu teria quase 15 anos. E eles entraram com tudo; quer dizer: invadiram minha praia... Parei com minhas bebidinhas e meu cigarrinho de baile (os namorados eram quem patrocinavam, aliás, é um cuidado a se tomar). Fiquei careta de todo. Vegetariana e etc. Troquei minhas roupas por outras mais moderadas. Eles me convidaram para estudar no além (não sei bem onde). Eu aceitei. Aos quinze anos passei a estudar um emaranhado de coisas que jamais imaginei existirem; História, mesclado com Ciência e Arqueologia que também se mesclava com Sociologia e Matemática superior, etc.

'Fiquei dois anos sem poder ter paz em minha casa
e fugindo dos padres da paróquia antes que eles me
fizessem o que fizeram com a pobre Lúcia, aquela portuguesa...'

O ambiente era futurista, de cores meio prateadas; cadeiras com um só pé, mas com uma rotatividade diferente. Os professores eram versáteis e as aulas, muito interessantes. Algumas matérias eu revi na escola comum. Os alunos, às vezes, eu os via, às vezes parecia que eu estava só, porém eu sabia que não. Quantos anos eu fiquei nessa escola? Pouca coisa? Foram 28 anos.

Eu decidi ficar com eles por amor, já que o planeta Terra não me oferecia nada melhor. O maior problema deles era o escândalo... Sim, o escândalo. Eles eram soberanamente escandalosos. "Todas as pessoas que visitavam minha casa tinham que receber curas, flores, até mesmo os que eu odiava e rezava para que eles não o fizessem". Aí eu passei a ser aquela menina poltergaist.

Fiquei dois anos sem poder ter paz em minha casa e fugindo dos padres da paróquia antes que eles me fizessem o que fizeram com a pobre Lúcia, aquela portuguesa que se apaixonou pelo Antônio, mas que o império católico proibiu. Afinal de contas, a diferença é que eu me casei com o Antônio (português) e estou com ele até hoje, após 28 anos. Essa é a diferença.

Seria excelente viver assim com eles, se a minha mãe, um dia, cansada de receber milhares de pessoas, não tivesse gritado para mim e para os meus amigos.
- Eu não agüento mais esse vai e vem em minha casa! Eu vou pedir para você e seus "amigos" que saiam daqui.

Eu digo:
- Chega!

E agora, José? A festa acabou. Eu e meus amigos fomos postos para fora. Também! Escandalosos. O que a gente vai fazer? Alugar algum lugar? Leia Kardec. (Disse qualquer um deles que não sei qual).

- Quem é esse tal Kardec? Eu acho que li alguma coisa assim como "Vote em Alan Kardec para deputado estadual".

- Celma! (Assim eu chamava minha mãe que de bonita que era, não podia permitir que eu a chamasse de mãe) Quem é esse tal de Kardec?
- Ah! É um cara que fundou uma religião. Espiritismo.
Eu empaquei.
- Que? Macumba?
Eu me reportei aos tempos em que a gente assustava uns aos outros com papos fúnebres.
- Não! É um tal de centro de mesa. Linha branca.
Isso não me convenceu nem um pouco.
- Para mim é coisa ruim. E pronto.

'Saíram 4 navezinhas que passearam por um tempo indefinido.
Eu estava nesse dia, com um amigo chamado PRCS. Ele acompanhou
juntamente com mais de 50 pessoas, o passeio tranqüilo dos Ovnis'

No dia seguinte aconteceram outros fenômenos que não tenho permissão para falar aqui. Também não tenho permissão para outras coisas que eles falaram, pelo menos, ainda. Contudo, no dia seguinte me apresentei na Federação do Estado do Rio de Janeiro, onde o presidente era o queridíssimo Floriano M.P. e sua esposa Luzia M.P., que me receberam com um carinho especial.

Percebi no decorrer do tempo que não poderia ter filhos. Nunca engravidei. Quando fiz sete anos de esterilidade (o que para mim era o meu maior castigo), adotei um menino escurinho. Ainda era solteira nessa época. Estava noiva e meu noivo consentiu na minha opção.

Chegou ALSF para fazer a festa em minha casa. Minha mãe mudou. Creio que foi a melhor coisa para ela. Nesse meio tempo, conheci quem é hoje meu marido. Tivemos relações e acreditei estar grávida. Não quis dizer nada para ele para que não me apressasse. Depois, sem que, nem para que, menstruei... (decepção). Mas logo a seguir, engravidei de novo e nasceu FSF. (para mim, um pequeno Deus). Com cinco meses de felicidade extrema, ele morreu de meningite...

Dia 23 de junho de 1976. Cemitério do Caju, Rio de Janeiro, eu dava o último adeus ao meu primogênito. Aquele que nasceu circuncidado e morreu como o filho do Faraó do Egito. Eu Hebréia, ele circuncidado...Explica-me, Senhor! Saí do cemitério e comecei a estudar Medicina. Nunca mais perderia um filho por um erro médico. Nono lugar na Cesgranrio - UERJ - Medicina. Era isso que vocês pediram? Sejam feitas as vossas vontades! Dai para frente nasceu uma menina (ADSF) e depois MSF.

'Cada vez que esse tipo de cirurgia acontecia, eu adquiria mais poderes.
Percebia o mundo de forma cada vez mais clarividente'

Mais uma vez, avistei coisas no céu. Com testemunha e, dezenas de outros, sem testemunhas. Não sei para que ver discos voadores! Para mim não tem relevância. Se existe, ok! Mas o que eu tenho com isso? Um certo dia eu vi uma sonda prateada (balão meteorológico?). Ela me acompanhou por quase uma hora. Mas, por que ninguém o notou? Só eu achei anormal aquilo me perseguindo por um tempo incrível. Em 1986, era uma segunda-feira, creio que no mês de maio, quando avistei uma nave espacial que permaneceu no céu por uma hora e meia. Dela saíram 4 navezinhas que passearam por um tempo indefinido. Eu estava nesse dia, com um amigo chamado PRCS. Ele acompanhou juntamente com mais de 50 pessoas, o passeio tranqüilo dos Ovnis. Em um determinado momento eu cansei de olhar para cima e entrei no carro. Vi quatro seres me olhando... Nesse momento, eu os reconheci. Eram os cirurgiões que me torturavam por muitas vezes em minha casa. Eu os via sempre, fazendo algo de dor indecifrável em minha cabeça e nunca reagi porque estava paralisada. Esse evento se passou por um número infinito de vezes desde minha mocidade. Que cirurgia era essa? Tão insuportável que eu pedia sempre: Deus! Não me mate agora! Faz que eu suporte tudo isso!

Cada vez que esse tipo de cirurgia acontecia, eu adquiria mais poderes. Percebia o mundo de forma cada vez mais clarividente. Então, eu agradecia a Deus por ter tirado um parafuso (sei lá o que era), para eu pensar melhor e com mais tranqüilidade. Meus dons passaram a se tornar uma poderosa arma para meu viver.

Assim, eu suportaria qualquer coisa para poder fazer algo para a humanidade (meio megalomaníaca, é claro), porém eu tenho potentes armas; sou médica neuropsiquiatra, o que é já muito, e posso ajudar as pessoas.

* Analigia Santos Francisco é médica neuropsiquiatra e hipnóloga.

Abdução: Um fenômeno comum entre uma psiquiatra e seu paciente

http://groups.msn.com/UFOLOGIA-ALIENSOVNIS/abduoumfenmenocomumentreumapsiquiatraeseupaciente.msnw


______________________________

.
publicado por conspiratio às 20:20
link do post | comentar | favorito
 O que é? |  O que é?

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. NÃO AO MARCO CIVIL DA INT...

. INVASÃO CUBANA - PROGRAMA...

. PAPA FRACISCO: UM COMUNI...

. GOVERNO TEM PRESSA PARA C...

. FORO DE SÃO PAULO É O PRO...

. Yoani Sanchez dissidente...

. TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO E ...

. NOVA ORDEM MUNDIAL ESTÁ P...

. O DESEJO IRRESPONSÁVEL DE...

. COMUNISMO SE CURA COM VER...

. A HISTÓRIA SECRETA DE ANA...

. A CONSPIRAÇÃO DO FORO DE ...

. A LISTA DE CLINTON - ESTR...

. A EDUCAÇÃO MORREU?

. CAUSAS DO CAOS BRASILEIRO...

. CONSPIRAÇÃO DO FORO DE SA...

. A HISTÓRIA SECRETA DE ANA...

. ABORTISMO SENDO INSTALADO...

. NOVA ORDEM MUNDIAL ESTÁ P...

. TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO,

. O PROBLEMA É O FORO DE SÃ...

. ORVIL - TENTATIVAS DE TOM...

. CONSPIRAÇÃO CONTRA A CIVI...

. RITALINA E OUTRAS DROGAS ...

. O EX-REVOLUCIONÁRIO DOSTO...

. UM POUCO SOBRE ABDUÇÃO E ...

. FINS E MEIOS, BEM E MAL,...

. PRIORADO DE SIÃO E A NOV...

. SE NÃO INVESTIRMOS EM CON...

. CONGRESSO QUER MANDAR NO ...

. COREIA, NOVA ORDEM MUNDIA...

. BLOSSOM GOODCHILD E A NAV...

. AGRICULTOR EM GUERRA CONT...

. CONTRA A CAMPANHA CONTRA ...

. OPRIMIR O CIDADÃO COM LEI...

. MANIPULAÇÕES DA LÓGICA, D...

. EXTINGUINDO A PROFISSÃO D...

. KARL MARX , ADAM WEISHAUP...

. CONTROLE E MAIS CONTROLE ...

. UFO OU MÍSSEL ATINGE "MET...

. LÚCIFER E A REVOLUÇÃO

. HIPNOSE PELA TV - DAVID I...

. FORMAÇÃO DO IMBECIL COLET...

. VOAR É COM OS PÁSSAROS?

. OS BILDERBERGERS/ILLUMINA...

. QUEM MANDA NO MUNDO

. O ILLUMINATI OBAMA SE DÁ ...

. ARIZONA WILDER REFUTA DAV...

. QUEM MATOU AARON SWARTZ?

. AGENDAS DE DOMINAÇÃO GLOB...

.arquivos

. Abril 2014

. Novembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Julho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

.tags

. 3 elites globalistas(6)

. a corporação(9)

. acobertamento(13)

. agenda illuminati(13)

. alex jones(8)

. amor(20)

. animais(29)

. arqueologia proibida(4)

. atenção(7)

. auto-realização(33)

. autoritarismo(7)

. bancos terroristas(8)

. benjamin fulford(5)

. bíblia(7)

. big pharma(12)

. bilderberg(8)

. budismo(24)

. calar a democracia(5)

. censura da internet(15)

. cérebro(22)

. codex alimentarius(15)

. comunismo(13)

. concentração(14)

. consciência(7)

. conspiração(94)

. conspiração antidemocrática(6)

. conspiração financeira(11)

. controle da informação(17)

. controle da internet(22)

. cura(25)

. daskalos(7)

. david icke(9)

. denúncia(10)

. depopulação(6)

. despopulação(8)

. deus(10)

. ditadura(14)

. ditadura através da mentira(6)

. ditadura através da saúde(11)

. documentários ufológicos(7)

. ecologia(35)

. educação(7)

. ego(25)

. engenharia social(9)

. ensonhar(11)

. eqm (experiência de quase-morte)(12)

. extraterrestre interferência(11)

. filosofia(6)

. globalistas(5)

. goldsmith(8)

. google(9)

. governo oculto(31)

. gripe suína(8)

. história(17)

. história da nom(5)

. illuminati(54)

. integração(9)

. internautas conheçam seu poder(6)

. internet censura(11)

. intraterrestres(8)

. jesus(8)

. krishnamurti(13)

. lei cala-boca da internet(5)

. liberdade(8)

. livre-arbítrio(6)

. manipulação da informação(13)

. manipulação da mente(8)

. manipulação das massas(8)

. medicina natural(10)

. mentecorpo(5)

. microchip(7)

. milton cooper(7)

. monsanto(6)

. movimento revolucionário(9)

. neurociência(20)

. nom(43)

. nova ordem mundial(83)

. obama(7)

. olavo de carvalho(31)

. poder da internet(5)

. poder da mente(97)

. poder das farmacêuticas(5)

. política(16)

. predadores da humanidade(16)

. problema-reação-soluçao p-r-s(7)

. profecias(9)

. project camelot(11)

. psicanálise(5)

. pt(9)

. rauni kilde(6)

. realidade(7)

. rockefeller(7)

. saúde(19)

. sonho lúcido(22)

. totalitarismo(9)

. totalitarismo global(9)

. ufo(46)

. universo(16)

. vida(31)

. xamanismo(15)

. todas as tags

.favorito

. NÃO AO MARCO CIVIL DA INT...

. INVASÃO CUBANA - PROGRAMA...

. PAPA FRACISCO: UM COMUNI...

. GOVERNO TEM PRESSA PARA C...

. FORO DE SÃO PAULO É O PRO...

. TEOLOGIA DA LIBERTAÇÃO E ...

. NOVA ORDEM MUNDIAL ESTÁ P...

. COMUNISMO SE CURA COM VER...

. A HISTÓRIA SECRETA DE ANA...

. A EDUCAÇÃO MORREU?

.links

.links

.EXPANDIR A CORRUPÇÃO É ESTRATEGIA REVOLUCIONÁRIA - OLAVO DE CARVALHO

.DAVID ICKE - PROBLEMA-REAÇÃO-SOLUÇÃO - a mais poderosa técnica de manipulação das massas

.EXPANDIR A CORRUPÇÃO É ESTRATEGIA REVOLUCIONÁRIA - OLAVO DE CARVALHO